Pular para o conteúdo principal

Sou Brasileiro, um poema cachoeirense.

Sou brasileiro com orgulho e satisfação
Cumpro com meus deveres como todo o cidadão

Pago impostos almejando futuro brilhante
Para o povo quero saúde, estradas e boa educação


Mas, os caras lá de Brasília, timoneiros que são
Levam minhas esperanças em rumos errantes

Mudemos os timoneiros ou mudemos de país?
Por amor à Pátria, chegou a hora, mudemos os homens do leme.

Poema de autoria de Carlos Alberto Caldeira - Carmo da Cachoeira - Minas Gerais.

Próximo texto:
Texto anterior: Homenagem ao dia das Mães.

Comentários

rui nogueira disse…
CHEGA DE HUMILHAÇÃO!

Verso popular do Nordeste:
Meu senhor, uma esmola
Para um homem que é são,
Ou o mata de vergonha,
Ou vicia o cidadão.

É muito comum, principalmente entre os políticos, a situação de oferecer valores, bônus, cestas básicas ao segmento carente da população.
Acham-se "escolhidos", acima dos outros, para dirigir, dominar e manobrá-los em variados caminhos de seu interesse.
Na carência, é difícil não ficar a pedir as coisas. O choro de uma criança. sem alimento. elimina qualquer orgulho.
Com a comida os animais são domados, a execução de ordens tem o prêmio de uma guloseima.
Pela comida é possível dominar-se até nações inteiras.
A dignidade, o posicionamento do ser humano numa postura respeitosa, somente aflora quando a sua necessidade básica de alimentação está atendida.
Não há porque receber cestas básicas, tíquetes de alimentos. Tudo isto indica que o seu trabalho não está sendo valorizado, está aquém de atender o mínimo para uma vida sem percalços e, assim, está recebendo modestos "prêmios" pela sua domesticação.
A bondade em distribuir migalhas, com toda a pose de uma pessoa "escolhida", bem sucedida na vida, apresentando disposição para a prática do bem porque se preocupa com os outros, por certo não é a virtude que respeita as pessoas, que não as humilha e que estimula um verdadeiro amor social, em que todos têm o direito e a oportunidade de ter condições dignas de vida.
Os meios de divulgação preconizam o trabalho com entusiasmo, descrevem mil facetas para transformá-lo em uma atividade agradável, sempre afirmando, ao final, que há um aumento da produtividade.
É uma visão econômica do trabalho.
Está, cada vez mais, afastada a visão humanística do trabalho.
É verdade que, ao menos ostensivamente, não há a exploração da força muscular em regime de escravatura, como nas épocas coloniais.
Hoje, criam escravos sorridentes porque o trabalho é um "custo", um gasto da empresa no item empregados.
Todo ser humano deveria ter o seu trabalho como um meio para comprar seus alimentos, viver, criar seus filhos, crescer como criatura humana e com a remuneração melhor possível.
Mas, as grandes corporações e o sistema financeiro objetivam, apenas, obter muito lucro, com pouca gente e com a menor remuneração possível, inclusive apelando para artifícios como oferecer prêmios, cestas de mantimentos ou vales para ajudar na locomoção.
A absurda visão econômica do trabalho ...
Desempregam milhares porque têm de manter um desempenho econômico e uma "produtividade" e, no Natal, bondosamente patrocinam a distribuição de presentes e cestas.
Trabalho como vida.
Trabalho estável.
Trabalho que ajuda o crescimento da comunidade.
Trabalho com gosto, com relacionamento humano, personalizado, com comércio, produção e serviços prestados por pessoas definidas que você pode olhar nos olhos.
Nisto, o fundamental é valorizar a empresa que está a seu lado - o negócio é ser pequeno -, não ligado ou atrelado à grandes redes, em que os representantes são apenas empregados engravatados de um dominador distante.
Valorize sempre a produção local porque, assim, o trabalho na sua comunidade vai dinamizá la e transformá-la num lugar bom para todos viverem, neste século XXI.

A VISÃO ECONÔMICA DO TRABALHO:
SÓ PRODUÇÃO DE RESULTADOS.

A VISÃO HUMANISTA DO TRABALHO:
A VIDA DE UMA VIDA DIGNA.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da