Pular para o conteúdo principal

“Baba Yetu”: o Pai Nosso em Swahili

Um convite para conhecer a história de Perdões.


O livro Perdões e Sua História foi prefaciado por Maria das Graças Carvalho Gomide e Dirlene Carvalho Villela, professoras de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

PREFÁCIO

Não há pensador que negue a legitimidade, o mérito, o valor inconteste do que já passou para explicar o dia de hoje e os que virão.

Há grandes homens públicos que permanecem indissoluvelmente ligados ao tempo. Foi esse tempo que os suscitou nesta obra, dando-lhe também a medida da grandeza própria.

Em "Perdões e Sua História somos atores e espectadores de várias gerações que, como velas acesas foram se queimando na chama ardente e efêmera do sonho, do ideal, da esperança, da fantasia. E para a realização de tantos sonhos, como se fez necessária a integração das lideranças do País com a ação aglutinadora de nossos dirigentes, seres humanos preocupados com o bem-estar dos habitantes e com o processo de desenvolvimento da terra!

Dois séculos de vida deste chão! Gerações vão se interagindo e superando os limites impostos pelas condições sociais e naturais. E a mente humana de cidadãos despertados para a vida, comprometidos com o próximo, fervorosos em seus talentos e confiantes em seus sonhos, vão renovando conceitos, modelando a cidade em transformação, fazendo-a crescer e abrindo-a ao mundo. Quantas atividades sociais, quantos artistas, quantas festas, quantos bailes marcaram época!

A professora e vereadora Cleuza Carvalho Marques, ao conduzir sua pesquisa com tanta riqueza de informações, redescobre história e os costumes de seu povo, desde a chegada de Romão Fagundes, não se limitando a realizar um frio levantamento genealógico dos homens e mulheres que construíram esta pequena cidade do Sul de Minas.

Com grande êxito, a autora resgata os feitos, participa deles, contempla os fatos, conta um pouco dos personagens, tentando mantê-los vivos na memória de seus descendentes.

Cumpre assinalar, em favor do mérito desta obra, o inegável valor histórico, o ineditismo de certos documentos ligados à história. Aqui, são narrados e documentados com fatos, foto e correspondências, alguns dos relevantes episódios de nossa terra.

E é prazeroso reviver momentos inesquecíveis de sua vida, de seus vultos, dos grandes acontecimentos sociais e religiosos e acompanhar, passo a passo, o seu desenvolvimento. Pegadas que vão fazendo a história!

Ao agradecer o privilégio de prefaciá-lo, congratulamo-nos com a autora Cleuza, distinta pesquisadora, que buscou também compreender a complexidade dos fatores políticos e sociais envolvidos no contexto histórico.

Convidamos, agora, o leitor a embarcar neste trem para conhecer e recordar a História da "Cidade Amizade", a nossa "terrinha".

Prepare-se, pois é uma viagem longa, cheia de lembranças mescladas de saudade!

Próxima imagem: A história de Januário Garcia Leal, o Sete Orelhas.
Imagem anterior: Perdões e sua história

Para adquirir a obra: José Pedro dos Santos ME - Tel: (35) 3864-1939 -
- Av. Régis Bittencourt, 12, Perdões, MG. -

Comentários

Anônimo disse…
Um pouco de história, através que gente capaz e conhecedora do assunto. Trata-se de um texto em elaboração e disponibilizado
http://gpepsm.ufsc.br/index_arquivos/12.pdf
O artigo denominado: Hierarquias Continentais e Economia Mundo: o caso do tráfico Luso-Brasileiro de escravos (século XVIII), é de autoria do Mestre em História, Gustavo Acioli, e do doutor pela USP e pós doutorado CEBRAP, Maximiliano M. Menz. O objetivo do estudo é o de analisar de modo comparativo as duas principais regiões de resgate luso-brasileiro de escravos no século XVIII - Costa da Mina e Angola.
Anônimo disse…
Existe um registro de casamentos referente aos anos de 1750/1756 e relatado na obra, AS FAMÍLIAS DE NOSSAS FAMÍLIAS de Apparecida Gomes do Nascimento Thomazelli, 1984, p.363/364, que ainda está por ser esclarecido.

"No livro de casamentos referentes ao ano de 1750/1756, encontramos o casamento de ANTONIO GOMES PARDINHO, filho de JOSÉ GOMES BRANQUINHO e de d. Maria do Espírito Santo, já falecidos à época. O noivo era natural de Lavras e casou-se com d. TERESA MARIA DE POUSADA, crioula natural do Rio de Janeiro, filha de FRANCISCO XAVIER POUSADA. Foram padrinhos: este último e A. Martins".

Obs. *a referida dona Maria do Espírito Santo não é a filha de Diogo Garcia e Júlia Maria. Esta, a mãe de Antônio Gomes Pardinho, já era falecida em 1750(?).

* o nome JOSÉ GOMES BRANQUINHO e não José Joaquim Gomes Branquinho - o da Boa Vista
aparece como vizinho de Manoel Gonçalves Chaves no inventário de Domingos dos Reis e Silva.

* o que temos em nossas anotações é o nome de José Pires PARDINHO, no entanto está próximo a Curitiba, no anos de 1721.
Anônimo disse…
Transcrição de documento por Edriana Aparecida Nolasco a pedido do projeto Partilha.
Tipo de documento - Justificação
Ano - 1794 caixa-05
Justificante - Capitão Antônio José Ferreira
Justificado - Francisco José Ferreira

Fl.01
JUSTIFICAÇÃO SOBRE O PIÃO
Data - 06 de julho de 1794
Local - Freguesia das Lavras do Funil subúrbios da Serra da Boa Esperança, Termo da Vila de São João del Rei, Comarca do Rio das Mortes em casas de morada de Pedro Bernardes Caminha.

Fl.02
Diz o capitão Antônio José Ferreira que o Quartel-Mestre Ignácio Ferreira dos Santos obteve uma carta de sesmaria para umas terras de cultura sitas nesta Freguesia de Santa Ana das Lavras do Funil, Termo da Vila de São João que se lhe mediu e demarcou nas fraldas da ponta da Serra da Esperança vertentes ao Rio Grande das quais tomou posse tudo no ano de mil setecentos e setenta e oito fazendo eu o Pião em um pau nativo de catanduba que se acha em um espigão de campo junto a um Ribeirão que vem da Trumbuca da dita Serra da Boa Esperança e como se tem consumido alguns marcos por serem de pau e a dita sesmaria pertence hoje ao suplicante por compra pretende remedí-la e reformar os marcos e Pião para o que quer justificar com testemunhas em como as terras da mesma sesmaria são as que vertem da ponta da dita serra para o Rio Grande e ficam entre o Ribeirão chamado hoje da serra e outro que vem do morro chamado Trumbuca e desagua para o Rio Grande e que um espigão de campo em que se fez o Pião é aquele em que passa a estrada que vai para o PORTO REAL DO RIO GRANDE tanto para o PORTO VELHO como o NOVO chamado POÇO FUNDO e aí junto a encruzilhada deles ao lado direito em pouca distância se acha o pau de catanduba de que se fez o Pião.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz