Pular para o conteúdo principal

Nossa Senhora do Monte Serrate em Baependí.


MATRIZ DE BAEPENDÍ. Origens.
Ergue-se, em terras da cavalheiresca e religiosa Espanha, a 1130 metros acima do nível do mar, afastada 35 ou 40 quilômetros de Barcelona, a famosa montanha denominada Monserrate.
Da Catalunha, assim como dos Pirineus franceses, e Aragão, das Baleares e mesmo do Mediterrâneo, avistam-se seus píncaros. Original e imponente, em latim chamada Mons Edulius, Serratus, distende-se por uma área de vinte e tantos quilômetros.
Um aglomerado de pirâmides superpostas marca um dos traços característicos daquela notável montanha, de tonalidade pardacenta.
A ação corrosiva das águas, durante longo tempo, dera fantástica modelagem às suas enormes massas calcáreas, afinando-as como se fossem dentes de uma gigantesca serra.Daí, o nome - Monserrate.
De certo ponto para o alto, divide-se a montanha em duas partes, havendo, entre uma e outra, sulcos por onde jorram as águas das chuvas, formando improvisadas cascatas.
O terreno, ao sopé da serra, é fértil, e aí, vinhedos e olivais desenvolvem-se bem.Histórias comoventes ligam-se à conhecida montanha. Velha tradição refere que a mesma fendera, ganhando a estranha forma atual, quando se consumara o sacrifício do Calvário.
Uma como que predestinação religiosa assinala a célebre montanha de que tratamos.Sob sua invocação, dedica-se um grande culto à Virgem Maria, o qual, segundo contam, começou desde o ano 50, quando sua imagem foi trazida, diz-se, a Barcelona, pelo próprio S. Pedro.
Que a devoção é antiquíssima, no-lo atesta uma bula do papa Gregório XV, citando um breve de Clemente III, 1187-1191, que concede graças e privilégios à Confraria de Nossa Senhora do Monserrate.Uma suave narrativa uniu indissoluvelmente o nome da majestosa montanha à devoção de Maria.Foi nos fins do século IX. Pastores, que naquela serra montavam guarda a seus rebanhos, viram, próximo às cumiadas da mesma, brilhar uma luz em tarde encantadora. Foram atraídos pelo misterioso clarão, sentindo, em suas almas, ao contemplá-lo, um grande enlevo.
Não sabiam como explicar o que sentiam; procuraram seu pároco, a quem tudo referiram. Pároco e povo que o acompanhara testemunharam a verdade, narrada singelamente pelos pastores.Todos os sábados, aparecia, no sítio indicado, a luz, resplendente, deslumbrando os olhares que se voltavam para o alto.
O caso foi levado ao conhecimento do bispo de Vich, Gotomaro. Este, seguido de numerosa comitiva, dirigiu-se ao local, de onde partia a irradiação da luz, que aos pastores tanto maravilhara.Depararam, então, com um espaço no seio da rocha, onde estava a imagem de Nossa Senhora. Dalí, partiam as cintilações, que maravilharam a quantos tiveram a ventura de as contemplar.Maria era a fonte da luz observada.À Virgem foram prestadas homenagens.
Conta-se mesmo que, em alguns sábados, era saudada por músicas celestes.Dizem que, ao ser trasladada a sagrada imagem do local de seu aparecimento, tornou-se extraordinariamente pesada, não podendo movê-la os que a acompanhavam, nem mesmo o bispo; aí ergueu um templo.
Como, porém, teria ido parar a Monserrate a imagem de Virgem?Admite-se que lá fora escondida no século VIII, para, assim, não ser profanada pelos mouros; que a referida imagem era venerada, antes, em Barcelona, na igreja dos Santos Justos e Pastor.Para a Virgem do Monserrate voltaram-se sempre, confiados, os corações dos fiéis.Considerada como amparo e consolo dos crentes, estendeu-se por toda parte sua devoção.A imagem a que nos referimos é de madeira, como sua coroa, Menino que traz e a cadeira em que se assenta; sua túnica e seu manto são dourados, como a dita cadeira.
Rosto e mãos da Virgem e do Menino são de cor negra. A imagem tem quase um metro de altura.Porque se erigiu Nossa Senhora do Monserrate em orago da matriz de BAEPENDI?É o que vamos estudar nas linhas seguintes.
Naquelas mesmas terras da Espanha, no outrora célebre reino de Aragão, vivia, segundo J. Nogueira Itajiba, d. Fernando Rodríguez Noguera, fidalgo, que emigrara para Portugal, onde, ao tempo da invasão dos mouros, fixara sua família. Seus descendentes derramaram-se pelas Canárias, pela Madeira, vindo dessas regiões para São Vicente e para São Paulo.
Natural da ilha da Madeira era o capitão-mor Tomé Rodrigues Nogueira do Ó, casado com Maria Leme do Prado, velhos habitantes de BAEPENDÍ, pais de Maria Nogueira do Prado, esposa de Luiz Pereira Dias, moradores, estes, no sítio da Palmeira, do distrito da referida cidade.
Pelo exposto, é presumível que, no seio desta família, que ligava suas origens à Espanha, fosse bem viva a devoção à Virgem do Monserrate.
Ora, essa mesma Maria Nogueira do Prado, fazendo em 20 de janeiro de 1754, doação do terreno para o estabelecimento da freguesia de Baependí, e ereção de sua matriz, impôs a condição de ser seu orago Nossa Senhora do Monserrate.
Se a Matriz não fosse construída ou se sua construção se fizesse fora do terreno indicado, a doação ficaria sem efeito, declarava o respectivo título, recebido, então, pelo padre Antônio Batista.
A igrejinha antiga, à margem direita do RIO BAEPENDÍ, entrara em ruína e sua mudança era necessária.Alfredo Moreira Pinto, em APONTAMENTOS PARA O DICCIONARIUO GEOGRAPHICO DO BRASIL, depois de se referir a velhos provimentos, de 1753 a 1756, conclue que a mudança, para a margem esquerda do mesmo rio, verificara-se em 1754, ou 1756.
Após citar nomes históricos como, cônego Amaro Gomes de Oliveira como provisor de fr. Manuel da Cruz; d. fr. Domingos da Encarnação Ponteval, em 1781; d. fr. Cipriano de S. José, em 1800; d. fr. José da Santíssima Trindade, em 1824; d. Antônio Ferreira V~çoso; Antônio Cardoso de Sousa Coutinho, vigário da vara da Archidiocese de Marianna; Feu de Carvalho, em artigo publicado no O PATRIOTA; Acúrcio Nunan; Xavier da Veiga, conclui o texto com o seguinte: "O livro TOMBO da Matriz, em referência à velha igrejinha, diz ter sido a mesma abandonada em 1754, quando foi bento o novo templo". Ao se referir a velha igrejinha, diz: "No primeiro (...) provimentos, vê-se citado (...)com pobre cobertura de palhas. Semelhante cobertura faz-nos recordar a da casinha do colégio, dos tempos de Anchieta, na antiga Piratininga.

Já que o historiador Marcio Salviano Vilela cita o rio Baependi, entre os quais a taxa poderia ser cobrada, vamos ouvir o que José Alberto Pelúcio diz em sua obra, TEMPLOS E CRENTES - Baependi, 1942. Gráfica Paulista. São Paulo, p.7 a 12. Alguns trechos do Capítulo IGREJA DE NOSSA SENHORA DO NONSERRATE.

Comentários

Anônimo disse…
Já que o impulso de hoje nos chama para o estudo de épocas remotas e cujos reflexos e luminosidade perduram até hoje entre nós, vamos chamar o historiador MÁRCIO SALVIANO VILELA, especificamente sobre o conteúdo das páginas 188/189 e 190 de sua obra, A Formação (...) de LAVRAS DO FUNIL:

AGENTE EXECUTIVO E CÂMARA MUNICIPAL

Primeira Câmara de Lavras, instalada aos 14 de agosto de 1832: José Antônio Diniz Junqueira - Presidente; Francisco José Teixeira e Souza; Dr. Thomaz de Aquino Alves de Azevedo; Antonio Caetano de Andrade; Antônio Simões de Sousa; Manoel Thomaz de Carvalho e Domingos de Abreu Salgado. Os primeiros funcionários foram: Antônio Fernandes Valongo - Secretário; Cap. João de Deus Alves do Nascimento - procurador Municipal; Cap. Manoel Custódio Netto - Fiscal; José Ferreira Coutinho - porteiro; Cap. Pedro Alves de Andrade - Coletor; Luciano Antônio Brasileiro - Escrivão da Coletoria e o Pe. Francisco de Assis Brazil - Promotor Público.
1833 - Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Presidente; Francisco José Teixeira e Sousa - Secretário; Pe. Francisco de Paula Diniz, Antônio Caetano de Andrade, Antônio Simões e Sousa, Manoel Theodoro de Carvalho e Domingos de Abreu Salgado.
1834 - Sarg-Mor José Antônio Diniz Junqueira - Presidente; Francisco José Teixeira e Sousa - Secretário; Antônio Simões de Sousa, Manoel Custódio Netto, Thomaz de Aquino Alves de Azevedo, Francisco de Paula Pereira, Domingos de Abreu Salgado e Manoel Theodoro de Carvalho.
1836 - Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Presidente; Antônio Simões de Sousa - Vice; Francisco de Paula Diniz - Secretário; Joaquim Vieira e Silva, Joaquim Fernandes Ribeiro de Rezende, João Evangelista de Araújo, Manoel Custódio Netto e Pedro Alves de Andrade.
1837 - Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Presidente; Antônio Simões de Sousa - Vice; José Esteves de Andrade Botelho - Secretário; Manoel Custódio Netto, Francisco de Paula Pereira, Manoel João da Costa e Joaquim Ferreira da Silva Chaves.
1838 - Antônio Simões de Sousa - Presidente; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Secretário; Manoel Custódio Netto, Manoel João da Costa, Francisco de Paula Pereira, João Batista Ferreira de Brito, Joaquim Ferreira da Silva Chaves e João Evangelista de Araújo.
1839 - Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Presidente; Francisco Simões de Sousa - Vice; Com. José Esteves de Andrade Botelho; Manoel da Costa Souto, João Evangelista de Araújo e Francisco de Paula Pereira.
1840 - Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Presidente; Antônio Simões de Sousa - Vice; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Secretário; Manoel Custódio Netto, Manoel da Costa Souto, Manoel da Costa Pereira, Manoel Joaquim da Costa, Joaquim Ferreira da Silva Chaves e Francisco de Paula Pereira.
1841 - Antônio José Teixeira de Sousa - Presidente; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Vice; Dr. Francisco da Silva Serra Negra - Secretário; Manoel Ferreira Martins, Manoel Carlos Pereira, João Evangelista de Araújo e José Joaquim de Arantes.
1842 - Com. José Esteves de Andrade Botelho - Presidente.
1843- João Evangelista de Araújo - Presidente.
1844 - Dr. José Jorge da Silva- Presidente.
1845 - Cap. Silvestre Alves de Azevedo - Presidente.
1846 - Dr. Manoel Ferreira Martins - Presidente.
1847 - José da Costa Ribeiro - Presidente; Joaquim Antônio de Abreu, João Ferreira de Aquino, Manoel da Costa Souto, José Pereira do Amaral e Francisco José de Araújo.
1848 - Cap. Silvestre Alves de Azevedo - Presidente; Thomaz de Aquino Alves de Azevedo - Vice; Valeriano Eustáquio de Faria - Secretário; José Pereira do Amaral, José da Costa Ribeiro, Domingos de Abreu Salgado, João Evangelista de Araújo e Manoel da Costa Souto.
1849 - Cap. Silvestre Alves de Azevedo - Presidente; José da Costa Ribeiro - Vice; Valeriano Eustáquio de Faria - Secretário; Manoel João da Costa, Francisco de Paula Alves de Azevedo, José Pereira do Amaral, Dr. José Jorge da Silva, Manoel Corrêa Afonso, Francisco de Paula Ferreira e Flávio José de Oliveira.
1850 - Dr. José Jorge da Silva - Presidente; Cap. Silvestre Alves de Azevedo - Vice; Valeriano Eustáquio de Faria - Secretário; Manoel Joaõ da Costa, Manoel Corrêa Afonso, Francisco de Paula Ferreira e Flávio José de Oliveira.
1851 - José da Costa Ribeiro - Presidente; Dr. José Jorge da Silva - Vice; Valeriano Eustáquio de Faria - Secretário; Flávio José de Oliveira, Manoel Joaõ da Costa, Francisco de Paula Alves de Azevedo, Manoel Corrêa Afonso e Francisco de Paula Ferreira.
1852 - José da Costa Ribeiro - Presidente; Cap. Silvestre Alves de Azevedo - Vice; Dr. José Jorge da Silva - Secretário; Manoel João da Costa. Flávio José de Oliveira, Valeriano Eustáquio de Faria, Manoel Corrêa Afonso e Francisco de Paula Alves de Azevedo.
1853 - Manoel Ferreira Martins - Presidente; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Vice; João da Costa Guimarães - Secretário; Francisco José de Araújo, Manoel Martins Ferreira, Joaquim Thomaz Villela e Castro e Joaquim José de Carvalho Ferro.
1854 - 1855 - 1856 - Manoel Martins Ferreira - Presidente; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Vice; João da Costa Guimarães - Secretário; Francisco José de Araújo, Joaquim Thomaz Villela e Castro e Joaquim José de Carvalho Ferro.

LEI N. 805, de 3 de julho de 1857
ELEVA À CATEGORIA DE FREGUESIA A CAPELA DE CACHOEIRA DO CARMO NO MUNICÍPIO DE LAVRAS DO FUNIL. Esta Freguesia fica pertencendo ao Município de Lavras.
Anônimo disse…
A emancipação política de Três Pontas ocorreu a primeiro de abril de 1841, pela Lei n. 202, que elevou à freguesia e vila. CAMARA MUNICIPAL. Com grande pompa, veio à vila o Presidente da Câmara Municipal de Lavras do Funil, José Esteves de Andrade Botelho, a fim de formalizar a emancipação, pois a freguesia pertencia àquela vila. Tomaram posse os seguintes vereadores: Sargento João Batista Ferreira de Brito, Tenente- Coronel Francisco de Paula Pereira, Domingos Teixeira de Carvalho Antônio Pinto Ribeiro, Antônio Luiz de Azevedo e o Sargento-Mor Antônio Gonçalves de Mesquita, escolhido para exercer a Presidência da Câmara. Domingos de Abreu Salgado, também eleito vereador, não tomou posse naquela data, sendo empossado posteriormente. ( O Tres-Pontano, ed. 18-JUL-1897,p.3,APM).
Anônimo disse…
Complementando dados ao comentário anterior:

(...) Eleitos os vereadores,a foram empossados, em 10 de fevereiro de 1842.
Anônimo disse…
Para falar da Câmara Municipal de Varginha faz-se necessário ouvir o historiador JOSÉ ROBERTO SALES. O capítulo de número 26 de sua obra, Espírito Santo da Varginha detalha o assunto, a partir da página 188. Ao falar da PRIMEIRA ATA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VARGINHA - 1882, diz:

"Em, 1882, Varginha ainda estava jurisdicionada a Comarca de Três Pontas. Por esse motivo, foi o Dr. Azarias Ferreira de Mesquita, presidente da Câmara Municipal daquela cidade (atual função de prefeito) que comandou a sessão de instalação e posse da Vila (cidade) de Varginha. Assinam a ata: "Matheus Tavares da Silva; Domingos Teixeira de Carvalho; Joaquim Antônio da Silva; José Maximiano Baptista" (sic)"

José Roberto Sales detalha, com propriedade e fundamentação as CATEGORIAS, PERÍODO E TEMPO DE PERMANÊNCIA, dentro do esquema cronológico-evolutivo do município no capítulo 27: DE POVOADO À COMARCA - 1795-1890, nos seguintes termos:
Categoria: povoado.
Período: indeterminado quanto à data de início: 1763? 1771? 1790-1793?

Tempo de permanência: considerando o ano de 1763 como o do início do povoamento a 17.01.1807, o tempo de permanência de Varginha como povoado seria de 44 anos.

Categoria: curato.
Período: 18.01.1807 a 31.05.1850.
Tempo de permanência: 43 anos, 4 meses e 13 dias.

Categoria: paróquia (freguesia).
Período: 01.06.1850 (Lei Provincial n.471, de 01.06.1850. Eleva o lcurato do Espírito Santo da Varginha à categoria de paróquia (freguesia) a 21.09.1881
Tempo de permanência: 31 anos, 3 meses e 20 dias.

Categoria: município e vila.
Município e vila criados em 22 de setembro de 1881 (Lei Provincial n. 2785, de 22.09.1881 - Cria o município de Varginha e eleva a freguesia à categoria de vila). Varginha permaneceu como vila por um ano e 14 dias.

Categoria: cidade.
Criada em 7 de outubro de 1882 ( Lei Provincial n. 2950, de 07.10.1882 (Eleva a vila deo Espírito Santo da Varginha à categoria de cidade).
Anônimo disse…
No ano de 1868 a Câmara Municipal de Lavras estava constituída pelos seguintes cidadãos:
José da Costa Ribeiro - Presidente; Com. José Esteves de Andrade Botelho - Vice; Ten. Firmino Antônio de Salles - Secretário; Joaquim de Azevedo Costa, Major João Ferreira de Aquino, José Augusto do Amaral e Antônio de Souza Lima.

CARMO DA CACHOEIRA - Minas Gerais, foi DESMEMBRADA do Município de
Lavras do Funil, passando a jurisdição do município de Três Pontas, com a denominação de CACHOEIRA DO CARMO DOS RATES, pela lei n. 1597, de 3 de julho de 1868. Retornou à jurisdição de Lavras, pela Lei 1640, de 13 de setembro de 1870, depois revogada pela n. 1999, de 14 de novembro de 1873. Passou para a jurisdição de VARGINHA, pela Lei, de 22 de setembro de 1881.

Câmara Municipal de Lavras:
1869 - 1870 - 1871 - 1872 - Cap. Evaristo José da Silva Penna - Presidente.

1873 - Flávio Antônio Moraes Salgado - Presidente.

1874 - Cap. Evaristo José da Silva Penna - Presidente.

1875 Francisco de Paula Costa - Presidente.

1876 - Francisco de Paula Ferreira e Costa - Presidente; Henrique Luiz Cardoso - Vice; Dr. Augusto José da Silva; Valeriano Eustáquio de Faria, Francisco de Paula Castro, JOSÉ FERNANDES AVELINO, José Augusto do Amaral e João Teixeira da Silva.

1877 - Francisco de Paula Castro - Presidente; Henrique Luiz Cardoso - Vice; Dr. Augusto José da Silva - Secretário; Valeriano Eustáquio de Faria, Francisco de Paula Costa, JOSÉ FERNANDES AVELINO, José Augusto do Amaral e João Teixeira da Silva.

1878 - Francisco de Paula Ferreira e Costa - Presidente; Henrique Luiz Cardoso - Vice; Dr. Augusto José da Silva - Secretário; Valeriano Eustáquio de Faria, Francisco de Paula Castro, JOSÉ FERNANDES AVELINO, José Augusto do Amaral e João Teixeira.

1879 - Francisco de Paula Ferreira e Costa - Presidente; Henrique Luiz Cardoso - Vice; Francisco de Paula Alves de Azevedo - Secretário; Gustavo José da Silva Penna, Alexandre José Pinto Fernandes, Dr. Augusto José da Silva e JOSÉ FERNANDES AVELINO.

1880 - Com. José Esteves de Andrade Botelho - Presidente; Henrique Luiz Cardoso - Vice; Francisco de Paula Alves de Azevedo - Secretário; João Teixeira da Silva, José Augusto do Amaral, Alexandre José Pinto Fernandes, Gustavo José da Silva Penna e Pedro Luiz Cardoso.

1881 - Com. José Esteves de Andrade Botelho - Presidente; Major João Ferreira de Aquino - Vice; Cândido Carlos Novaes - Secretário; José Augusto do Amaral, Joaquim de Azevedo Costa, Pedro Luiz Cardoso, Francisco Antônio de Salles e Francisco Custódio Pereira.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

Simpósio Filosófico-Teológico em Mariana

Aproxima-se a conclusão das obras de restauração na Catedral Basílica de Nossa Senhora da Assunção, Igreja Mãe de nossa Arquidiocese. Trata-se de expressivo monumento religioso, histórico e artístico, tombado no âmbito federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A Arquidiocese de Mariana, a Faculdade Dom Luciano Mendes (FDLM) e o Instituto Teológico São José (ITSJ) organizam este Simpósio com o objetivo de refletir sobre os trabalhos de restauro que em breve serão entregues à comunidade, bem como debater o significado deste templo, em relação aos aspectos teológicos e sua importância artística e arquitetônica em mais de três séculos de existência. Programação : de 25 à 27 DE MAIO DE 2022 25/05/2022 – Quarta-feira Local: Seminário Maior São José-Instituto de Teologia 19h - SAUDAÇÃO INICIAL - Côn. Nédson Pereira de Assis Pároco da Catedral - Mons. Celso Murilo Sousa Reis Reitor do Seminário de Mariana - Pe. José Carlos dos Santos Diretor da Faculdade Dom