Pular para o conteúdo principal

Dois músicos da antiga Carmo da Cachoeira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Imagem anterior: O padre e o garoto na antiga Carmo da Cachoeira.

Próxima imagem: Corporação Musical Lyra Cachoeirense (Sul de Minas)

Comentários

Anônimo disse…
E as serenatas, em noites escuras ou de luar, quando ainda não conhecíamos a luz elétrica? E as danças típicas dos pretos, realizadas todos os anos no dia 13 de maio, em comemoração à libertação dos escravos? Eu me recordo vagamente das filas dos pretos, chefiados pelo velho Marciano e sua mulher Tia Chica, Vicência, Tiburção, Balbino da Filomena e Filomena do Balbino e ainda outros de que já não me lembro a cantar e dançar, expandindo alegria pelas ruas do arraial. Eles haviam conhecido o peso da escravidão e por isso mesmo sabiam dar valor à liberdade.
Essas danças desordenadas foram substituídas mais tarde pelas congadas. Formaram-se então três grupos ou três ternos como eles diziam: dois no arraial, chefiados pelos dois irmãos Antonio o Domingos Baiano, Valentim, Sebastião Felipe, e um na FAZENDA DOS COQUEIROS, que tinha como porta-bandeira o preto velho Verissimo.
Era de ver-se a animação, o entusiasmo dos pretos, ao aproximar-se o dia 13 de maio. Dias antes, formados os três ternos, à paisana, conduziam, ao som de suas músicas e cânticos o mastro com a bandeira de S. Benedito, fincando-o na frente da Igreja. No dia 13 vestiam-se com as suas roupagens coloridas, cada terno com a sua cor, e começavam pela madrugada seus cânticos e suas danças. Iam à missa, percorriam as ruas tirando esmolas para as despesas da festa, conduziam sua rainha à igreja e acompanhavam a procisão de S. Benedito. O arraial era movimentado o dia todo e se enchia dos ruídos das caixas, dos reco-recos feitos de bambu, das sanfonas e violas, acompanhando o rítmo das cantorias, que entravam pela noite a dentro.
E havia também aqueles vultos populares que perambulavam por aí, como o pedreiro Barcelão com o seu linguajar alatinado, o Paulina Cambeta, cuja maior satisfação era soltar foguetes nas festas religiosas, a Tia Chica, a Tia Norbertaa, a Chiquinha Temdepá e tantos outros dos quais hoje quase ninguém se lembra; sobressaindo entre todos, o extraordinário ARTUR PERUCA, que, em todas as ocasiões que se apresentassem não deixava de meter seu discursozinho porque, como ele mesmo costumava dizer "A GARGANTA COMEÇAVA A COMICHAR" e não havia remédio senão falar. Para exaltação do velho e QUERIDO PERUCA, não posso deixar de recordar aqui um fato interessante de sua vida: Quando se inaugurou, creio que em 1925, a Estação local da REDE MINEIRA DE VIAÇÃO, Dr. Fernando de Melo Viana, l´s estava presente o ARTUR PERUCA (ARTUR ALVES COSTA). Antes, o Coronel Domingos Ribeiro de Rezende o havia advertido para que não se metesse a fazer discurso, com o que o ARTUR ALVES COSTA (Peruca) aparentemente concordou. Digo aparentemente porque, após haver falado um varginhense saudando o Governador sem que nenhuma referência fizesse a CARMO DA CACHOEIRA, ARTUR ALVES COSTA (Peruca) não se conteve: - a "garganta comichou" e ele, inopinadamente, dirigindo-se ao Dr. Melo Viana, pediu-lhe permissão para dizer algumas palavras, enquanto os circunstantes se remexiam incomodados, prevendo que ali iriam sair inconveniências. Concedida a palavra, o ARTUR ALVES COSTA (Peruca) calmamente abriu uma valise que levava consigo e, atirando pétalas de flores no Governador pronunciou o seu discurso no qual, entre outras coisas, disse o seguinte: "ESTAS FLORES QUE V. Excia. ESTÁ PISANDO, SÃO FLORES DO CARMO DA CACHOEIRA E NÃO DE VARGINHA; mas o orador que acabou de falar não tocou no nome desta terra, como se a ESTAÇÃO que estavamos inaugurando fosse de Varginha e não de CARMO DA CACHOEIRA". Dr. Melo Viana abraço o orador, tornando-se seu amigo e levando-o consigo durante o resto da viagem.
WANDERLEY FERREIRA DE REZENDE.
Anônimo disse…
JOÃO PAULO ALVES COSTA foi o responsável pelas gravações do CD "CARMO DA CACHOEIRA - ATRAVÉS DE MÚSICA E POESIAS", que marcou as comemorações dos 150 anos da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira - MG, onde muitos dizem: O PARAÍSO É AQUI". EVANDO PAZZINI foi autor das fotos que deram origem a capa e a gravação feita no CD. A arte foi de TS Bovaris - Rícard Wagner Rizzi. O CD, conhecido como o CD do Pe. André, foi seu presente a Paróquia, da qual é seu Pároco por ocasião das comemorações dos 150 anos. Na ocasião, o Vigário Paroquial era Padre Bernardo Scharfentein (in memoriam). O Bispo Diocesano, Dom Diamantino Prata de Carvalho. Diocese da Campanha. Minas Gerais. São 19 faixas:
HINO Á CIDADE DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra e música: Maria Antonietta Rezende. Acompanhamento: Teresa Maciel. Na voz da mezzo-soprano Maisa Nascimento. Arranjo instrumental: Edgard Xavier. Adaptação: Augusto Vitor Garcia Gouveia.
O TROPEIRO DE CARMO DA CACHOEIRA
Autor: Antonio Carlos Reis da Rocha
Intérprete: Carlos Caldeira. Música de fundo: viola com o instrumentalista Zola
CANÇÃO A CARMO DA CACHOEIRA
Letra e música Joel Garcia Pereira. Acompanhamento: Jobson Garcia Pereira. Assobio: Manoel Ferreira Avelino (Neca)
NAVIO NEGREIRO
Castro Alves. Intérprete Ana Paula da Silva Benedito
MUSICA A NOSSA SENHORA DO CARMO
Autor: Francisco Vitor do Nascimento (o Chiquinho do táxi). Intérpretes: Luiz Antônio Naves (FROTA) e ZICO.
RETRATO DE MINHA TERRA
Autora: Prof. Marília de Lourdes Rezende Bittencourt (filha do prof. Wanderley Ferreira de Rezende). Intérprete Fernanda Aparecida Oliveira Pereira. Acompanhamento: Jobinho (o pai da Fernanda) - Jobson Garcia Pereira
HINO DO CENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra: Haroldo Ambrósio Caldeira
Intérprete: Glória Caldeira
Música: Álvaro Arcanjo Athaide SESQUICENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Poesia: José Keitel Ribeiro
Música: Maisa
Intérprete: Ana Paula da Silva Benedito
AVE MARIA
piano: Francis. Intérprete: mezzo soprano Maisa Nascimento.
ERA SONHO
Autor e intérprete: Carlos Alberto Caldeira
HINO DO SESQUICENTENÁRIO: Padre Dr. Antônio de Oliveira Godinho
Intérprete: Banda Musical de Carmo da Cachoeira - Lira Cachoeirense ou XVI de julho.
Maestro: Rôcival Alves
HINO DO SESQUICENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra: Pe. Dr. Antônio de Oliveira Godinho. Música e interpretação: Tiãozinho (Sebastião de Jesus Mariano), Jovâne(Jovâne Garcia Pereira) e Jobinho (Jobson Garcia Pereira). Partitura: Rôcival Alves.
ANIVERSÁRIO DA PARÓQUIA DE N. SRA. DO CARMO
Poesia. Autor: José Keitel Ribeiro. Intérprete: Maria Amélia da Paixão Oliveira. Fundo musical:
Terezinha Reis Vilela ao piano.
CANÇÃO A CARMO DA CACHJOEIRA
Letra e música: Joel Garcia Pereira
Intérprete: Joel Garcia Pereira e Jovâne Garcia Pereira. Instrumental: Jobinho(Jobson Garcia Pereira).
CARMO DA CACHOEIRA
Poesia. Autor e Intérprete: Carmo Caldeira.
Acompanhamento: Maisa Nascimento.
TITILA
Interpretação: Larissa Amaral, Mezzo-soprano.
FESTA NO CÉU.
Autor: Frota (Luís Antônio Naves).
Intérpretes: Frota e Zico
Instrumental: Jobinho e Zico
TERRA DE MINHA INFÂNCIA
Autor e intérprete: Cláudio Pereira Chagas
PERFEITO É QUEM TE CRIOU
Letra: Padre Marcelo Rossi (direitos reservados)
Instrumental: Jobinho, Augusto e Andréia
Composição: Walmir Alencar (direitos reservados)
Intérprete: Tiãozinho (Sebastião de Jesus Mariano).
Anônimo disse…
Livro de batizados, ano 1859 - Segunda parte contém 59 registros, sendo 22 crianças pardas; 23 crioulas e 14 brancas. Durante o ano de 1859 foram realizados 109 batizados. Nesta segunda e última parte, do ano de 1859 aparecem os seguintes pontos de religiosidade onde foram realizados os sacramentos. Serão apresentados na ordem como encontrados nos registros. São eles: Matriz; Oratório de Manoel Antonio Teixeira; Oratório do ten. Gabriel Flávio da Costa; Ermida de dona Anna Emydia de Rezende; Oratório José Ferreira Godinho; Capela de São Bento; casa de dona Mariana F. da Silva; Ermida de Alexandre Gomes Branquinho; Freguesia de São Tomé das Letras e Ermida do capitão Antonio Joaquim Alves.
Padrinhos de crianças crioulas e pardas: Agostinho Marques Arantes e Cândida Maria de Jesus; Manoel Teixeira da Silva e Maria Theodora de Jesus; Antonio José Filipe e Maria Francelina de Jesus; Joaquim Flávio da Costa e dona Maria Balduina da Costa; Francisco Nunes Chagas e Maria; Francisco Lopes e Lauriana Ignácia de Jesus; Antonio José Guimarães e Geracina Pracedina de Souza; Francisco Antonio e Maria Francisca de Jesus; Ignácio Lopes Guimarães e dona Francisca Pracedina de Souza; tenente JOSÉ FERNANDES AVELINO E dona Ignácia Generoza do Nascimento; João Baptista Alves e Mariana Inocência de Figueiredo; Francisco Alves Rodrigues e Mariana de Souza Monteira; Evaristo Ferreira da Veiga e Helena Maria de Jesus; Francisco Nunes Chagas e Maria Rita de Jesus; Francisco José Chagas e Claudina Maria do Nascimento; Jerônimo e Maria Rodrigues; Serafim dos Anjos e dona Rita Antonia de Oliveira; José Liandro de Espíndola e Rita Maria de Jesus; Thomé Pinto Ribeiro e Maria da Conceição; Joaquim Gonçalves de Azevedo e Hypólita Claudina do Nascimento; Manoel Ignácio da Costa e Hypólita Carolina da Silva; André Pinto da Costa e Mariana Francisca de Jesus; Francisco de Assis e Souza e dona Constância Thereza de Jesus; Manoel Ferreira Avelino e dona Maria Generoza dos Reis; Luiz Antonio de Carvalho e Francisca; JOSÉ CELESTINO TERRA e Amélia Augusta de Toledo; João Vilella dos Reis e dona Anna Cândida dos Reis; José Celestino e Anna Jacintha Vilella; José Ignácio da Silva e Maria Guilhermina de Oliveira; Lúcio Marcelliano de Araújo e Antonio Alves Branquinho; Antonio Gomes Aguiar e Feliciana Maria de Jesus; Manuel da Costa Ramos e Luciana Cândida de Jesus.
No próximo comentário postaremos as crianças brancas, que são em número bem mais reduzido.
Anônimo disse…
Crianças que aparecem sendo batizadas, entre outras, entre o dia 09.06.1859 e dezembro do mesmo ano, encerrando assim os batizados do ano. São elas: 07.07.1859, no Oratório do ten. Gabriel Flávio da Costa, filho de Gabriel Francisco Ribeiro e Anna Gabriela da Costa. Padrinhos: ten. Gabriel Flávio da Costa e dona Maria Balduina da Costa;
08.07.1858, Anna, filha legítima de João Vilella Fialho e dona Maria Victória Branquinho. Padrinhos: Custódio Vilella Palmeira e dona Jacintha Ponciana de Rezende;
30.07.1859, Manoel, filho legítimo de Francisco de Paula Ferreira Martins e dona Ignácia Cândida de Jesus. Padrinhos: João Cândido Alves e dona Anna Claudina de Jesus;
30.07.1859, Maria, filha legítima do capitão Manoel Ferreira Martins e Maria Carolina Mello. Padrinhos: Comendador José Esteves de Andrade Botelho e dona Prudenciana Esmeraldina de Paiva;
26/06/1859, Anna, filha legítima de Antonio Garcia Duarte e de Maria Cândida de Jesus. Padrinhos: José da Silveira Caldeira e dona Mariana Gabriela Joaquina;
26/06/1859, Francisco, filho legítimo de Antonio Lopes Guimarães e Eva Rita. Padrinhos: Joaquim Flávio da Costa e Maria Balduina da Costa;
03/07/1859, João, filho legítimo de Joaquim Roza e Maria Magdalena. Padrinhos: Francisco José da Costa e dona Balduina Maria de Jesus;
10/07/1859, Maria, filha legítima de Antonio Cândido de Souza e Balduina Josepha Leopoldina. Padrinhos: JOSÉ CELESTINO TERR e Amélia Augusta de Toledo;
01/08/1859, Joaquim, filho legítimo de Joaquim Pinto da Costa e Francisca Cândida da Silva. Padrinhos: Francisco Nunes Chagas e Maria Rita de Jesus;
28/08/1859, Bernardo, filho legítimo de Bernardo José da Costa e dona Francisca Ferreira de Jesus. Padrinhos: José Marcelino Teixeira e dona Anna Antonia de Jesus;
14/09/1859, Carolina, filha legítima de Manoel Antonio Teixeira e de dona Maria Victória de Carvalho. Padrinhos: cap. Antonio Joaquim Alves e Maria Carolina de Gouvêa;
23/10/1859, José, filho legítimo de João Bernardino de Senne e Mariana Clara de Jesus. Padrinhos: Joaquim Fernandes dos Reis e Mariana Cândida Branquinha;
06/11/1859, José, filho legítimo de José Ignácio de Souza e Jesuína Maria de Jesus. Padrinhos: Lúcio Marceliano de Araújo e Antonio Alves Branquinho;
26.11.1859, Achilles, filho legítimo de Aureliano José Mendes e Escholástica Maria de Jesus. Padrinhos: José de Abreu Coutinho e Antonio de Abreu Coutinho.
Anônimo disse…
Veja no Projeto Compartilhar: Manoel Antonio Teixeira - 1819, possivelmente pai de Manoel Antonio Teixeira e sogro de Maria Victória de Carvalho.

Veja também no mesmo Projeto, José Antonio Teixeira - 1854/1863.
Anônimo disse…
Passava por Três Pontas a estrada que ligava PITANGUI e FORMIGA à CAMPANHA, mas tendo em vista a precariedade da mesma, o comércio local procurava uma solução para o problema. Em 15 de janeiro de 1863, com a finalidade de explorar a navegabilidade do Rio Verde, sob a inspiração de João Capistrano Ribeiro Alckmin, Juiz Municipal, criou-se a Associação Patriótica Três Potense. A idéia prosperou e, em 15 de agosto de 1863, ancorou na ponte do Rio Espera, a duas léguas da cidade, a barca "Sant´Anna, dirigida por Antônio Bernardes da Cunha, patrão da embarcação, e mais seis tripulantes.
Anônimo disse…
"Vila de Nossa Senhora da Piedade do Pitangui (...) descoberta e explorada por paulistas, constitui-se no principal reduto da gente de São Paulo, quando ocorreu o conflito dos Emboabas".

Citação em trabalho realizado por Francisco Vidal Luna, pela USP - Universidade Estadual de São Paulo. 1980. Minas Gerais: escravos e senhores. Análise da Estrutura Populacional e Econômica de alguns Núcleos Mineratórios (1718 - 1804). São Paulo, FEA - USP

http://historia_demografica.tripod.com/psquisadores/
Anônimo disse…
Dados tratos ao batismo citado acima: Em 30 de julho de 1859 o Pe. Joaquim Manoel de Rezende batizou Manoel, branco, no Oratório José Ferreira Godinho. Manoel nasceu em 04 de julho do mesmo ano, e seus padrinhos foram seus avós, João Cândido Alves ou João Cândido ALVES DA COSTA e dona Anna Claudina de Jesus ou Ana Claudina Diniz Junqueira (III).
Francisco de Paula Ferreira Martins e dona Ignácia Cândida de Jesus, pais de Manoel. Ignácia, filha de João Cândido Alves da Costa e Ana Claudina Diniz Junqueira (III).
João Cândido Alves da Costa, filho de Inácio José Álvares (ou Alves) e de Mariana Cândida de Jesus.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Um poema à Imaculada Conceição Aparecida.

Por esse dogma que tanto te enaltece, Por tua Santa e Imaculada Conceição, Nós te louvamos, ó Maria, nesta prece, Mulher bendita, as nações te chamarão! Salve, Rainha, ó Mãe da Misericórdia! Nossa esperança, nosso alento e vigor, A nossa Pátria, vem, liberta da discórdia, Da ignomínia, da injustiça e desamor! Tu família, aqui, hoje reunida, Encontra forças no seu lento caminhar. A ti recorre, Virgem Santa Aparecida, Nosso caminho vem, ó Mãe, iluminar! Somente tu foste escolhida e preparada Por Deus, o Pai, que com carinho te ornou, Para fazer do Filho Seu, digna morada! Pelo teu sim, a humanidade se salvou. Novo Milênio, com Maria festejamos, Agradecendo tantas graças ao Senhor. Com passos firmes, nova etapa iniciamos, Com muita fé, muita esperança e muito amor. Trecho da obra: Encontros e desencontros de Maria Antonietta de Rezende Projeto Partilha - Leonor Rizzi Próximo Texto: A túnica Inconsútil, um poema de fé. Texto Anterior: A prece da poeta e professora Maria Antonie

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

Eis o amor caridade, eis a Irmã Míriam Kolling.

À Irmã Míria T. Kolling: Não esqueçam o amor Eis o amor caridade , dom da eternidade Que na entrega da vida, na paz repartida se faz comunhão ! Deus é tudo em meu nada: sede e fome de amar! Por Jesus e Maria, Mãe Imaculada todo mundo a salvar! " Não esqueçam o amor ", Dom maior, muito além dos limites humanos do ser, Deus em nós, entrega total! Não se nasce sem dor, por amor assumida: Nada resta ao final do caminho da vida a não ser o amor . Próximo artigo: Até breve, Maria Leopoldina Fiorentini. Artigo anterior: Os Juqueiras, Evando Pazini e a fazenda da Lage