Pular para o conteúdo principal

Dois músicos da antiga Carmo da Cachoeira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Imagem anterior: O padre e o garoto na antiga Carmo da Cachoeira.

Próxima imagem: Corporação Musical Lyra Cachoeirense (Sul de Minas)

Comentários

Anônimo disse…
E as serenatas, em noites escuras ou de luar, quando ainda não conhecíamos a luz elétrica? E as danças típicas dos pretos, realizadas todos os anos no dia 13 de maio, em comemoração à libertação dos escravos? Eu me recordo vagamente das filas dos pretos, chefiados pelo velho Marciano e sua mulher Tia Chica, Vicência, Tiburção, Balbino da Filomena e Filomena do Balbino e ainda outros de que já não me lembro a cantar e dançar, expandindo alegria pelas ruas do arraial. Eles haviam conhecido o peso da escravidão e por isso mesmo sabiam dar valor à liberdade.
Essas danças desordenadas foram substituídas mais tarde pelas congadas. Formaram-se então três grupos ou três ternos como eles diziam: dois no arraial, chefiados pelos dois irmãos Antonio o Domingos Baiano, Valentim, Sebastião Felipe, e um na FAZENDA DOS COQUEIROS, que tinha como porta-bandeira o preto velho Verissimo.
Era de ver-se a animação, o entusiasmo dos pretos, ao aproximar-se o dia 13 de maio. Dias antes, formados os três ternos, à paisana, conduziam, ao som de suas músicas e cânticos o mastro com a bandeira de S. Benedito, fincando-o na frente da Igreja. No dia 13 vestiam-se com as suas roupagens coloridas, cada terno com a sua cor, e começavam pela madrugada seus cânticos e suas danças. Iam à missa, percorriam as ruas tirando esmolas para as despesas da festa, conduziam sua rainha à igreja e acompanhavam a procisão de S. Benedito. O arraial era movimentado o dia todo e se enchia dos ruídos das caixas, dos reco-recos feitos de bambu, das sanfonas e violas, acompanhando o rítmo das cantorias, que entravam pela noite a dentro.
E havia também aqueles vultos populares que perambulavam por aí, como o pedreiro Barcelão com o seu linguajar alatinado, o Paulina Cambeta, cuja maior satisfação era soltar foguetes nas festas religiosas, a Tia Chica, a Tia Norbertaa, a Chiquinha Temdepá e tantos outros dos quais hoje quase ninguém se lembra; sobressaindo entre todos, o extraordinário ARTUR PERUCA, que, em todas as ocasiões que se apresentassem não deixava de meter seu discursozinho porque, como ele mesmo costumava dizer "A GARGANTA COMEÇAVA A COMICHAR" e não havia remédio senão falar. Para exaltação do velho e QUERIDO PERUCA, não posso deixar de recordar aqui um fato interessante de sua vida: Quando se inaugurou, creio que em 1925, a Estação local da REDE MINEIRA DE VIAÇÃO, Dr. Fernando de Melo Viana, l´s estava presente o ARTUR PERUCA (ARTUR ALVES COSTA). Antes, o Coronel Domingos Ribeiro de Rezende o havia advertido para que não se metesse a fazer discurso, com o que o ARTUR ALVES COSTA (Peruca) aparentemente concordou. Digo aparentemente porque, após haver falado um varginhense saudando o Governador sem que nenhuma referência fizesse a CARMO DA CACHOEIRA, ARTUR ALVES COSTA (Peruca) não se conteve: - a "garganta comichou" e ele, inopinadamente, dirigindo-se ao Dr. Melo Viana, pediu-lhe permissão para dizer algumas palavras, enquanto os circunstantes se remexiam incomodados, prevendo que ali iriam sair inconveniências. Concedida a palavra, o ARTUR ALVES COSTA (Peruca) calmamente abriu uma valise que levava consigo e, atirando pétalas de flores no Governador pronunciou o seu discurso no qual, entre outras coisas, disse o seguinte: "ESTAS FLORES QUE V. Excia. ESTÁ PISANDO, SÃO FLORES DO CARMO DA CACHOEIRA E NÃO DE VARGINHA; mas o orador que acabou de falar não tocou no nome desta terra, como se a ESTAÇÃO que estavamos inaugurando fosse de Varginha e não de CARMO DA CACHOEIRA". Dr. Melo Viana abraço o orador, tornando-se seu amigo e levando-o consigo durante o resto da viagem.
WANDERLEY FERREIRA DE REZENDE.
Anônimo disse…
JOÃO PAULO ALVES COSTA foi o responsável pelas gravações do CD "CARMO DA CACHOEIRA - ATRAVÉS DE MÚSICA E POESIAS", que marcou as comemorações dos 150 anos da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira - MG, onde muitos dizem: O PARAÍSO É AQUI". EVANDO PAZZINI foi autor das fotos que deram origem a capa e a gravação feita no CD. A arte foi de TS Bovaris - Rícard Wagner Rizzi. O CD, conhecido como o CD do Pe. André, foi seu presente a Paróquia, da qual é seu Pároco por ocasião das comemorações dos 150 anos. Na ocasião, o Vigário Paroquial era Padre Bernardo Scharfentein (in memoriam). O Bispo Diocesano, Dom Diamantino Prata de Carvalho. Diocese da Campanha. Minas Gerais. São 19 faixas:
HINO Á CIDADE DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra e música: Maria Antonietta Rezende. Acompanhamento: Teresa Maciel. Na voz da mezzo-soprano Maisa Nascimento. Arranjo instrumental: Edgard Xavier. Adaptação: Augusto Vitor Garcia Gouveia.
O TROPEIRO DE CARMO DA CACHOEIRA
Autor: Antonio Carlos Reis da Rocha
Intérprete: Carlos Caldeira. Música de fundo: viola com o instrumentalista Zola
CANÇÃO A CARMO DA CACHOEIRA
Letra e música Joel Garcia Pereira. Acompanhamento: Jobson Garcia Pereira. Assobio: Manoel Ferreira Avelino (Neca)
NAVIO NEGREIRO
Castro Alves. Intérprete Ana Paula da Silva Benedito
MUSICA A NOSSA SENHORA DO CARMO
Autor: Francisco Vitor do Nascimento (o Chiquinho do táxi). Intérpretes: Luiz Antônio Naves (FROTA) e ZICO.
RETRATO DE MINHA TERRA
Autora: Prof. Marília de Lourdes Rezende Bittencourt (filha do prof. Wanderley Ferreira de Rezende). Intérprete Fernanda Aparecida Oliveira Pereira. Acompanhamento: Jobinho (o pai da Fernanda) - Jobson Garcia Pereira
HINO DO CENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra: Haroldo Ambrósio Caldeira
Intérprete: Glória Caldeira
Música: Álvaro Arcanjo Athaide SESQUICENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Poesia: José Keitel Ribeiro
Música: Maisa
Intérprete: Ana Paula da Silva Benedito
AVE MARIA
piano: Francis. Intérprete: mezzo soprano Maisa Nascimento.
ERA SONHO
Autor e intérprete: Carlos Alberto Caldeira
HINO DO SESQUICENTENÁRIO: Padre Dr. Antônio de Oliveira Godinho
Intérprete: Banda Musical de Carmo da Cachoeira - Lira Cachoeirense ou XVI de julho.
Maestro: Rôcival Alves
HINO DO SESQUICENTENÁRIO DE CARMO DA CACHOEIRA
Letra: Pe. Dr. Antônio de Oliveira Godinho. Música e interpretação: Tiãozinho (Sebastião de Jesus Mariano), Jovâne(Jovâne Garcia Pereira) e Jobinho (Jobson Garcia Pereira). Partitura: Rôcival Alves.
ANIVERSÁRIO DA PARÓQUIA DE N. SRA. DO CARMO
Poesia. Autor: José Keitel Ribeiro. Intérprete: Maria Amélia da Paixão Oliveira. Fundo musical:
Terezinha Reis Vilela ao piano.
CANÇÃO A CARMO DA CACHJOEIRA
Letra e música: Joel Garcia Pereira
Intérprete: Joel Garcia Pereira e Jovâne Garcia Pereira. Instrumental: Jobinho(Jobson Garcia Pereira).
CARMO DA CACHOEIRA
Poesia. Autor e Intérprete: Carmo Caldeira.
Acompanhamento: Maisa Nascimento.
TITILA
Interpretação: Larissa Amaral, Mezzo-soprano.
FESTA NO CÉU.
Autor: Frota (Luís Antônio Naves).
Intérpretes: Frota e Zico
Instrumental: Jobinho e Zico
TERRA DE MINHA INFÂNCIA
Autor e intérprete: Cláudio Pereira Chagas
PERFEITO É QUEM TE CRIOU
Letra: Padre Marcelo Rossi (direitos reservados)
Instrumental: Jobinho, Augusto e Andréia
Composição: Walmir Alencar (direitos reservados)
Intérprete: Tiãozinho (Sebastião de Jesus Mariano).
Anônimo disse…
Livro de batizados, ano 1859 - Segunda parte contém 59 registros, sendo 22 crianças pardas; 23 crioulas e 14 brancas. Durante o ano de 1859 foram realizados 109 batizados. Nesta segunda e última parte, do ano de 1859 aparecem os seguintes pontos de religiosidade onde foram realizados os sacramentos. Serão apresentados na ordem como encontrados nos registros. São eles: Matriz; Oratório de Manoel Antonio Teixeira; Oratório do ten. Gabriel Flávio da Costa; Ermida de dona Anna Emydia de Rezende; Oratório José Ferreira Godinho; Capela de São Bento; casa de dona Mariana F. da Silva; Ermida de Alexandre Gomes Branquinho; Freguesia de São Tomé das Letras e Ermida do capitão Antonio Joaquim Alves.
Padrinhos de crianças crioulas e pardas: Agostinho Marques Arantes e Cândida Maria de Jesus; Manoel Teixeira da Silva e Maria Theodora de Jesus; Antonio José Filipe e Maria Francelina de Jesus; Joaquim Flávio da Costa e dona Maria Balduina da Costa; Francisco Nunes Chagas e Maria; Francisco Lopes e Lauriana Ignácia de Jesus; Antonio José Guimarães e Geracina Pracedina de Souza; Francisco Antonio e Maria Francisca de Jesus; Ignácio Lopes Guimarães e dona Francisca Pracedina de Souza; tenente JOSÉ FERNANDES AVELINO E dona Ignácia Generoza do Nascimento; João Baptista Alves e Mariana Inocência de Figueiredo; Francisco Alves Rodrigues e Mariana de Souza Monteira; Evaristo Ferreira da Veiga e Helena Maria de Jesus; Francisco Nunes Chagas e Maria Rita de Jesus; Francisco José Chagas e Claudina Maria do Nascimento; Jerônimo e Maria Rodrigues; Serafim dos Anjos e dona Rita Antonia de Oliveira; José Liandro de Espíndola e Rita Maria de Jesus; Thomé Pinto Ribeiro e Maria da Conceição; Joaquim Gonçalves de Azevedo e Hypólita Claudina do Nascimento; Manoel Ignácio da Costa e Hypólita Carolina da Silva; André Pinto da Costa e Mariana Francisca de Jesus; Francisco de Assis e Souza e dona Constância Thereza de Jesus; Manoel Ferreira Avelino e dona Maria Generoza dos Reis; Luiz Antonio de Carvalho e Francisca; JOSÉ CELESTINO TERRA e Amélia Augusta de Toledo; João Vilella dos Reis e dona Anna Cândida dos Reis; José Celestino e Anna Jacintha Vilella; José Ignácio da Silva e Maria Guilhermina de Oliveira; Lúcio Marcelliano de Araújo e Antonio Alves Branquinho; Antonio Gomes Aguiar e Feliciana Maria de Jesus; Manuel da Costa Ramos e Luciana Cândida de Jesus.
No próximo comentário postaremos as crianças brancas, que são em número bem mais reduzido.
Anônimo disse…
Crianças que aparecem sendo batizadas, entre outras, entre o dia 09.06.1859 e dezembro do mesmo ano, encerrando assim os batizados do ano. São elas: 07.07.1859, no Oratório do ten. Gabriel Flávio da Costa, filho de Gabriel Francisco Ribeiro e Anna Gabriela da Costa. Padrinhos: ten. Gabriel Flávio da Costa e dona Maria Balduina da Costa;
08.07.1858, Anna, filha legítima de João Vilella Fialho e dona Maria Victória Branquinho. Padrinhos: Custódio Vilella Palmeira e dona Jacintha Ponciana de Rezende;
30.07.1859, Manoel, filho legítimo de Francisco de Paula Ferreira Martins e dona Ignácia Cândida de Jesus. Padrinhos: João Cândido Alves e dona Anna Claudina de Jesus;
30.07.1859, Maria, filha legítima do capitão Manoel Ferreira Martins e Maria Carolina Mello. Padrinhos: Comendador José Esteves de Andrade Botelho e dona Prudenciana Esmeraldina de Paiva;
26/06/1859, Anna, filha legítima de Antonio Garcia Duarte e de Maria Cândida de Jesus. Padrinhos: José da Silveira Caldeira e dona Mariana Gabriela Joaquina;
26/06/1859, Francisco, filho legítimo de Antonio Lopes Guimarães e Eva Rita. Padrinhos: Joaquim Flávio da Costa e Maria Balduina da Costa;
03/07/1859, João, filho legítimo de Joaquim Roza e Maria Magdalena. Padrinhos: Francisco José da Costa e dona Balduina Maria de Jesus;
10/07/1859, Maria, filha legítima de Antonio Cândido de Souza e Balduina Josepha Leopoldina. Padrinhos: JOSÉ CELESTINO TERR e Amélia Augusta de Toledo;
01/08/1859, Joaquim, filho legítimo de Joaquim Pinto da Costa e Francisca Cândida da Silva. Padrinhos: Francisco Nunes Chagas e Maria Rita de Jesus;
28/08/1859, Bernardo, filho legítimo de Bernardo José da Costa e dona Francisca Ferreira de Jesus. Padrinhos: José Marcelino Teixeira e dona Anna Antonia de Jesus;
14/09/1859, Carolina, filha legítima de Manoel Antonio Teixeira e de dona Maria Victória de Carvalho. Padrinhos: cap. Antonio Joaquim Alves e Maria Carolina de Gouvêa;
23/10/1859, José, filho legítimo de João Bernardino de Senne e Mariana Clara de Jesus. Padrinhos: Joaquim Fernandes dos Reis e Mariana Cândida Branquinha;
06/11/1859, José, filho legítimo de José Ignácio de Souza e Jesuína Maria de Jesus. Padrinhos: Lúcio Marceliano de Araújo e Antonio Alves Branquinho;
26.11.1859, Achilles, filho legítimo de Aureliano José Mendes e Escholástica Maria de Jesus. Padrinhos: José de Abreu Coutinho e Antonio de Abreu Coutinho.
Anônimo disse…
Veja no Projeto Compartilhar: Manoel Antonio Teixeira - 1819, possivelmente pai de Manoel Antonio Teixeira e sogro de Maria Victória de Carvalho.

Veja também no mesmo Projeto, José Antonio Teixeira - 1854/1863.
Anônimo disse…
Passava por Três Pontas a estrada que ligava PITANGUI e FORMIGA à CAMPANHA, mas tendo em vista a precariedade da mesma, o comércio local procurava uma solução para o problema. Em 15 de janeiro de 1863, com a finalidade de explorar a navegabilidade do Rio Verde, sob a inspiração de João Capistrano Ribeiro Alckmin, Juiz Municipal, criou-se a Associação Patriótica Três Potense. A idéia prosperou e, em 15 de agosto de 1863, ancorou na ponte do Rio Espera, a duas léguas da cidade, a barca "Sant´Anna, dirigida por Antônio Bernardes da Cunha, patrão da embarcação, e mais seis tripulantes.
Anônimo disse…
"Vila de Nossa Senhora da Piedade do Pitangui (...) descoberta e explorada por paulistas, constitui-se no principal reduto da gente de São Paulo, quando ocorreu o conflito dos Emboabas".

Citação em trabalho realizado por Francisco Vidal Luna, pela USP - Universidade Estadual de São Paulo. 1980. Minas Gerais: escravos e senhores. Análise da Estrutura Populacional e Econômica de alguns Núcleos Mineratórios (1718 - 1804). São Paulo, FEA - USP

http://historia_demografica.tripod.com/psquisadores/
Anônimo disse…
Dados tratos ao batismo citado acima: Em 30 de julho de 1859 o Pe. Joaquim Manoel de Rezende batizou Manoel, branco, no Oratório José Ferreira Godinho. Manoel nasceu em 04 de julho do mesmo ano, e seus padrinhos foram seus avós, João Cândido Alves ou João Cândido ALVES DA COSTA e dona Anna Claudina de Jesus ou Ana Claudina Diniz Junqueira (III).
Francisco de Paula Ferreira Martins e dona Ignácia Cândida de Jesus, pais de Manoel. Ignácia, filha de João Cândido Alves da Costa e Ana Claudina Diniz Junqueira (III).
João Cândido Alves da Costa, filho de Inácio José Álvares (ou Alves) e de Mariana Cândida de Jesus.

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Cemitério dos Escravos de Carmo da Cachoeira

Ativistas culturais preservam nossa memória histórica Fernão Dias Paes Leme  corajosamente embora velho, atendendo ao apelo de seu rei, juntou seus índios agregados e com os seus dois filhos, com seu genro, e alguns amigos que acreditaram nele, partiu de São Paulo chefiando a maior bandeira paulista, entrando no sertão em busca da Lagoa Encantada onde estariam as tão sonhadas esmeraldas. Nesta louca aventura, o Governador das Esmeraldas foi plantando roças e deixando atrás de si “pousos”, para que outros bandeirantes pudessem sobreviver na impiedosa selva pontilhada de perigos. O sertão do Campo Grande estava localizado no trajeto dos bandeirantes quando, em 1739 , Marta Amato encontrou informações de que pertenciam a Carrancas (Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas ) dois cemitérios que pertenciam a essa freguesia, na Comarca do Rio das Mortes : cemitério do Campo Belo e cemitério do Deserto Dourado (hoje São Bento Abade ) . Segundo Tarcísio José Martins (1995, 1ª