Pular para o conteúdo principal

Casa no Palmital do Cervo em Carmo da Cachoeira.


Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta casa foi identificada por nossos leitores como sendo propriedade de Santos Chagas, um octogenário, interlocutor de todas as horas, morador no Palmital do Cervo, onde mora um de seus filhos.
Este sábio senhor é de uma lucidez extraordinária, fazendo parte de nosso arquivo vivo, onde estão cuidadosamente armazenados dados, e a história de nosso passado. Fala com orgulho de sua origem. Lembra do município mineiro de Oliveira, de onde vieram seus ancestrais. Fala também em das cidades de Córrego do Ouro e Campo Belo, locais onde os de seu passado desempenharam a função de administradores de fazendas.

Comentários

Anônimo disse…
Esta foto foi colocada na caixa de postagem do Gapa Cultural, com o bilhetinho citado na inicial e sem outras especificações. Se alguém identificar, é só postar os dados nesta coluna. Saibam, no entanto, que o retrato condiz com nossa realidade atual. Faz parte da singela paisagem neste ano de 2008.
Anônimo disse…
Esta casa está em propriedade do Sr. Santos Chagas, nosso interlocutor de todas as horas., no Palmital do Cervo. Mora lá um de seus filhos. Octagenário, e de uma lucidez extraordinária, faz parte de nosso arquivo vivo, onde estão cuidadosamente armazenados dados, e a história de nosso passado. Fala com orgulho de sua origem. Lembra do Município de Oliveira-MG, de onde vieram seus ancestrais.Fala também em Córrego do Ouro-MG e Campo Belo, locais onde os de seu passado desempenharam a função de administradores de fazendas. Hoje o Sr. Santos Chagas, neto do espanhol FRANCISCO MAROCHO CHAGAS e de OCTAVIANA DE SOUZA. Foram pais de dona INÉSIA CHAGAS, que tivemos a oportunidade de conhecer, através de foto já publicada nestas páginas. Mulher de beleza e coração incomuns. Foram irmãos de Inésia, José Glicério Chagas, Otaviano Chagas e Francisco Chagas Júnior. Pessoal ligado ao nosso querido Wandico - Professor Wanderley Ferreira de Resende, autor de Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento. Herdeiros do patriarca são proprietários rurais e urbanos no município de Carmo da Cachoeira-MG. Seu SANTOS CHAGAS andando pelas ruas da cidade, na roda de amigos na porta da Cooperativa da praça, sentado na varanda de sua casa, conta casos e relembra fatos, histórias. Entre os fatos fica o de que esses seu avós tiveram um Hotel em sua casa na praça do antigo Arraial. Pessoa muito querida, e a quem o Projeto Partilha deve muito. A cidade também. Ele e dona Zilah, verdadeiras fonte de dados. Nosso reconhecimento. Nossa gratidão e respeito.
Anônimo disse…
Aqui em Três Pontas tenho um documento familiar que diz o seguinte: Antonio Jacintho Pereira, lavrador, residente em Três Pontas, em 26/05/1930 passa escritura de compra e venda de propriedade. Vendedora Alvarina Pereira Avellar Chagas. a propriedade está localizada na zona urbana, próximo ao cemitério parochial.
Anônimo disse…
Em 05/08/1917 é batizado ENOY, filho legítimo de Olady de Oliveira e Álvarina Pereira de Avellar Chagas. Foram padrinhos: Porcina dos Reis Campos e Álvaro Bernardes de Oliveira (tio da TIDA - in memóriam, e a guardiã dos dados sobre Pe. Godinho. Foi sentado a mesa, num dos cômodos da Casa da Tida, que Pe. Godinho escreveu os versos que se transformaram no HINO DO SESQUICENTENÁRIO DA PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DO CARMO, no ano de 2007).
Dona Alvarina e Olady foram pais também de Nympha.
Anônimo disse…
Ligados diretamente ao escritor da cidade está o Sr. José Glicério Chagas e dona Dulce Pereira Avelar Chagas. Receba o dado como contribuição histórica.
Anônimo disse…
Os dados devem ser atualizados, quanto ao nome correto de dona Inésia. Segundo o que me consta seu nome completo era dona Inésia de Souza Chagas. Eis mais uma contribuição a história de vossa cidade.
Anônimo disse…
Tio Lica - Olympio Virgulino de Souza, que muitos dizem Olimpio Virgolino foi casado com a filha do Barão de Lavras.
Anônimo disse…
O Projeto Partilha tem registrado por ora, o nome do sr. Olympio Virgolino de Souza, casado com dona Sianinha e filho do senhor Sebastião. Dona Sianinha, a filha do Barão de Lavras, João Alves de Gouveia é dona Anna Maximinia Alves de Gouveia. Pelos depoimentos orais, e não pela genealogia, o senhor Lica teve como irmãos: Avelino; o Balthazar,
casado com dona Phelomena Costa; o Antonio, conhecido com Totonho; a Otaviana de Souza Chagas; a Isalina; a Gabriela; a Constância de Souza, nascida em 10/01/1894 e falecida em 20/07/1962 e a Paula ou Paulina de Souza.
Anônimo disse…
Dona Maria Bernardina Nogueira de Oliveira, nascida em 24/10/1888 e falecida em 10/05/1981 é tia do Pe. Godinho.
Anônimo disse…
Verifiquem aí: a dona Paulina de Souza foi casada com Francisco Garcia.
Anônimo disse…
Vejam também se conseguem ligar. Não tenho documentos, por ora, mas tenho depoimento de que dona Isalina teve uma filha de nome dona Maria Esméria.
Anônimo disse…
Procuração na Comarca de Campanha-MG, ao Sr. MARCOS COELHO NETTO, solteiro, capitalista, domiciliado em Campanha-MG com poderes para requerer perante o JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DA CAMPANHA, o termo de renúncia que fazem das heranças deixadas pela sua avó e tia. GUILHERMINA CARDOZO, casada com Francisco das Chagas Rezende e dona ALEXANDRINA CARDOZO DE REZENDE, falecidas na cidade da CAMPANHA. A renuncia se dá em benefício de ARMANDO REZENDO, filho e irmão das fallecidas. Testemunhas: José Baptista de Sant´Anna e José Bressane de Sant´Anna. Outros que também passam procuração: Estevão Ribeiro de Rezende, casado com Maria Idalina Reis Rezende. Assinam como testemunhas: Emílio Cardonazzo e João Baptista Nogueira. A procuração foi outorgada aos Sr. Marcos pelos fazendeiros, Gabriel dos Reis Silva Neto, casado com Felícia Ribeiro de Rezende; José Marciano dos Reis, casado com Laura Ribeiro de Rezende. Todos moradores no município do Carmo da Cachoeira- MG.
Anônimo disse…
VENDA DE HERANÇA em 07/08/1922. Vendedores JOÃO MARTINHO DE OLIVEIRA, casado com MARIA MARGARIDA, domiciliados no município de Três Pontas. "Na qualidade de filho da finada ANNA SEVERINA DA SILVA, cujo inventário se está procedendo pelo juízo de Três Corações e cartório do escrivão Casemiro Avellar, TRANSFEREM AO COMPRADOR OLIVEIROS REIS todo o direito e acção que lhes competiam na qualidade de herdeiros daquella finada, para que o comprador use e goze e disponha da dita herança como sua que fica sendo desta data por deante. As terras ora vendidas são somente terras e benfeitorias na FAZENDA ENGENHO DE SERRA, Município de Três Corações. Renda Municipal - Câmara Municipal de Três Corações do Rio Verde. Exercício de 1922. Testemunhas: Álvaro Aristóteles Nogueira e José Bressane de Sant´Anna.
Anônimo disse…
Para Nilson N. Naves - Paraná

Aqui em Carmo da Cachoeira, há uma citação da FAMÍLIA NAVES, dados que registramos por estar ligado a "COSTA". Não sei se interessa ao senhor, e é o seguinte: "Em 15/08/1922, JOSÉ FELIX DA COSTA, jornaleiro, res. na freguesia do Carmo da Cachoeira faz parceria com o senhor MANOEL REIS NAVES. Local: terreiro da Fazenda São Marcos. Assinam, José Bressane de Sant´Anna por José Félix em presença de Emílio Cardonazzo e João Baptista Nogueira".
Anônimo disse…
Vamos ouvir um pouco de história, na sob as penas do professor WANDERLEY FERREIRA DE RESENDE, publicado em Carmo da Cachoeira - Origem e Desenvolvimento. Primeira edição, p.34. 1975. Antes de ouvi-lo, vamos conhecer os nomes ligados ao Circo: "Em 15/09/1922, aparecem como locatários ANTONIO MARINHO RODRIGUES e ANTONIO ZACHARIAS DE OLIVEIRA e como proprietário do CIRCO UNIÃO FAMILIAR, MIGUEL THEODORO".

O espaço fica agora com o professor Wanderley: "Em um conto intitulado 'O Toureiro', que publiquei em 1942 em um dos jornais de Varginha, havia um trecho que foi CENSURADO pelo diretor do jornal, e no qual eu dizia o seguinte:
Certo dia o circo chegou a um dos arraiais que bordejam a Rede Mineira de Viação. Era pequeno e atrasado, como todos os arraiais.
Estes núcleos de população, alguns já bem antigos, conservavam-se até pouco atrás estagnados e sem nenhuma esperança de progresso, não porque se tratasse de gente pobre e ignorante, mas porque o desenvolvimento dos arraiais era contrário aos interesses dos chefes políticos, cuja mentalidade mesquinha não hesitava em sacrificar o bem-estar coletivo na ara de suas desmedidas e insaciáveis ambições de mando. Para tais indivíduos, manter os arraiais em atraso era, até certo ponto, uma questão de vida ou morte. Compreende-se. Os arraiais giravam como satélites na órbita das cidades mais ou menos adiantadas; e nestas, ou porque o povo tivesse mais visão das coisas ou por outros motivos quaisquer, sempre surgiam partidos oposicionistas, que na época das eleições tiravam o sono aos chefes situacionista. Ora, trazendo os habitantes dos arraiais e povoados dominados, era nestes redutos que os mandões de outros tempos iam buscar as MAIORIAS ESMAGADORAS, com que venciam as eleções.
Quando se aproximava algum pleito eleitoral, era de ver-se a delicadeza, a boa vontade dos chefes políticos. Distribuíam sorrisos e promessas a torto e a direito, traçavam planos de grandes melhoramentos para as sedes distritais e chegavam mesmo ao sacrifício de mandar entupir alguns buracos e capinar algumas ruas. Mas, passadas as eleições, eram esquecidas com a mesma facilidade com que haviam sido feitas; o matagal tomava outra vez conta da praça e das ruas, as chuvas reabriam a buraqueira e a vida continuava como antes. Melhoramentos? Progresso? Tolices. Artigos de luxo que só convinham às cidades grandes.
Esta era, de modo geral, a História dos distritos e esta foi a HISTÓRIA DE CARMO DA CACHOEIRA até que chegou no ano de 1926, e com ele o começo da reação".
Anônimo disse…
Bem, o aspecto político entrou sem ser convidado, mas já que chegou e se apossou do comentário anterior, que seja bem vindo. Aqui o professor Wanderley Ferreira de Resende vai nos contar A VIDA NO ARRAIAL. Cf. p.52, primeira edição. "A vida dos habitantes do arraial de Carmo da Cachoeira, como a de outros lugarejos semelhantes, era a mais rotineira possível. Não havia cinema, clubes, rádio, televisão, nada, enfim, que ajudasse a matar o tempo nos momentos de folga. De tempos a tempos, aparecia algum circo, de touradas ou de cavalinhos, ou um teatrinho de fantoches a que o povo dava o nome de "briguelos", e era um sucesso. Durante muito tempo servia de assunto a um povo que não dispunha de outra maneira de distração.
Se os velhos de há cinquenta ou sessenta anos pudessem voltar aqui,(1975) como haveriam de ficar admirados com a transformação havida em tão poucos anos!
Eu imagino que, se meu avô, ou outro avô qualquer falecido há muitos anos aqui chegasse nos dias atuais e encontrasse a cidade iluminada pela luz elétrica, visse os aviões cruzando os céus de sua terra, o cinema falado, o rádio, a televisão, etc., tamanho seria seu espanto, que não teria dúvida em julgar que por aqui havia passado algum mago saído das páginas das Mil e Uma noites. Chego mesmo a pensar que ele não se acostumaria a viver em mundo tão diferente daquele seu tempo".

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

Carmo da Cachoeira — uma mistura de raças

Mulatos, negros africanos e criolos em finais do século XVII e meados do século XVIII Os idos anos de 1995 e o posterior 2008 nos presenteou com duas obras, resultadas de pesquisas históricas de autoria de Tarcísio José Martins : Quilombo do Campo Grande , a história de Minas, roubada do povo Quilombo do Campo Grande, a história de Minas que se devolve ao povo Na duas obras, vimo-nos inseridos como “Quilombo do Gondu com 80 casas” , e somos informados de que “não consta do mapa do capitão Antônio Francisco França a indicação (roteiro) de que este quilombo de Carmo da Cachoeira tenha sido atacado em 1760 ”.  A localização do referido quilombo, ou seja, à latitude 21° 27’ Sul e longitude 45° 23’ 25” Oeste era um espaço periférico. Diz o prof. Wanderley Ferreira de Rezende : “Sabemos que as terras localizadas mais ou menos a noroeste do DESERTO DOURADO e onde se encontra situado o município de Carmo da Cachoeira eram conhecidas pelo nome de DESERTO DESNUDO ”. No entanto, antecipando

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove

Distrito do Palmital em Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. O importante Guia do Município de Carmo da Cachoeira , periódico de informações e instrumento de consulta de todos os cidadãos cachoeirenses, publicou um grupo de fotos onde mostra os principais pontos turísticos, culturais da cidade. Próxima imagem: O Porto dos Mendes de Nepomuceno e sua Capela. Imagem anterior: Prédio da Câmara Municipal de Varginha em 1920.

O livro da família Reis, coragem e trabalho.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: 24º Anuário Eclesiástico - Diocese da Campanha Imagem anterior: A fuga dos colonizadores da Capitania de S. Paulo

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

A Paróquia Nª. Srª. do Carmo completa 155 anos.

O decreto de criação da Paróquia foi assinado pela Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de julho de 1857. Pela Lei nº 805 , a Capela foi elevada para Freguesia, pertencendo ao Município de Lavras do Funil e ficando suas atividades sob a responsabilidade dos Conselhos Paroquiais. O Primeiro prédio da Igreja foi construído em estilo barroco , em cujo altar celebraram 18 párocos . No ano de 1929, esse templo foi demolido, durante a administração do Cônego José Dias Machado . Padre Godinho , cachoeirense, nascido em 23 de janeiro de 1920, em sua obra " Todas as Montanhas são Azuis ", conta-nos: "Nasci em meio a montanhas e serras em uma aldeia que, ao tempo, levava o nome de arraial. (...) Nâo me sentia cidadão por não ser oriundo de cidade. A montanha é velha guardiã de mistérios. Os dias eram vazios de qualquer acontecimento." Ao se referir ao Templo físico dizia: "Minha mãe cuidava do jardim pensando em colher o melhor para os altares da Matriz

O distrito de São Pedro de Rates em Guaçuí-ES..

Localizado no Estado do Espírito Santo . A sede do distrito é Guaçuí e sua história diz: “ ... procedentes de Minas Gerais, os desbravadores da região comandados pelo capitão-mor Manoel José Esteves Lima, ultrapassaram os contrafortes da serra do Caparão , de norte para sul e promoveram a instalação de uma povoação, às margens do rio do Veado, início do século XIX ”.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se