Pular para o conteúdo principal

Os imigrantes em Carmo da Cachoeira.


Foto acima: Família de José Villela
Na ocasião, já viúvo ao centro.

Acima, da esquerda para a direita:
Antônio Ricardo Vilela (filho)
Antônio Rezende Vilela (genro)
Joaquim Pedro de Figueiredo (genro)
José Ricardo Vilela (filho)

Embaixo:
Maria Alexandrina de Rezende (filha) casada com Antônio Vilela de Rezende
juntamente com Marieta Vilela de Rezende

Ao Centro: José Villela (de Rezende)

Lado direito: Maria Ricardina de Rezende (filha) casada com Joaquim Pedro de Figueiredo e filhos do casal. Estes deixaram descendentes em Três Pontas.

Comentários

Anônimo disse…
Emigração Açoriana para o Brasil. P. 11 da obra "Jurisdição dos Capitães", de autoria de Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda diz:
De longa data é a emigração de açorianos para o Brasil.
A alta densidade demográfica, os frequentes tremores de terra, a posição geográfica privilegiada para viagens ao Brasil, a falta de perspectivas de melhoria financeira numa economia fundada exclusivamente na agricultura de subsistência e uma latente imobilidade social foram alguns dos fatores que fizeram com que açorianos deixassem sua terra para demandar melhor sorte em solo brasileiro. Entretanto, o número desses emigrantes ilhéus, aumentou enormemente a partir do início do século XVIII, quando se descobriu o ouro nas Minas Gerais, para onde passaram incontáveis levas daqueles homens simples, laboriosos e honrados, que muito contribuíram para a formação da sociedade mineira.
Segundo Djalma Garcia Campos, do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, nos Açores estão as raízes da maioria da gente mineira, da sua formação étnica e de seus costumes. Ao açoriano cabe a palma de ter sido o nosso colonizador, o nosso desbravador, foi aquele bravo que fixou as nossas fronteiras e que matou e morreu na preservação de nossa integridade territorial". Cita para Cf.:Denise Cássia Garcia. Em Os Garcia Frades, p.07.
Anônimo disse…
Um dos descendentes de uma numerosa e respeitada família de imigrantes açorianos foi JANUÁRIO GARCIA. Personagem estudado pelo historiador Marcos Paulo de Souza Miranda, entre muitos outros escritores, foi o Capitão de Ordenança no Brasil Colônia, na Capitania de Minas Gerais. Em função de um episódio ocorrido com seu irmão João Garcia Leal, morador em São Bento do Campo Bello, hoje município de São Bento Abade, atuou como justiceiro na causa. O referido Município surgiu a partir da Sesmaria de Pe. José Bento Ferreira. O município e vizinho do de Carmo da Cachoeira, no Sul de Minas Gerais.
Ao prefaciar a obra de Dr. Marcos Paulo, o Desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, JOSÉ GUIDO DE ANDRADE, escreve o seguinte:
Recrudescia sua fama de justiceiro, fazendo com que ele, Mateus e Salvador tomassem com encargo específico a missão de distribuir, na Capitania, aquilo que ali tanto faltava: uma justiça pronta e eficiente.
Instalava-se, assim, na Capitania de Minas Gerais, a jurisdição dos capitães, importante realidade histórica vivida por aquela sociedade, agora retratada por Marcos Paulo.
Um trabalho que resgata, inquestionavelmente, em nossa memória histórica, a honorabilidade da família Garcia Leal, da mesma forma que também destaca o importante papel desempenhado, durante tantos anos, por três dos seus integrantes "como verdadeiros e valiosos instrumentos de pacificação do território mineiro".
Anônimo disse…
Januário Garcia Leal foi casado com Mariana de Oliveira, neta de dona Ignácia Lemos de Godoy, também encontrada como Ignácia de Lemos Oliveira e Godoy. Cf. http://br.geocities.com/projetocompartilhar/cap02IgnaciaLemosdegodoy.htm
OBSERVAÇÃO: não confundam com uma homônima que foi casada 2 vezes, e aparece no mesmo trabalho. Esta aparece casada com José Joaquim da Cunha, e esm estado de viúva, com Luiz Ferreira Rocha ou Roxa.
Anônimo disse…
Foi na fala de José Guimarães, na obra "As Três Ilhoas",p. 114/115 do v.I, que o Projeto Partilha encontrou o ponto de ligação com o povoador paulista, marcada pela presença de dona Maria da Costa Moraes, casada com Manoel Antonio Rates, do Sítio Cachoeira, no Ribeirão do Carmo. Diz ele ao se reportar ao emigrante açoriano: "Essa gente ordeira, laboriosa, profífera, antes ilhada nos Açores, não encontraria limites para sua expansão em terras brasileiras. Unindo seu sangue AO DOS PAULISTAS QUE POVOARAM AS MINAS GERAIS, transformaram-se em novos bandeirantes, passando seus ramos genealógicos de povoado em povoado. Obtêm grande número de sesmarias, onde estabelecem suas fazendas e fundam povoados e cidades. De São João del Rei, passam para Lavras, Aiuruoca, Baependi, Campanha, Caldas, Ouro Fino, Pouso Alegre, Cabo Verde, Jacuí, fundando nas suas caminhadas novas povoações. De Aiuruoca e de São João del Rei, passam para a região fluminense do Vale do Paraíba. Ultrapassam a fronteira paulista, sempre rumando para o Oeste, indo contribuir para o povoamento da região da Mogiana, onde se localizam em Casa Branca, Franca, Mogi-Mirim, Batatais, São João da Boa Vista, Espírito Santo do Pinhal, Mococa e tantas outras, que são as bases para novas avançadas pela região de Araraquara, Rio Preto, e por aí afora. Ribeirão Preto passa a ser a princesa do Oeste, embora fique ao |Norte geográfico de São Paulo, pois esses açorianos que passaram a ser mineiros caminhavam para o Oeste. As novas gerações são paulistas e serão goianas, mato-grossenses e paranaenses, pois, em sucessivas levas, os descendentes daqueles açorianos, atingem o verdadeiro oeste de São Paulo, chegam ao Sul de Mato Grosso e ao Sul de Goiás, e mais tarde colonizam o norte do Paraná".
Anônimo disse…
Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda lembra o escritor açoriano de angra do Heroísmo, Gervásio Lima, que "com grande orgulho e patriotismo escreveu que


Não há, em todo o vastíssimo território brasileiro, povoado algum, cidade ou vila, edificação, monumento, tudo que exija trabalho, esforço, energia, que não tivesse a construí-los, a cimentá-los, braços rijos de açorianos, suor, sangue, lágrimas, ossos, cinzas dos laboriosos filhos do Arquipélago". CF. p.13 da obra, Jurisdição dos Capitães.
Anônimo disse…
Bartolomeu Bueno do Prado foi considerado um dos maiores sertanistas paulistas, foi capitão-mor ajudante nas minas do Jacuhy, e segundo informa o historiador Marcos Paulo, era ligado por laços de afinidade a família Garcia, diz ele: "Pedro Garcia Leal, parece que andou acompanhando as expedições de conquista". Pedro Garcia Leal é pai de João Garcia Leal, morador em São Bento do Campo Belo, e a vítima no episódio, cuja história é estudada em Jurisdição dos Capitães. O personagem central da obra é o capitão de Ordenança, Januário Garcia Leal, irmão de João. Bartolomeu Bueno do Prado, casado com dona Isabel Bueno da Fonseca, segundo Paulo Costa Campos, colaborador no Projeto Partilha, historiador e genealogista trespontano, é seu ancestral. Em sua obra "Dicionário Histórico e Geográfico de Três Pontas", p.28 diz:
"Bartolomeu Bueno do Prado era o mais temido capitão do mato, com grande experiência no combate aos quilombos. Nomeado "Governador-Comandante que vai para o do Campo Grande e mais sertões a destruir quilombos de negros fugidos ..." pela Câmara da vila de São João Del Rei, em 20 de junho de 1759, a fim de destruir os quilombos do Campo Grande (SC. 130, p.124, Arquivo Público Mineiro)".
Dona Isabel Bueno da Fonseca, mulher de Bartolomeu é filha de Francisco Bueno Feio e de dona Maria Jorge Velho. Na obra supra citada, Paulo Costa Campos esclarece, p. 27: "Capitão-Mor Francisco Luiz Bueno da Fonseca e Maria Jorge Velho".
Em Jurisdição dos Capitães, p. 30 lê-se: "Por volta de 1755, Bartolomeu passou para a região do Palmital, no sertão do Rio Grande, onde residia seu sogro. Naquele local foi buscado pelo governo mineiro para que chefiasse bandeiras contra calhambolas, pois granjeara grande fama nesse gênero de guerrilhas".
Anônimo disse…
Localização da fazenda onde morava João Garcia Leal, segundo o historiador Marcos Paulo, p. 73, citando Meirelles: " (...) fazenda denominada Campo Formoso, que se situava em território hoje compreendido pelo município de São Bento Abade.
Essa pitoresca localidade situada no Sul de Minas Gerais, vizinha do município de Três Corações, surgiu no cenário histórico mineiro em meados do século XVIII. Em 14 de agosto de 1752, o Capitão-General de Minas Gerais, José Antônio Freire de Andrade, atendendo ao que havia lhe representado o Pe. Bento Ferreira, concedeu-lhe uma gleba de meia légua em quadra ao peticionário. Na Sesmaria recebida o Pe. Bento constituiu a FAZENDA CAMPO BELO, onde edificou uma capela dedicada a São Bento, em torno da qual, tempos mais tarde, surgiu o povoado.
JOÃO GARCIA LEAL estava estabelecido naquela região, talvez explorando as terras de seu sogro NICOLAU MARTINS SALDANHA, sesmeiro nas cercanias do Rio Verde", terras dividindo com Antônio José Salgado e por outro com Antônio Fernandes.
Dudu Rezende disse…
Foto acima: Família de José Villela
Na ocasião, já viúvo ao centro.

Acima, da esquerda para a direita:
Antônio Ricardo Vilela (filho)
Antônio Rezende Vilela (genro)
Joaquim Pedro de Figueiredo (genro)
José Ricardo Vilela (filho)

Embaixo:
Maria Alexandrina de Rezende (filha) casada com Antônio Vilela de Rezende
juntamente com Marieta Vilela de Rezende

Ao Centro: José Villela (de Rezende)

Lado direito: Mari Ricardina de Rezende (filha) casada com Joaquim Pedro de Figueiredo e filhos do casal. Estes deixaram descendentes em Três Pontas.
Dudu Rezende disse…
Correção> digo: Maria Ricardina de Rezende

Arquivo

Mostrar mais

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiro s ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” T odos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cump

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Diácono Romário - Ordenação Presbiterial

 A Diocese de Januária, minha família e eu, Diácono Romário de Souza Lima temos a grata satisfação de convidar você e sua família para participarem da Solene Celebração Eucarística, na qual serei ordenado sacerdote pela imposição das mãos e Oração Consecratória do Exmo. Revmo. Dom José Moreira da Silva, bispo diocesano, para o serviço de Deus e do seu povo. Dia 18 de maio de 2022. às 19h, na Catedral Nossa Senhora das Dores em Januária - MG Primeiras Missas 19 de maio às 19hs na Catedral Nª Srª das Dores 20 de maio às 19hs na  Comunidade Santa Terezinha de Januária 21 de maio às 19hs na Comunidade Divino Espírito Santo em Januária Contatos: (38) 99986-6552 e martimdm1@gmail.com Reflexão: João 21, 15 - Disse Jesus a Pedro: "Apascenta meus Cordeiros" Texto de Gledes  D' Aparecida Reis Geovanini O cordeiro é o filhote da ovelha. É conhecido como dócil, manso, obediente. É o símbolo da obediência e submissão. Apascentar refere-se a alimentar, cuidar, proteger e orientar, fu

A origem do sobrenome da família Rattes

Fico inclinado a considerar duas possibilidades para a origem do sobrenome Rates ou Rattes : se toponímica, deriva da freguesia portuguesa de Rates, no concelho de Póvoa de Varzim; se antropomórfica, advém da palavra ratto (ou ratti , no plural), que em italiano e significa “rato”, designando agilidade e rapidez em heráldica. Parecendo certo que as referências mais remotas que se tem no Brasil apontam a Pedro de Rates Henequim e Manoel Antonio Rates . Na Europa antiga, de um modo geral, não existia o sobrenome (patronímico ou nome de família). Muitas pessoas eram conhecidas pelo seu nome associado à sua origem geográfica, seja o nome de sua cidade ou do seu feudo: Pedro de Rates, Juan de Toledo; Louis de Borgonha; John York, entre outros. No Brasil, imigrantes adotaram como patronímico o nome da região de origem. Por conta disso, concentrarei as pesquisas em Portugal, direção que me parece mais coerente com a história. Carmo da Cachoeira não é a única localidade cujo nome está vincul

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Leonor Rizzi - Biografia

I tu , uma estância turística do Estado de São Paulo , viu nascer em 2 de fevereiro de 1944 a professora e genealogista Leonor Rizzi, uma descendente de imigrantes italianos da região de Gênova , cujos pais foram o ferroviário Diniz Rizzi e a costureira Malvina Demarqui Rizzi . E studou no tradicional Collégio Nossa Senhora do Patrocínio , sob os cuidados das Irmãs de São José de Chambéry ¹ . Aquele local , assim como boa parte de sua terra natal, é constituída de antigos monumentos arquitetônicos oitocentistas. Sendo também catecista e " filha de Maria ". C asou-se em 1964 com o professor Wagner Pereira da Mota e mudaram-se para a cidade de São Paulo em busca de melhores oportunidades de emprego. Lá ela ingressou no magistério público municipal, lecionando em diversos bairros da capital paulista, mas foi principalmente na década de setenta no bairro de Pirituba, no Paque Infantil Piritubinha ² , que desenvolveu uma metodologia de ensino própria que deu origem a obra &quo

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç

Cemitério dos Escravos de Carmo da Cachoeira

Ativistas culturais preservam nossa memória histórica Fernão Dias Paes Leme  corajosamente embora velho, atendendo ao apelo de seu rei, juntou seus índios agregados e com os seus dois filhos, com seu genro, e alguns amigos que acreditaram nele, partiu de São Paulo chefiando a maior bandeira paulista, entrando no sertão em busca da Lagoa Encantada onde estariam as tão sonhadas esmeraldas. Nesta louca aventura, o Governador das Esmeraldas foi plantando roças e deixando atrás de si “pousos”, para que outros bandeirantes pudessem sobreviver na impiedosa selva pontilhada de perigos. O sertão do Campo Grande estava localizado no trajeto dos bandeirantes quando, em 1739 , Marta Amato encontrou informações de que pertenciam a Carrancas (Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas ) dois cemitérios que pertenciam a essa freguesia, na Comarca do Rio das Mortes : cemitério do Campo Belo e cemitério do Deserto Dourado (hoje São Bento Abade ) . Segundo Tarcísio José Martins (1995, 1ª

Cemitério dos Escravos em Carmo da Cachoeira no Sul de Minas Gerais

Nosso passado quilombola Jorge Villela Não há como negar a origem quilombola do povoado do Gundú , nome primitivo do Sítio da Cachoeira dos Rates , atual município de Carmo da Cachoeira. O quilombo do Gundú aparece no mapa elaborado pelo Capitão Francisco França em 1760 , por ocasião da destruição do quilombo do Cascalho , na região de Paraguaçu . No mapa o povoado do Gundú está localizado nas proximidades do encontro do ribeirão do Carmo com o ribeirão do Salto , formadores do ribeirão Couro do Cervo , este também representado no mapa do Capitão França. Qual teria sido a origem do quilombo do Gundú? Quem teria sido seu chefe? Qual é o significado da expressão Gundú? Quando o quilombo teria sido destruído? Porque ele sobreviveu na forma de povoado com 80 casas? Para responder tais questões temos que recuar no tempo, reportando-nos a um documento mais antigo que o mapa do Capitão França. Trata-se de uma carta do Capitão Mor de Baependi, Thomé Rodrigues Nogueira do Ó , dirigida ao gove