Pular para o conteúdo principal

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
Colaboro com o que posso. Conheci o blog pela referêencia a José Celestino Terra, que tem a ver com voces daí e nós daqui,Sant´Anna da Vargem. Veja o que tenho. A data está meio apagada, mas com lupa e luzes identifico como sendo o ano de 1872. Saí daqui uma ordem para se "passar escriptura", p escrivão de PAZ que assina é da Freguesia do Carmo da Cachoeira dos Rattes. Trata-se do seguinte: "terras havidas a ANNA BARBARA DE OLIVEIRA e seus filhos Joaquim e Francisco.
Anônimo disse…
Uma escritura enviada pela família Fonseca nos informa um movimento cartorial em Cachoeira. Diz o seguinte: "FRANCISCO SATURNINO DA FONSECA e sua mulher MARIA GUILHERMINA DA FONSECA vende a JOÃO BAPTISTA DE SOUZA, moradores deste districto de CARMO DA CACHOEIRA casa de morada a Rua Direita". Ano 1892.
Anônimo disse…
Os "de Brito" ficaram radicados aqui em Três Pontas. Tenho o seguinte. Não sei se ajuda:"Procuração que faz Urbano dos Reis e Silva, à Alvaro Brito em 20/07/1892, neste districto de Carmo da Cachoeira, (...) assistir os termos dumma acção summaria que move o Juiz de Paz deste districto contra JOSÉ BERNARDES DA COSTA". Espero ter cooperado, pelo menos um pouco.
Anônimo disse…
Esta foto foi feita pelo professor Evando, que lança o desafio: Você conhece e reconhece sua cidade? Será que reconhece? Não vamos fazer feio pessoal, ou vamos?
Anônimo disse…
Quero dizer que o MARCIANO FLORÊNCIO PEREIRA foi morador do districto do Carmo da Cachoeira e deve ter sido amigo ou parente de FRANCISCO ALVES DA COSTA. Digo isto porque Francisco aparece como procurador para representá-lo na partilha de sua finada filha Maria Marianna Pereira, no termo de Lavras. Testemunhas: Jeronymo Ferreira Pinto Vieira e Alvaro Dias de Oliveira.
Anônimo disse…
TS Bovaris recebeu uma foto de dona Ignézia Candida das Chagas. Enviei faz algum tempo e ainda não vi publicada. Foi uma moça que além de sua bondade tinha uma beleza fora do comum. O Projeto Partilha para confirmar os dados procurou seu Santos Chagas, pelo que ele me contou. Ele confirmou dizendo a ela que a moça da foto era realmente sua tia-avó,don Enésia Chagas, como era aconhecida. Você recebeu TS Bovaris. Se recebeu, dá pra publicar. Mostra o quanto lindo era e é nosso pessoal. De lambuja vai essa:"doação que faz RITTA VICTALINA DE SOUZA" em Carmo da Cachoeira. Donatária Ignézia candida das Chagas, filha de Francisco Chagas, todos residentes e moradores em Carmo da Cachoeira- MG. Casa de morada cita na freguesia na rua que desse do lado direito do largo para a rua do Padre Joaquim, antiga do MANOEL FRANCISCO da qual casa (...)menor acima declarada que por ter tenra idade é representada pelo pai Francisco Chagas".
Anônimo disse…
Aqui em Lavras existe uma rua com o nome de AUGUSTO JOSÉ DA SILVA. Foi uma pessoa importante para a cidade e recebeu a homenagem que perpetuou seu nome e seus atos. Ele foi vizinho de Antonio Severiano de Gouvêa, no ano de 1893. Falo isso por ter visto uma escritura de compra e venda que fez PRAXEDIA SENHORINHA ALVES. O imóvel divisa com os filhos de Francisco de Assis e Souza (...)Francisco de Paula Resende (...) Padre Joaquim. Dona Maria Emília Teixeira e seu marido Manoel dos
Reis e Silva , que compraram de Praxedia venderam depois para Antonio Severiano de Gouvêa. Vocês poderiam localizar para mim esta Casa?
Anônimo disse…
Cultura lavrense, os dados de que dispomos por ora, é o de que FRANCISCO DE PAULA RESENDE é filho de JOSÉ CELESTINO DE REZENDE e de dona CARLOTA VILELA. Francisco aparece em Carmo da Cachoeira junto com José Augusto da Veiga como testemunha numa venda em que FRANCISCO DE ASSIS SOUZA, casado com CONSTANÇA UMBELINA DE SOUZA(assina arrogo por ela ABRAHÃO AUGUSTO SOUZA), vende terras a EDUARDO ALVES DE GOUVEIA, no lugar denominado 'MONJOLLOS'. Esta anotação corresponde ao final do século XIX. Quem sabe o Jovâne poderá nos ajudar na localização. Ele conhece a cidade como a palma de suas mãos. É cidadão envolvido com a Cultura, até foi um dos três ídolos que marcaram a passagem das comemorações da paróquia pelos 150 anos. Aproveite para ouvir o trabalho artistico dele neste blog. Ele, seu irmão Jobinho e o Tiãozinho resgataram e deram voz e musicidade a uma poesia de Pe. Godinho.Procure como HINO DO SESQUICENTENÁRIO. Ele tem acompanhado o blog, e possivelmente fará uma intervenção complementar. É só questão de tempo e voces poderão aumentar os dados sobre o Sr.AUGUSTO JOSÉ DA SILVA. Gratos pela participação.
Anônimo disse…
Nossos agradecimentos a Família que nos paresentou o seguinte dado:
Quitação de uma morada de casas cita neste DISTRICTO do Carmo da Cachoeira que a Exma. Baroneza de Lavras e outros fazem a JOÃO ANTONIO NAVES, EM 26/06/1892. Vendedores: Baroneza de Lavras, Eduardo Alves de Gouveia; Douctor Mathias Antonio Moinhos de Vilhena e sua mulher Maria Carolina Gouveia Vilhena; Domingoss de Oliveira Carvalho de Vilhena e sua mulher Marianna Clara de Gouveia Vilhena; Antonio Joaquim Alves de Gouveia e sua mulher Anna Maximina de Gouveia, moradores neste districto cito a rua do Douctor JOSÉ CONSTANÇO dividindo com Álvaro Dias de um lado e por outro com JOÃO VILELLA FIALHO".

Baronesa de Lavras, nesta freguesia do Carmo da Cachoeira. Permuta de morada em Varginha por outra na rua do Pretório no districto do Carmo da Cachoeira. São citados Evaristo Gomes de Paiva e sua mulher dona Eudóxia Clotildes de Figueiredo Paiva, todos moradores no districto do Carmo da Cachoeira - MG".
Anônimo disse…
Barão da Boa Esperança.
Procuração que faz ALVARO DE BRITO, casado com Basiliça dos Reis Brito, residentes no distrito do Carmo da Cachoeira, constitui procurador em Três Pontas seu pai e sogro, o BARÃO DA BÔA ESPERANÇA. Inventário da falecida avó ANNA CLAUDINA DA SILVEIRA. TESTEMUNHAS. JOSÉ AUGUSTO DA VEIGA E FRANCISCO DE PAULA REZENDE.
Anônimo disse…
Mais uma. Esta é da Fazenda da Serra BELLA VISTA. Só envio esta porque ainda não vi, neste blog a citação da referida Serra e nem da referida Fazenda. É o seguinte: "Fazenda da Serra Bella Vista, nesta freguesia do Carmo da Cachoeira. Vendedores: João Urbano de Figueiredo e sua mulher Carolina dos sReis. A Assinatura é Fazenda Pouso Alegre em 13/05/1892, nesta freguesia de Carmo da Cachoeira. Testemunhas: José Balbino dos Reis e capitão Manoel de Souza Reis. Comprador: FRANCISCO CUSTÓDIO VIEIRA CAMPOS".
Anônimo disse…
Olá, "sem ficar de fora". Vamos trocar figurinhas. TS Bovaris tem em seus arquivos uma bela reportagem feita pelo professor Evando na Fazenda POUSO ALEGRE. Os atuais proprietários são descendentes da tradicional família Figueiredo, e são preservacionistas. Nesta Fazenda, e guardada a "sete chaves" uma relíquia. A pedra do "altar portátil", mostrada pelas comemorações dos 150 anos da paróquia. A capela singela possui os quadros da "via-sacra" num beleza difícil de ser descrita. O artista representou os personagens contextuando-os a partir de certa filosofia. Houve, no dia anterior a esta reportagem, na mesma Fazenda, porém no espaço da Escola, que fica junto de outra capelina (também fotografada e à noite) uma cerimônia de CRISMA. O Bispo, Dom Diamantino aparece entre módulos de POMBAS fixadas no teto, como representação dos 7 dons do ESPÍRITO SANTO. DÁ PARA MOSTRAR PARA O PESSOAL, TS BOVARIS?
Anônimo disse…
Moradores em Três Corações, Maria Ilídia da Costa, casada com José Candido Vilella em 03/01/1892 vendem parte da Terra da Fazenda BOA VISTA, iTAPECERICA, FREGUESIA Aguapé, Município de Boa Esperança. Assiam: João Vilella Fialho; João Thomas de Aquino Villela; João Villela de Rezende; Maria Balbina Villela; Antonio de Rezende Villela; Corina Eulália de Oliveira; José Candido Vilella; João de Rezende Branquinho; Anna Emygdia Villela; Juvenal José Lemos; Adauto Coelho Lemos. testemunhas : Evaristo Gomes de Paiva e Joaquim Fernandes de Rezende.

Da Freguesia de São Fraancisco do Agua-Pé, termo das Dores da Boa Esperança, Comarca do Sapucahy, assinal: FRANCISCO DA SILVA RODARTE e FRANCISCO DE OLIVEIRA MACHADO.
Anônimo disse…
Uma complementação de informação ao colaborador "cultura lavrense". A Rua Dr. Constanço citada anteriormente num documento poderá ser atualizada com o seguinte dado: "tendo cmo testemunhas FRANCISCO DE PAULA REZENDE e JOSÉ AUGUSTO VEIGA, no espólio de Dr. JOSÉ CONSTANÇO DE OLIVEIRA E SILVA".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha registrou no comentário anterior CONSTANÇO, para manter a fidelidade do registro documental, no entanto, leia-se CONSTANCIO. O Dr. José Constâncio de Oliveira e Silva, bem como o Barão de Lavras tiveram seus nomes substituidos por outros, nas denominações das ruas da Cidade de Carmo da Cachoeira -MG. Quanto a rua Barão de Lavras, os mais antigos se lembram, já a do Dr. José Constancio, pela enquete feita nas ruas da cidade, saiu do registro da memória coleta da população. No entanto seu e seus feitos, bem como os Barão de Lavras continuam sendo lembrados nas ruas de nossa visinha cidade de LAVRAS, onde ele fez parte do primeiro mandato da CAMARA MUNICIPAL daquela cidade. Barão de LAVRAS - João Alves de Gouveia, também tinha assento naquela camara. JOSÉ CONSTÃNCIO DE OLIVEIRA E SILVA´está também representado como político, sob n. 939, no período de 1860 - 1865, na listagem disponível pela internet. Veja em www.arquivohistórico-mg com.br.htm.423k
Para os cachoeirenses ficou esteDOCUMENTO datado de 20/02/1892 que trata do espólio deixado por ele.
Anônimo disse…
Epa aí, o Dr. José Constâncio de Oliveira e Silva está em minha árvore genealógica. Meu bisavô quase teve um piripaque perguntei a ele, se quando morou em Cachoeira tinha uma rua com esse nome. Ele disse que no seu tempo não mais, mas que seus ancestrais falavam com muito respeito desta figura ilustre de Carmo da Cachoeira. Somos, como muita honra ligados aos "Dias de Oliveira"
Anônimo disse…
Aditamento "Os BUENOS DA FONSECA". Pesquisado por Ary Silva, p. 87.
JESUINA CÂNDIDA DE OLIVEIRA (Anuário Genealógico Brasileiro, Vol. VI - 1944 - São Paulo, pag. 110 - Tn -24), filha de João Crisóstemo da Silva Bueno e Luisa Ludovina de Jesus (Dias de Oliveira), foi casada em primeiras núpcias com seu primo Francisco Dias Pereira, filho de Francisco Antonio Pereira e Francisca Francelina de Oliveira, irmã de Luisa Ludovina de Jesus. Foi casada em segundas núpcias com José Dias Ferraz da Luz, filho do Capitão Antonio Dias Ferraz e Florentina Cândida Ferraz da Luz.
ANTONIO DIAS PEREIRA DE OLIVEIRA,morador em Carmo da Cachoeira- MG, nascido em 1/11/1836 foi casado com Theodolinda Eulália de Carvalho, filha de Alípio José Teixeira de Carvalho, casado em Lavras, em 22/09/1827, com Áurea Maria da Silva, nat. de Três Pontas, filha natural de Francisca Maria de Jesus e do Tenente-Coronel José Pereira da Silva Guimarães, natural de Portugal. Dona Theodolinda Eulália de Carvalho foi avó de outra do mesmo nome Teodolinda Eulália, casada com João Vilela Fialho, morador em Carmo da Cachoeira - MG.
Oi, todo garboso. Caso você tenha outros dados que nos ajudem a enriquecer o trabalho e queira partilhar estamos aqui. Gratidão pela interferência. Diga a seu bisavô que nos orgulhamos por tê-los por perto.
Anônimo disse…
Falou-se tanto do Dr. José Constâncio e ficou de fora uma informação que deverá ligar os dados e é a de que, Theodolinda Eulália de Carvalho é representada no inventário por seu filho Alvaro Dias de Oliveira.
Anônimo disse…
Afinal qual é a filiação do Dr. José Constâncio de Oliveira e Silva?

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz