Pular para o conteúdo principal

Convidados no casamento em Aparecida do Norte.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Comentários

Anônimo disse…
Respondendo a Nilson N. Naves.
Oi Nilson, Obrigado pela participação. Estamos tentando buscar duas coisas com este trabalho: a provisão para funcionamento de uma ermida, um curato, uma capela, um oratório, ou seja a denominação que possa ter tido na ocasião e o nosso primeiro morador, Manoel Antonio Rates. A fim de comprovar tal presença, ou ainda disponibilizar as fontes que contam a história dos primórdios de Carmo da Cachoeira recorrermos a livros oficiais. O Livro sobre o qual você pede informações é o FÁBRICA. É o livro que registra o movimento que diz respeito a movimentação financeira de órgãos ligados a Mitra de uma Diocese. Seria como um livro de contabilidade e prestação de contas.
Anônimo disse…
Ainda para o Nilson N. Naves.
Nilson, você deve estar se perguntando, de o por que de tantas citações, não é isso? Pois bem, porque enquanto se procura, aproveita-se para atualizar nossa história, com dados que o professor Wanderley Ferreira de Resende não detinha em 1975.
O Projeto Partilha vem se unindo em sua trajetória a muitos outros que estão a fim de fazer vir a tona uma "verdade histórica", que hoje é vista como "meia-verdade". São muitos os que arregaçam as mangas e colocam seu conhecimento a serviço de REESCREVER a história do Brasil Colonial. Aqui fazemos nossa parte, lançando sob forma de partilha, os dados de que temos conhecimento. Colaboradores tem contribuído com outros, numa troca voluntária e saudável. A família Rates também engajou-se no processo. Estudiosos, pesquisadores, intelectuais, estudantes universitários, leigos em geral e blogs de várias famílias, enfim, um universo de pessoas de boa vontade colocando as mãos na massa. Caso você tenha conhecimento de algum dado que possa acrescentar, por favor, informe. Gratidão.
Anônimo disse…
José Ferreira Godinho, negociante, morador no RANCHO DA BOA VISTA, em 19/071862, foi um dos peritos, junto com João Villela Fialho, morador na FAZENDA DOS PINHEIROS, foram os peritos nomeados no "Caso do escravo Lério", sepultado no adro da Capella de São Bento do Campo Bello. O sacristão da referida capela era José Ignácio de Souza. O procurador dela, o tenente Francisco Ignácio de Souza.
O documento, cuja inicial deu-se na FAZENDA RETIRO em 20 de julho de 1862, registra alguns nomes e localizações, que podem auxiliar neste trabalho. Mostra que foram testemunhas no enterro do escravo Lério, Ignácio Lopes Guimarães, Antonio Gomes Martins e Antonio Lopes Guimarães. Assina o documento Aureliano José Mendes.
Em outro momento e relacionado ao mesmo caso outras testemunhas são ouvidas: Jozé Boenno; Joaquim Thomaz; Mogango; Maria Albina mulher de Luís Francisco Motique; Pedro Bernardes da Costa; "Guerino Ferreira de Oliveira, 55 anos, natural e morador deste mesmo Destricto, vive da lavoura, (a assinatura está ilegível, no entanto parece ser dele); José Ferreira, filho do mesmo Guerino Manoel Antonio de Oliveira. MARCIANO JOSÉ DA COSTA, filho de Prudenciana Bernarda da Costa, casado, 45 anos, vive da lavoura, brasileira, natural da Conceição do Rio Verde, morador na freguesia do Carmo da Cachoeira, sabe ler e escrever. "A primeira testemunha, JOAQUIM THOMÁS VILLELA, 25 anos, vive da lavoura, casado, natural da Freguesia dos Três Corações do Rio Verde e morador neste districto. Assina arrogo de Joaquim Thomás, João Antonio da Fonseca"; Segunda testemunha, Maria Albina, 25 anos, casada, natural e moradora da freguesia do Carmo da Cachoeira. Assina por ela, João Antonio da Fonceca"; Terceira testemunha, "Luís Gomes da Silva, 50 anos, cazado, natural e morador nesta Freguesia do Carmo da Cachoeira onde vive da lavoura. Assina arrogo Antonio Dias Pereira de Oliveira. Outros testemunhos de Roza e Paulina escravos de MARCIANO JOSÉ DA COSTA. Assinam por eles a mando, o Juiz JOÃO ANTONIO DA FONCECA e com consciência de Marciano José da Costa. Citou-se ainda: "Pedro Bernardes da Costa, 60 anos, cazado, africano, nascido neste destricto onde vive, ofício pedreiro. Assina arrogo João Antonio da Fonseca", e "José João Buenno, 23 anos, solteiro, natural e morador nesta freguesia onde vive da lavoura. Assina arrogo, João Antonio da Fonceca", "José Joaquim de Oliveira, 26 anos, casado, natural e morador deste Destricto, vive da lavoura, assina arrogo, ten. João Antonio da Fonceca", "MANOEL JOAQUIM DE OLIVEIRA, 30 anos, casado, natural e morador deste Destricto onde vive da lavoura, assina arrogo, João Antonio da Fonceca".
"Marciano José da Costa, natural de Conceição do Rio Verde, Fazenda do Rio do Peiche onde reside há 14 anos. Conhece as testemunhas há muitos anos".
Anônimo disse…
O Projeto Partilha agradece a família Gomes de Aguiar pelo envio dos seguintes dados: Manoel Roiz Matheus e Silva, também encontrado como Manoel Rodrigues Matheos e Silva aparece no "Destricto do Carmo da Caxoeira em 20/12/1859 e assina arrogo por ele numa audiência, Manoel Ferreira Avelino. A inicial traz o seguinte: " Eu, Manoel Antonio de Mello, escrivão que escrevi, e o subdelegado José Fernandes Avelino manda que se notifique as testemunhas: Jerônimo da Silva; Thomé Pinto Ribeiro; João Narciso Coelho; Sebastião Roiz de S. Thiago; Florenciano José Alves e Francisco crioulo. A testemunha Geronimo da Silva, 31 anos, lavrador, cazado, natural e morador desta freguesia. Assina por ele MANOEL JOSÉ PINHEIRO. Testemunha Thomé Pinto Pinheiro, 28 anos, carpinteiro, solteiro, morador nesta freguesia e em atividade, natural da freguesia de Varginha; Testemunha João Narciso Coelho, 25 anos TROPEIRO, cazado, morador nesta freguesia e natural de São João Nepomuceno. Assina arrogo Manoel Ferreira Avelino. Testemunha Sebastião Rodrigues de São Thiago, 35 anos, solteiro, lavrador, natural e morador desta mesma freguesia. Testemunha Florenciano Jozé Alves, 28 anos, lavrador e natural desta freguesia. Assina arrogo Manoel Ferreira Avelino. Testemunha Francisco Jozé Gomes de Aguiar, 20 anos, solteiro, vive de ser camarada, natural e morador nesta mesma freguesia. "Destricto da Boa Vista, Termo da Villa de Lavras. Comarca do Rio das Mortes em residência de Antonio Severiano de Gouveia".
Anônimo disse…
Fazia parte da comunicação outros nomes. Um deles, muito interessante para o trabalho. Separamos do comentário anterior visando torná-lo mais evidente. Trata-se de GRACIANO DE TAL, morador neste Destricto da Boa Vista, lugar denominado CACHOEIRA DOS RATES. Eu, escrivão José Ignácio de Souza o escrevi. Fazenda do Caxambu, seis de novembro de 1853.
Anônimo disse…
Os dados abaixo encerram o rol da comunicação recebida. Nossos agradecimentos ao pessoal que nos auxiliou, e de forma voluntária repassou os preciosos dados. Eles vem nos mostrar nomes de antigos moradores, e até então desconhecidos da sociedade cachoeirense. José Rodrigues da Silva, 42 anos, casado, natural da freguesia do Carmo da Cachoeira, destricto do Carmo da Boa Vista, termo da Villa de Lavras, Comarca do Rio Verde, filho de Matheus Rodrigues da Silva e Mariana Mathildes, lavrador, em 08/06/1865 esteve presente a uma audiência Extraordinária. O Juiz de Paz presente foi Antonio Dias Pereira de Oliveira. O oficial de Justiça Luís Antonio da Silva. Estavam presentes também: Manoel Francisco Xavier, 70 anos, empregado na lavoura, natural e morador nesta freguesia, parente de José Rodrigues da Silva; José Joaquim Alves, 35 anos, empregado na lavoura, cazado, morador e natural desta freguesia; José Joaquim de Lima mais adiante citado como Joaquim José de Lima, 24 anos, natural e morador desta freguesia. Testemunha: Francisco de Paula Cândido, 22 anos, empregado público, natural da cidade de Ouro Preto, morador nesta freguesia. São citados ainda: José Felizardo de Assis; Francisco Godinho e Joaquim Pedro da Silva.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz