Pular para o conteúdo principal

de Paulo Costa Campos:
Antônio Aureliano Chaves de Mendonça, político brasileiro, nascido em Três Pontas. Filho de José Vieira de Mendonça e Luzia Chaves de Mendonça, casado com Minervina Sanches de Mendonça. Engenheiro eletrecista e mecânico, pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá - MG, exerceu o magistério na EFEI e no Instituto Politécnico da Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte - MG. Em sua vida pública, como político e administrador, exerceu os seguintes cargos: Suplente de deputado estadual por Minas Gerais pela UDN (1958), assumindo a vaga em 1961; Diretor da Eletrobrás e de Centrais Elétricas Brasileiras (1961); deputado Estadual por Minas Gerais pela UDN (1962), e líder do Governo na Assembléia Legislativa; Secretário de Estado de Minas Gerais, no Governo Magalhães Pinto, ocupando as pastas de Educação (1964) e de Viação e Obras Públicas (1965); eleito deputado federal por Minas Gerais (1966); reeleito na legislatura seguinte (1970). Em 1972 em pronunciamento de grande repercussão nacional, previu a crise energética no Brasil. Nesse mesmo mandato, foi considerado o melhor deputado do ano pela mídia. Na Convenção da Arena, em 15 de setembro de 1973, foi o orador, designado para saudar o futuro Presidente da República, general Ernesto Geisel. Foi escolhido para o cargo de Governador de Minas Gerais (1974). Foi Ministro das Minas e Energia, no governo Geisel e, em 1977, em eleição indireta, foi eleito Vice- Presidente, na chapa do General João Batista Figueiredo. Faleceu em Belo Horizonte - MG e foi sepultado em Itajubá - MG.(13-JAN-1929 - 30-ABR-2003).
de colaborador voluntário:
Oi pessoal. Vi em um documento o seguinte: "Miguel José Alves, irmão de Hygino Joaquim Alves, José Joaquim Alves, Joaquim José Alves, Antônio Joaquim Alves da Costa, e Francisco Joaquim Alves na freguesia da Cachoeira do Carmo em 08/11/1867". Só que o Miguel é daqui da Freguesia de Dores da Boa Esperança. O documento está assinado arrogo por Celestino Terra, João Urbano dos Reis, Severino Ribeiro de Rezende, Jerônimo Ferreira Pinto Vieira.
de Junior:
Vou contar um segredo prá esse pessoal que navega fora de Cachoeira e que nunca esteve aqui. Voces não imaginam o quanto lindas são as filhas dos casais tipo a "sem preconceitos". Ver prá crer.
de leonor rizzi:
Saudamos o Teu Ser Interno! Você nem imigina o quanto nos ajudou. Muita gratidão por tudo, especialmente por existir. Poderemos avaliar o quanto você foi vítima de preconceitos, numa sociedade como a constituida no regime colonial. O primeiro por ser mulher, a seguir por ser negra e um terceiro, se vier a constatar,por ser filha natural. Que a Luz preencha o Teu Ser e ilumine a Tua Vida Interior e Perene, teu caminho evolutivo e tua alma eterna.Amor e Luz.Em união na fraternidade universal.
de pela dignidade da raça:
Sertão... ... ... Sertanejos ... .. ideologias.....Um pouco de história dos velhos tempos.Vejam Estudos Afro-Asiásticos. Tema? Sertanejos e Pessoas Republicanas Livres de Cor (...). 1801-1835. Autor? Carlos A. M. Lima.

Comentários

Anônimo disse…
Águida, mais os "Pereira de Carvalho". De dona Águida não vi nada, mais de "Pereira de Carvalho" tenho alguma notícia porque tento juntar papéis para minha árvore genealógica. Aqui em Boa Esperança morou JOSÉ PROCÓPIO DE ABREU CARVALHO.Ele foi advogado e procurador de LANDISLAU JOSÉ NAVES e sua mulher, na compra e venda de parte de terras na FAZENDA DAS ABELHAS, no districto do CARMO DA CACHOEIRA. Coletoria de Bôa Esperança, em 12 de maio de 1888. O comprador foi JOÃO ANTONIO NAVES. Landislau José Naves era curador da mentecapta Maria, e obteve licença para vender uma sorte de terras no lugar acima citado. O escrivão de ORPHÃO, FRANCISCO JULIO DA VEIGA.
Anônimo disse…
"Compra e venda que faz LADISLAU JOSÉ NAVES, por seu procurador, advogado José Procópio Abreu Carvalho, residente em Dores da Boa Esperança. Comprador JOÃO ANTONIO NAVES. Testemunhas: Altino Alves do Espírito Santo e Antonio Dias Pereira de Oliveira. Eu, Candido Hemenegildo da Silva Rodarte, tabelião". A compra foi de parte de terras na FAZENDA DAS ABELHAS, no Districto do Carmo da Caachoeira- MG.
Anônimo disse…
Escriptura de compra e venda que faz JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO em 02/06/1888. Outorgante, residente no município de DORES DA BOA ESPERANÇA por seu procurador Procópio de Abreu Carvalho e de outra parte outorgado JOÃO VILLELA FIALHO, residente na FAZENDA BÔA VISTA, cito neste termo, na freguesia do Carmo da Cachoeira, Município de Lavras. "JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO (...) que é senhor e possuidor entre outros bens que possue a FAZENDA BÔA VISTA. Também possuidor de terras na freguesia de Congonhas. José Pereira de Carvalho tutor nato de seus filhos, por morte de sua senhora ANNA UMBELINA VILLELA DE CARVALHO, ficou o espólio onerado com uma execução em a fazenda que foi descripta no inventário com esses onus e havendo sido esse imóvel adjucado a JOÃO VILLELA FIALHO (...)
Anônimo disse…
"Primeiro traslado. Procuração que fazem Capitam MANOEL IGNÁCIO DE ANDRADE e JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO aos advogados JÚLIO OLINTO e FRANCISCO DA SILVA CAMPOS (...).Em 10/12/1887, FREGUESIA DE CONGONHAS, Termo de Boa Esperança, Comarca de Três Pontas, em Fazenda do ITACY, onde eu DOMINGOS JOSÉ PEREIRA, ESCRIVÃO DE PAZ E TABELIÃO DE NOTAS fui vindo comparecerão como outhorgantes Capitam Manoel Ignácio de Andrade e JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO moradores ambos neste freguesi de CONGONHAS (...) nomeia procuradores na Cidade de BOA ESPERANÇA e no SAPUCAHY os advogados FRANCISCO SILVA CAMPOS e JULIO OLINTO para liquidar uma execução que contra elles outorgantes move João Villela Fialho. Testemunhas:José Henrique Vianna e Antonio Pinto Magalhães. OBSERVAÇÃO l: ANTONIO GULARTE DE ANDRADE ASSINA ARROGO DE SEU PAI, MANOEL IGNÁCIO DE ANDRADE. OBSERVAÇÃO 2: Consta o seguinte dado, "Ilmo. Snr. Colletor das vendas gerais e (indecifrável), digo provinciaes".Dores N Colletoria das Dores, maio de 1888. O escrivão passou a certidão, Boa Esperança, 10 de maio de 1888. Ramos. João Vilella Fialho (...) suas divisas repartições passar certidão(...) a theor dos talões que o Supperintendente pagou os direitos da compra que fez de uma parte da fazenda da BOA VISTA de JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO, isto por terem sumido os talões que foram tirados pela Superintendência e entregue ao Primeiro Tabelião, hora falecido. P a V.S.(assim definir. Segue certidão. Colector FRANCISCO DA COSTA RAMOS. Escritura de venda que faz JOSÉ PEREIRA DE CARVALHO (...) FAZENDA BOA VISTA, em Carmo da Cachoeira. Testemunhas: Alvaro Dias Pereira de Oliveira e Domingos José Teixeira de Carvalho e José Procópio de Abreu Carvalho.
Anônimo disse…
Em 03/07/1888, tendo como testemunhas Alvaro Dias Pereira de Oliveira e Joaquim Garcia Fonseca, a outorgante Marianna Alves de Gouvêa vende a João Alves de Gouveia a Fazenda Formiga, DISTRICTO DA BOA VISTA, da freguesia do Carmo da Cachoeira, Lavras, Minas Gerais.

Postagens mais visitadas deste blog

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Rostos na multidão na antiga Carmo da Cachoeira

Se você deseja compreender completamente a história (...), analise cuidadosamente os retratos. Há sempre no rosto das pessoas alguma coisa de história da sua época a ser lida, se soubermos como ler. — Giovanni Morelli Cônego Manoel Francisco Maciel presente a cerimônia ao lado da Igreja da Matriz