Pular para o conteúdo principal

Um tricordiano entre nós.

É com inigualável satisfação que apresentamos mais um ilustrre colaborador deste blog:

José Keitel Ribeiro nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no Hospital da Cruz Vermelha Brasileira, em 04/09/40. Filho de João Ribeiro do Nascimento e de Cidalina Barros do Nascimento. Pai de duas filhas e vovô três vezes. É membro efetivo da Academia Tricordiana de Letras e Artes, Cadeira Nº 19, tendo sido seu tesoureiro em 1997, presidente no biênio 1998/1999, reeleito para os biênios 2000/2001 e 2002/2003 e presidente, após o registro oficial da academia, lugar que ocupa até a presente data. É Sócio Honorário da Academia Paraguaçuense de Letras, Membro Correspondente da Academia Cachoeirense de Letras, membro do Fórum Intermunicipal de Cultura do Sul de Minas, e titular do Clube dos Escritores Piracicaba, Cadeira Número 66, como Decano do Conselho, na Área de Letras. Representa o Clube como Delegado Regional, em Três Corações.

Desde muito jovem, criança ainda, trilhou os caminhos do trabalho autônomo, em dezenas de frentes. Após o Serviço Militar, onde atuou como Cabo Apontador, foi bancário, ingressando, a seguir, através de concurso público, na indústria petroquímica, onde trabalhou durante vinte e quatro anos, em áreas insalubres e periculosas. Aposentou-se pela Petroflex Indústria e Comércio.

Começou a escrever suas composições com quase três décadas de vida e possui um acervo de mais de mil contos e crônicas, mais de mil e quinhentas trovas e cerca de três mil poesias.

Em 1999, recebeu o Troféu Mariangela Calil, ofertado pela Academia Varginhense de Letras, Artes e Ciências, pela classificação de três obras no Concurso Nacional Brasil em Prosa e Verso. Publicou trabalhos em periódicos da Faculdade Silva e Souza, no Rio de Janeiro, na Revista Via TC, no Jornal Tribuna de Três Corações, no Jornal Folha do Povo e no Jornal Três, em Três Corações.

Colaborador efetivo do Jornal do Sul de Minas, publicou tópicos do livro “Eu, Moleque” e, nos últimos anos, mais de mil crônicas, contos e poesias.

Participou da Feira do Livro da EsSA – Escola de Sargentos das Armas, de Três Corações —, nos anos 1999, 2000, 2001 e 2002, e da Feira do Livro de Três Corações, nos anos 1999, 2000, 2001, 2004, 2005 e 2006.

No dia 23 de setembro de 2005, recebeu o Título de Cidadania Honorária da Cidade de Três Corações, concedido pela Câmara Municipal de Três Corações, face aos relevantes serviços prestados ao Município.

Vive hoje em Três Corações, terra que o acolheu com insólito amor. Considera-se Tricordiano de corpo, credo e sentimento.

e-mail : delkeid@yahoo.com.br

Comentários

Anônimo disse…
Vejam, página de Sueli Teixeira em "Diga lá Coração",com o título PIPAS, poesia de autoria de José Keitel Ribeiro em satei.vilabol.uol.com.br/poetamigos_23.htm
Anônimo disse…
Não só a sociedade civil organizada em movimentos culturais, também a Câmara Municipal de Três Corações reconhece o trabalho do autor. Não precisa nem sair de casa para conferir. É só ir para a página da Câmara, e para facilitar nós, como amigos do Keitel facilitamos:
www.camaratc.mg.gov.br/atas/Extraordinarias2005/AtaE0202005.htm
Anônimo disse…
Ora bolas, meu colega deu informação incompleta. Tem outra reunião da Câmara. Vejam
www.camaratc.mg.gov.br/atas/ordinarias2005/Ata0292005.html -13k
Perdoe amigão, pelo "incompleta" e, obrigado por ter deixado este gancho. Foi aí a minha oportunidade de falar. Tchau. Parabéns Keitel por mais este serviço altruista e voluntário.
Anônimo disse…
Conheço o Keitel por sua participação em um dos órgãos da Prefeitura de Três Corações. Ele é Presidente do Conselho do Patrimônio Histórico e Cultural da cidade, esse órgão é um lado, dentre os 3 que compõem a Academia Tricordiana de Artes e Letras da Cidade. Através desta comunicação quero parabanezar o José Keitel e ao Projeto Partilha. Aqui meu atestado:grande poeta que é José Keitel Ribeiro e o quanto ele tem se dedicado a causa da Cultura em Três Corações - MG
Anônimo disse…
Lembro-me do Keitel. Participou do "Festival Nossa Arte" aqui. Foi durante um dos eventos da programação de aniversário da cidade. Aproveitamos para enriquecer nossa programação de natal, no ano de 2006. O que estou achando interessante é que aqui ele participou com a obra "PARTILHA', que obteve o terceiro lugar, entre tantos inscritos. Agora vejo-o no "Projeto Partilha" da igreja de Carmo da Cachoeira-MG. Aqui é Itatiba, e fica no Estado de S.P.
Anônimo disse…
Acabo de ler o comentário do Itatibense sobre o José Keitel Ribeiro. Sobre o assunto, e se alguém quiser se aprofundar mais veja:http://www.itatiba.sp.gov.br/imprensaoficial/noticias/descricao/2961
Meu intuito é ajudar o cachoeirense a resconstruir sua história. Acompanho o processo de uma reconstrução coletiva. Não havia visto esta modalidade antes. Todo mundo pega junto. Parabéns Pe. André e ao TS Bovaris.
Anônimo disse…
rrrrrssssss Temos gente grande na arte em nosso pequeno pedaço de chão.
Anônimo disse…
Falou em Itatiba, ESTAMOS PLUGADOS. Aproveitando a deixa, já que fomos citados, informamos de uma publicação. Veja em texto de Rogério Nunes e com o título:"Premiação do V Festival Nossa Arte", a presença do escritor José Keitel Ribeiro.Ele foi um dos premiados. Ficamos agradecidos pela citação de Itatiba no blog do "Projeto Partilha" do Pe. André. TS Bovaris você é fora de série.
Anônimo disse…
Como itatibense que sou posso dizer o quanto a criança daqui é bem acompanhada pelo poder público. Todos aí devem conhecer a FUNDAÇÃO ABRINQ e o quanto ela luta pelos direitos da criança. Uma das formas é o incentivo através de premiações àqueles que investem nos futuros cidadãos, ou naqueles que se investem em políticas sociais não paternalistas, que só servem para empobrecer a população. Aqui, o prefeito recebeu o SELO PREFEITO AMIGO DA CRIANÇA, por seus investimentos no atendimento a criança e ao adolescente.
Licínio Filho disse…
Olá,
parabéns pelo blog.
Eu também mantenho um blog sobre a cidade onde resido, tendo um tempo nos visite.
http://daquidepitangui.blogspot.com/

Abraço.
Blog Dri Viaro disse…
Oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar bom fds.
bjss

aguardo sua visita :)

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948