Pular para o conteúdo principal

Mais que um colaborador, um mestre.


Pois bem, Jorge Vilela, conhecido de todos os cachoeirenses terá espaço no blogspot para assuntos de fundo cultural, do qual é um profundo conhecedor pela busca empreendida durante os últimos 20 anos.

Jorge Fernando Vilela é arquiteto, natural de Carmo da Cachoeira, diplomado pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais em 1971.Fez parte da equipe técnica da Fundação João Pinheiro na elaboração do Plano de Desenvolvimento Econômico e Social da Região Metropolitana de Belo Horizonte em 1975 e integrou a equipe técnica do PLAMBEL, coordenando a elaboração do Plano de Uso e Ocupação do Solo da Aglomeração Metropolitana e da primeira Lei de uso e Ocupação e Belo Horizonte, entre 1975 e 1976. Foi Diretor do Departamento de Edificações da Secretaria Municipal de Obras da Prefeitura de Belo Horizonte de 1976 a 1983, onde foi responsável pela implantação e operacionalização da Lei de Uso e Ocupação do Solo no município. Foi Diretor de Técnico e de Planejamento do PLAMBEL, onde dirigiu os trabalhos de revisão do Planejamento Metropolitano de 1984 a 1987. Foi Secretário Municipal de Atividades Urbanas da Prefeitura de Belo Horizonte de 1990 a 1992 e, atualmente, é diretor do Instituto Horizontes, organização da sociedade civil que se dedica ao desenvolvimento do Planejamento Estratégico da Grande Belo Horizonte. Possui vários trabalhos publicados pelo Instituto Horizontes e em jornais e revistas especializadas, sobre Planejamento Estratégico e sua aplicação nas áreas urbanas e metropolitanas.

Paralelo à sua atividade profissional e à administração de sua fazenda em Carmo da Cachoeira, onde produz café e cria cavalos da raça Mangalarga Marchador, ele vem desenvolvendo, há vários anos, um trabalho de pesquisa histórica, abrangendo todo o território compreendido entre os rios Grande, Verde e Sapucaí. O projeto de pesquisa que tem por objetivo “fazer falar fontes silenciosas e arredias”, está em fase de conclusão e será consolidado em um livro que já tem título: “O Sertão do Campo Velho”. Jorge Vilela, conhecido de todos os cachoeirenses, terá espaço no blogspot para assuntos culturais relacionados à Carmo da Cachoeira, do qual ele tem muito conhecimento, em face das buscas que vem realizando há mais de vinte anos em arquivos diversos, resgatando documentos históricos, referentes principalmente ao território do município de Carmo da Cachoeira e, especificamente, ao quilombo do Gundú, povoado formado por escravos fugidos, brancos pobres e negros forros que, segundo ele, foi o núcleo inicial, o embrião da cidade de Carmo da Cachoeira.

Comentários

Anônimo disse…
Carmo da Cachoeira está em festa. A grande festa Cultural. Parabéns TSBovaris pelo seu trabalho. Parabéns Jorge Vilela, que atento a tudo o que ocorre em sua terra natal, não deixou passar despercebido mais um espaço de comunicação aberto - blogspot.
Aguardamos carinhosamente suas histórias, que são nossas histórias. Êxito em sua empreitada.
Anônimo disse…
Jorge Vilela. Uau. É um poço de sabedoria.
Anônimo disse…
Rsss. Parabéns a todos.
Anônimo disse…
O que? E não há de ver que o Jorge pôs no papel tudo, tudinho. Ipe, ipe, hurra. Parabéns.
Anônimo disse…
Parabéns a Carmo da Cachoeira. Será um grande avanço do ponto de vista Cultural esta presença. Aproveito para chamar a atenção para a abrangência deste blog. Vejam o mapa de controle dos acessos abaixo. Atingiu-se EEUU e Europa. Mostra a seriedade do TS Bovaris. Parabéns a todos.
Anônimo disse…
Parabéns Carmo da Cachoeira. Realmente a chamada do Figueiredo procede. Não moro em Cachoeira. Já morei e tenho parentes aí, no entanto, me pergunto: o que atraí tanto neste blog que pessoas tão distantes o visitam? Deve haver alguma peculariedade na cidade que muitos desconhecem. Tenho acompanhado os mapas de outros blogs e percebo que este ganha longe.
Anônimo disse…
Jorge Vilela. Parabéns. Vamos beber cada palavra que você escrever e com muita avidez. Sabemos de sua persistente luta nessa busca. Carmo da Cachoeira esperou calada durante anos a volta de outro filho que, a semelhança de Pe. Godinho, valorizasse sua terra. Conte com nosso apoio.
Anônimo disse…
Oi, Raty. É sim, a grande festa de elevação cultural. Presença marcadamente séria a de Jorge Vilela, de todos nós. Aguardamos os flash de seu trabalho, que pelo que o conheço será de uma riqueza incalculável.
Anônimo disse…
Olá,TS Bovaris. Uma sugestão, aceita? Ao entrar fiz minha votação. Sou vistiante. Nem moro aí, no entanto senti-me um pouco incomodado com o termo colocado junto do "visitante"- "Curioso".Ele tem pouco a ver com a seriedade deste blog. Parabéns pela relevância e consistência de seu conteúdo. Parabéns a paróquia que num trabalho de vulto, desbravou. Pe. André, que Deus continue o iluminando, e que sua humildade seja irradiada aos habitantes daí.
Anônimo disse…
Figueiredo, Roiz, vou colocar minha colher aí. Moro no Sul do Brasil. Estou lendo uma obra publicada aí em Carmo da Cachoeira. Se tem editora, tem abrangência, concorda. É o século XXI, era da Comunicação.
Anônimo disse…
Era da Comunicação e globalização das informações. Sintoniza aí, pessoal. Ou sintoniza ou perde o bonde da história.
Parabéns Jorge Vilela. Parabéns Pe. André. Parabéns TS Bovaris.
Anônimo disse…
Que bom poder contar com pessoas de peso. Vou fazer mais pesquisa neste blog e divulgá-lo. Será certamente guia de muitos trabalhos acadêmicos. Parabéns TS Bovaris.
Anônimo disse…
Fala-se em conhecer o blog por cartazes. Daria para enviar alguns para a Universidade Federal de Lavras - Centro irradiador da Cutura de Minas e próximo a Carmo da Cachoeira?
Anônimo disse…
"Sertão do Campo Velho" Vou memorizar.
Anônimo disse…
Aqui. Quer dizer que aqueles pontinhos do mapa mostram quem está vendo esta página? Pô. Bem que meu avô falava que um dia o pessoal ia saber o que a gente estava fazendo dentro de casa.
Anônimo disse…
Jorge faz parte de uma sociedade de organização civil, portanto uma ONG. É a sociedade cumprindo seu papel. Parabéns, Jorge, padre André e TS Bovaris. Ninguém de orgão público. Estes contam a história desvinculada de qualquer outro compromisso que não o da verdade histórica. Ai os documentos ganham voz e vez. O resto é demagogia.
Anônimo disse…
Jorge, profissional para ninguém botar defeito. Parabéns por usar o blog na divulgação. Isso mostra seu lado despreendido e seu amor pela sua terra natal. Um projeto como o seu, deve ter custado uma nota, e você vai passar de graça. Muito, muito obrigado. Que bom que você descobriu a nossa cidade - a virtual.
Anônimo disse…
Conheço esses olhinhos. Te carreguei no colo menino. Parabéns.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende

Tendo como berço Carmo da Cachoeira, Maria Antonietta Rezende , nasceu a 9 de outubro de 1934 no seio de uma das mais tradicionais famílias do município – a Família Rezende . A professora Maria Antonietta deixou seu legado, o “modelo de compromisso e envolvimento com a terra em que nasceu” . Trabalhou consciências, procurando desenvolvê-las, elevá-las. Fazia isto com seus alunos, com os componentes dos grupos musicais que coordenava, com as crianças ligadas à Igreja, enfim, com toda população. Foi um exemplo vivo de “compromisso com a tradição” e um elo da longa corrente que chegou até nós neste ano comemorativo. Fez sua parte. Nós fazemos a nossa – manter a tradição. No dia-a-dia deixou o exemplo de vida e através de publicações, sua visão de mundo. Editou “Evocações daqui e de além” , “Encontro e desencontros” e “Coletânea de hinos litúrgicos” . Dedicou sua vida ao estudo, à educação e à sua Igreja, como catequista, cantora e liturgista. Patrick A. Carvalho, ao prefaciar sua obra “

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Hino do Centenário de Carmo da Cachoeira

letra: Haroldo Ambrósio Caldeira música: Álvaro Arcanjo Athaíde interpretação: Glória Caldeira teclado: Teresa Maciel do Nascimento estúdio de som: João Paulo Alves Costa - DjeCia edição de vídeo: Rícard Wagner Rizzi Letra do Hino do Centenário Cem anos de existência bem vivido Cantemos este hino de alegria Saudando essa data memorável do nosso centenário nesse dia. Cachoeira, Carmo da Cachoeira, Berço de um povo acolhedor Ergue hoje um pavilhão Rendendo Graças ao Senhor.

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Corpus Christi em Carmo da Cachoeira 2022

 A Comunidade São Pedro de Rates na Solenidade de Corpus Chisti Celebrando Corpus Christi a Comunidade São Pedro de Rates participou da confecção dos tapetes coloridos nas ruas de Carmo da Cachoeira para a passagem de Jesus Eucarístico pela procissão de Corpus Christi juntamente com toda a Paróquia Nossa Senhora do Carmo. Figuras da Sagrada Eucaristia, Divino Espírito Santo, do Cálice da Ceia e demais motivos eucarísticos embelezam as vias graças aos voluntários das diversas comunidades urbanas e rurais da Paróquia Nossa Senhora do Carmo na Diocese da Campanha em Minas Gerais. Celebrando a festa de Jesus presente na Eucaristia, sobretudo fazendo memória à Quinta-Feira Santa e o início da Eucaristia, no Pão e no Vinho, este dia nos remete uma verdadeira gratidão que nós cristãos devemos ter pelo grande mistério da morte e ressurreição de Cristo, Nosso Senhor. Ao desenhar símbolos religiosos nas ruas cachoeirenses, o povo se une em torno da arte e fé.  Simbolicamente retira a intermediaç