Pular para o conteúdo principal

Recital de piano e canto.

Apresentação: piano - Francis Vilela
mezzo-sopranos: Maisa Nascimento e Larissa Amaral.

A HARMONIA EM CACHOEIRA - 1ª edição, 2007
A chave do mistério cósmico está na música. É ela que faz a alma ressoar em harmonia.” 1

Indescritível o que a sociedade cachoeirense vivenciou neste final de ano. Ocorreu no dia 17 a 1ª edição de Recital de piano e canto, tendo como palco a Igreja Nossa Senhora do Carmo, em Carmo da Cachoeira.
O evento reportou-nos a Johannes Kepler, aquele cientista que buscou a harmonia do mundo nos céus, como recurso para superar as dificuldades da terra. O cachoeirense, durante 60 minutos, viveu esta harmonia na terra. Francis, Maisa e Larissa serviram de canal para esta manifestação. Francis, com o dom de buscar pelo toque o som. Maísa e Larissa, dotadas de cordas vocais divinas, através das quais podem fazer emergir a beleza que reside no mais profundo de seus seres. Impressionante foi observar a platéia. Silêncio total, Ninguém ousava quebrar aquela harmonia, nem mesmo as crianças presentes. Foi a demonstração de que a música, como arte, fala à alma, e os corpos a ela se submetem. E o que dizer das duas andorinhas que pararam para ver e ouvir o espetáculo? Toca aos mais insensíveis o filme, gravado ao vivo pela câmera de Evandro. Junto da cruz, no alto do altar, as duas presenças. Sentadinhas, ouviam a sonoridade do ambiente e vivenciavam sua Paz.
Ao terminar, muitos comentários vindos da platéia e perguntas que ficavam no ar: “Por que acabou?”; “Por que um espetáculo só de uma hora?”.
No fundo, as perguntas refletem o desconforto em sair de um estado de harmonia e ter que voltar às atividades do dia-a-dia, onde estão instaladas, algumas vezes, as zonas de conflito. Seria como haver dificuldade em se entender o “porque” da existência de outros momentos que não os de Paz. E o ”porque” da presença simultânea da harmonia e desarmonia.
O que se passa na realidade é que a humanidade deve avançar sempre, queiram ou não alguns. O avanço é para se chegar à Casa do Pai (João 14,1-14) a viagem é a do retorno do Filho Pródigo (Lucas 15,11-32). A lei que norteia o processo é o equilíbrio entre os opostos. A desarmonia, presente na destruição, no desequilíbrio e na imperfeição, gera tensão.

É a tensão entre harmonia e imperfeição que gera a criatividade do mundo natural, das formas mais simples, àquelas mais complexas”. 2

O homem, durante o percurso de sua existência, encontra nestes momentos de tensão, oportunidade para trabalhar e exercitar valores imateriais, internos. Estes são os que realmente contam, e só eles poderão ser levados após a morte do corpo físico. A alegria, o amor ao próximo, a mansidão, a humildade, a paz, a benevolência, o perdão, a compreensão, o altruísmo, entre outros, são atributos perenes e que deverão ser adquiridos pela consciência. Eles constam da lista de conquistas expedidas pelo Criador.
A ciência e a religião trabalham este aspecto dual: harmonia-desarmonia. A primeira busca provar e vem como impulsionadora de avanços. Junto dela aglutinam-se aqueles que pretendem explicar os motivos, os “por ques”; a segunda tem certeza e os fiéis acreditam porque têm fé. Um autor desconhecido traça o seguinte paralelo:

A ciência é análise espectral. A arte é síntese luminosa.

Cientistas, aqueles dentre os homens que se propuseram a atuar num campo questionador da realidade, estiveram presentes deste muito cedo nesta humanidade e, muitas vezes foram perseguidos. Pagaram altos preços pelo exercício deste pioneirismo. O cientista brasileiro, morando hoje nos Estados Unidos, Marcelo Gleiser, na abertura de um curso por ele administrado no ano de 2007, abordou como tema somrium (sonho, na tradução do latim), abordagem baseada no primeiro conto de ficção científica da história. Referia-se a Johannes Kepler (1571-1630) que deixou registros de seus ensaios seguidos de comentários sobre as dificultades enfrentadas, já nos idos anos do século XVII.
No ano do sesquicentenário da freguesia de Nossa Senhora do Carmo, todo evento comemorativo leva-nos a buscar um referencial mais amplo do momento histórico, a fim de entendermos melhor o que acontecia por estas paragens. Em 1686, Newton já mostra que as órbitas dos planetas em torno do Sol, são como “queda livre”, evento este que antecedeu em muito Einstein, com sua teoria da relatividade, em 1905.

Ao falar do cientista brasileiro a que já nos referimos, o roteirista de Trindade de Fogo, David Glass, faz a seguinte observação: “(...) os colonizadores que querem destruir tudo como os europeus ao invadir as Américas e a África”.
O programa do recital de piano e canto, que aconteceu na noite do dia 17, refletiu o percurso transcorrido pelos compositores, também neste recorte histórico. Iniciou-se como poderemos observar no programa com Scarlatti (1685-1757). O pianista Francis nos levou, além da viagem pelo som, a outra, a do conhecimento sobre o histórico das interpretações.
Evento marco – da brisa suave que paira sobre o município de Carmo de Cachoeira – foi o tema de abertura: Prelúdio para órgão em Sol menor de Johann Sebastian Bach (Siloti) (1685-1750)

Enquanto o mundo segue afundando nas tenebrosas águas da intolerância, busco com energia redobrada as verdades que Deus imprimiu nos céus, verdades imunes à estupidez humana. Busco a harmonia secreta que controla tudo o que existe no Cosmo. Harmonia!”.
(Harmonia do mundo, A. Marcelo Gleiser. Referência a 15 de fevereiro de 1599)


1 e 2 - ÉPOCA. Revista Semanal de Informação, número 429. 7 de ago/2006. Artigo: O Senhor do Universo, o cientista brasileiro, Marcelo Gleiser. Editora Globo S/A. São Paulo, S.P. Gráficas: Plural Gráfica e Editora Ltda, p.p.78 a 89.

Comentários

Anônimo disse…
Comentário de um anônimo.
Os ideais, preconizados pela educação formal em Cachoeira para 2008, são os de EDUCAR PARA A SOLIDADRIEDADE, COMPARTILHAMENTO, RESPEITO. Insere-se, portanto, na brisa dos novos ares que pairam sobre o Município. O ano do sesquicentenário trouxe graças, bençãos em profusão.
Anônimo disse…
Esta turminha é de mais!@!
Anônimo disse…
Legal, legalíssimo.Peço bis.
Anônimo disse…
Cachoeira? ora bolassssss...ssss...
Parabénsssssss
Anônimo disse…
Quando vai acontecer a segunda edição? O pessoal vai divulgar?
Anônimo disse…
Oi pessoal!
O próximo recital está programado pro fim de Janeiro. Ainda não temos a data definida, porém assim q tivermos, divulgarem. Provavelmente um dos meios que utilizaremos para a divulgação será este blog.

Bjs e obrigada pelo comentário de todos!
Bom ano novo!!
Anônimo disse…
Um texto culto. Lindo, lindo.
Anônimo disse…
Obrigado Larissa. Este eu não vou perder. Dá também para anunciar na rádio local? Aí tem emissóra de rádio? Tem jornal, Larissa.
Anônimo disse…
Aqui não tem um jornal local...somente alguns de outras cidades q circulam por aqui. Mas temos a rádio sim...tentaremos divulgar por esse veículo.
Anônimo disse…
Vi este pessoal no jornal Cidades em Foco. Parabéns ao povo de Cachoeira. Pena que não fiquei sabendo. Se soubesse, não perdiria por nada desse mundo.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Cronológica 10 - Carmo da Cachoeira

Tabela 10 - de 1800 até o Reino Unido - 1815 - Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - 1815 ü 30/Jan – capitão Manuel de Jesus Pereira foi nomeado comandante da Cia. de Ordenanças da ermida de Campo Lindo; e ü instalada a vila de Jacuí . 1816 1816-1826 – Reinado de Dom João VI – após a Independência em 1822, D. João VI assumiu a qualidade e dignidade de imperador titular do Brasil de jure , abdicando simultaneamente dessa coroa para seu filho Dom Pedro I . ü Miguel Antônio Rates disse que pretendia se mudar para a paragem do Mandu . 1817 17/Dez – Antônio Dias de Gouveia deixou viúva Ana Teresa de Jesus . A família foi convocada por peritos para a divisão dos bens, feita e assinada na paragem da Ponte Falsa . 1818 ü Fazendeiros sul-mineiros requereram a licença para implementação da “ Estrada do Picu ”, atravessando a serra da Mantiqueira e encontrando-se com a que vinha da Província de São Paulo pelo vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, na alt

As três ilhoas de José Guimarães

Fazenda do Paraíso de Francisco Garcia de Figueiredo Francisco Garcia de Figueiredo é citado como um dos condôminos / herdeiros da tradicional família formada por Manuel Gonçalves Corrêa (o Burgão) e Maria Nunes. Linhagistas conspícuos, como Ary Florenzano, Mons. José Patrocínio Lefort, José Guimarães, Amélio Garcia de Miranda afirmam que as Famílias Figueiredo, Vilela, Andrade Reis, Junqueira existentes nesta região tem a sua ascendência mais remota neste casal, naturais da Freguesia de Nossa Senhora das Angústias, Vila de Horta, Ilha do Fayal, Arquipélago dos Açores, Bispado de Angra. Deixaram três filhos que, para o Brasil, por volta de 1723, imigraram. Eram as três célebres ILHOAS. Júlia Maria da Caridade era uma delas, nascida em 8.2.1707 e que foi casada com Diogo Garcia. Diogo Garcia deixou solene testamento assinado em 23.3.1762. Diz ele, entre tantas outras ordenações: E para darem empreendimento a tudo aqui declarado, torno a pedir a minha mulher Julia Maria da Caridade e mai

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

P edro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas , especialmente de Três Pontas . Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui , descendentes de Joaquina do Pompéu . P edro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas ¹ . Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro ² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça . Filhos do casal: - Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza; - Cônego Francisco da Silva Campos , ordenado em São Paulo , a 18.12. 1778 , foi um catequizador dos índios da Zona da Mata ; - Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09. 1759 ; - João Romeiro Furtado de Mendonça; - Joaquim da Silva Campos , Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos Anjos Filhos, segundo informações de familiares: - Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos , primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira , este nascido

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977. Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Biografia de Maria Antonietta de Rezende.

O prefeito municipal e a secretária de Educação, Cultura e Lazer, ao assinarem a apresentação da obra: “Atlas Escolar. Histórico e Geográfico do Município de Carmo da Cachoeira – MG. Edição 2007” declararam: “ Este Atlas permite às crianças descobrirem protagonistas de sua história. Conhecendo, passam contribuir para potencializar o que ela tem de bom, preservar seu patrimônio e símbolos do passado .” D entre os símbolos , o Hino da cidade. Escrito pela Professora Maria Antonietta , encontra-se em fase de oficialização. A tradição garante a manutenção desta criação. O povo canta , reconhece o hino de sua cidade, e atento acompanha o processo de sua oficialização. A administração pública e Câmara municipal apoiam a manutenção daquilo que foi consagrado pela tradição. Dois pontos fortes na letra do hino bastam para garantir sua oficialização. O primeiro é o que diz da religiosidade presente na população e que a cada dia se torna mais revelador da identidade e vocação de Carmo da

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Foto: Paulo Naves dos Reis Próxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas. Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

A família Faria no Sul de Minas Gerais.

Trecho da obra de Otávio J. Alvarenga : - TERRA DOS COQUEIROS (Reminiscências) - A família Faria tem aqui raiz mais afastada na pessoa do capitão Bento de Faria Neves , o velho. Era natural da Freguesia de São Miguel, termo de Bastos, do Arcebispado de Braga (Portugal). Filho de Antônio de Faria e de Maria da Mota. Casou-se com Ana Maria de Oliveira que era natural de São João del-Rei, e filha de Antônio Rodrigues do Prado e de Francisca Cordeiro de Lima. Levou esse casal à pia batismal, em Lavras , os seguintes filhos: - Maria Theresa de Faria, casada com José Ferreira de Brito; - Francisco José de Faria, a 21-9-1765; - Ana Jacinta de Faria, casada com Francisco Afonso da Rosa; - João de Faria, a 24-8-1767; - Amaro de Faria, a 24-6-1771; - Bento de Faria de Neves Júnior, a 27-3-1769; - Thereza Maria, casada com Francisco Pereira da Silva; e - Brígida, a 8-4-1776 (ou Brizida de Faria) (ou Brizida Angélica) , casada com Simão Martins Ferreira. B ento de Faria Neves Júnior , casou-se

A pedra de moinho da fazenda Caxambu.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. Próxima imagem: Ary Silva da família Dias de Oliveira - Bueno. Imagem anterior: Nuvens sobre a tradicional fazenda Caxambu.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

A jude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço " comentários " para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região. E sta foto foi nos enviada p or Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio). Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948