Redes Sociais: Portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização.



Um dos últimos escritos do Papa Bento XVI, antes de deixar a Cátedra de São Pedro, foi a mensagem para o 47º dia mundial das Comunicações Sociais, datada de 24 de janeiro de 2013. E brindou-nos, mais uma vez, com uma reflexão lúcida e clara a respeito das redes sociais e sua importância para a evangelização.

As chamadas “redes sociais” fazem parte da vida de grande parte das pessoas no mundo inteiro. Jovens e adultos, mas também crianças e idosos se servem das redes sociais para interagirem entre si, trocarem informações, se divertirem etc. Alguns especialistas dizem que já não é mais a televisão que dita a moda ou o comportamento, como no passado, mas as “redes”, tais como o facebook, o twitter etc., dada a influência que exercem sobre as pessoas.

O Papa emérito chama a atenção para o fato de que as redes sociais não são apenas instrumentos tecnológicos e já não podem mais ser consideradas “meios” de comunicação, mas que se constituem em verdadeiro “ambiente” para as pessoas que delas participam, “tornam-se cada vez mais parte do próprio tecido da sociedade” e “o ambiente digital não é um mundo paralelo ou puramente virtual, mas faz parte da realidade cotidiana de muitas pessoas, especialmente dos mais jovens”, afirma Bento XVI.

A atenção da Igreja se volta, então, para esta nova ágora (praça pública), “onde as pessoas partilham ideias, informações, opiniões e podem ganhar vida novas relações e formas de comunidade” (Bento XVI, DMC 2013), para também nas redes sociais anunciar e testemunhar Jesus Cristo e a verdade do Evangelho.

O dia mundial das Comunicações Sociais, celebrado a 12 de maio deste ano, teve como tema “Redes sociais: portais de verdade e de fé; novos espaços de evangelização” e quis ser um convite a que a Igreja que somos todos nós, pastores e fiéis, sejamos capazes de compreender este ambiente digital e sermos uma presença significativa nele.

Bento XVI nos convida a testemunharmos Jesus Cristo coerentemente nas redes sociais, mesmo quando não falamos explicitamente da nossa fé, ou seja, a maneira de dialogar, interagir, trocar experiências e conteúdos já mostra quem somos e é capaz de comunicar valores mesmo quando “se conversa e leva a sério aqueles que têm ideias diferentes das nossas” (Bento XVI, DMC 2013).

Por isso, a autenticidade e a verdade são as virtudes maiores daqueles que desejam comunicar a verdade de Jesus Cristo nas redes sociais, pois “as pessoas que nelas participam devem esforçar-se por ser autênticas, porque nesses espaços não se partilham apenas ideias e informações, mas em última instância a pessoa comunica a si mesma” (Bento XVI, DMC 2013).

É natural e muito saudável que quem possui a fé deseje compartilhá-la com aqueles que encontra na vida e, também, no ambiente digital que pode ser um espaço muito eficaz de evangelização, se equilibradamente valorizado. Mas, para isto, alerta o Papa emérito, é preciso não se deixar levar pelo sensacionalismo e pela popularidade – o que não raramente determinam a eficácia da comunicação – mas sim pela importância real e a validade do se quer comunicar.

Deixo o meu carinhoso abraço a todos os queridos paroquianos da Sagrada Família, bem como o desejo de que usem das redes sociais para anunciarem a Cristo e seu Evangelho.

Pe. Daniel Menezes Fernandes,
Pároco da Paróquia N. Sra. do Carmo, em Carmo da Cachoeira/MG.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.