Crônica de um jovem ancião de 75 anos.



Desabrochando qual um botão róseo, vem o jovem ancião ostentando seus 75 anos de existência, contando-nos sua longa história e fazendo-nos pensar, quantas vezes dentro período ele viu raiar dos dias que fielmente vêm contribuindo para esta contagem.

─ Não estou cansado!

Jamais me passou pela mente, a mais vulgar ideia de morte. Sou otimista. Meu desejo, é expandir-me como toda fidelidade e confiança no mundo cristão e vocacional. A velhice, não se apodera de mim, pois estou sempre atualizado.

Dificuldades, sei que não se ausentarão de mim, pois são elas que garantem minha estabilidade, além da base formada por espiritualidade. Serei sempre o mesmo, mas com fisionomia diferente em determinadas épocas, pois seguirei a evolução dos tempos. Odeio a bitolação e o comodismo. Aprecio o dinamismo e a criatividade. Sou tremendamente defeituoso, porém, serão vocês, os meus corretores, se bem que meus erros provêm de vocês.

Voltemos um pouco atrás. Lembro-me com saudades de minha fundação, feita pelo Revmo. Padre Valentin Von Riedel, a 3 de outubro de 1898, o qual “regou com lágrimas de sangue esta semente que por isso cresceu e frutificou cem por um”.

Recordo dos cinco dos meus cinco juvenistas primordiais num chalé da Rua Oliveira Braga,depois o Hotel Arlindo, onde é hoje o Hotel Recreio. Lembro-me da Pedrinha, ao pé da Serra da Mantiqueira, onde envolvidos na imensidão do silêncio, gorjeio dos pássaros e respirando ar puro das colinas, meus juvenistas se desenvolviam espiritual e intelectualmente.

Depois, o Colegião, onde fiquei até 1952, quando mudei definitivamente para este prédio onde estou, construído especialmente para o meu funcionamento.

Como vocês sabem, conto hoje com 75 anos de idade e com mais vigor do que nunca. Com minhas transações, quero dizer-vos, que o homem não é estático enquanto vive sobre a terra. Os 160 rapazes que aqui estudam, neste ano do meu jubileu de diamante, estão aprendendo tudo sobre a minha vida. Eles estão adorando!

Sabem o que eles fazem? Eles pesquisam nos arquivos, nos livros de crônicas, entrevistam os padres mais antigos e com esta inspiração, fazem festas, peças teatrais, murais, escrevem poesias, poemas e compõem músicas. Estão também, realizando um torneio entre si, cujas modalidades esportivas, são: futebol, salão, bola ao cesto, Volei-bal, tênis de mesa, bilhar, xadrez e atletismo. O meu diretor, para estas competições, dividiu os seminaristas em equipes de 19 a 20 elementos. Eles estão entusiasmados. A data máxima será dia 3 de outubro próximo, ocasião em que os vencedores receberão seus prêmios e também, por ser aniversário de minha fundação.

Se for da vontade de Deus e tudo der certo, pretendo ainda formar milhões de Sacerdotes Redentoristas.

Baltazar Custódio Alves
Outubro /1973

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.