As Contradições do Mundo e a missão dos batizados.



O Espírito Santo foi enviado por Jesus Cristo para completar a revelação e, é esse mesmo Espírito que nos comunica a glória que, no Filho de Deus, transborda. Ele dá testemunho daquele que foi enviado pelo Pai para salvar a humanidade.

Os cristãos são convocados para anunciar Jesus Cristo ao mundo, tendo sempre o suporte do Espírito Santo. “Eis que eu estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo”. (Mt.28,20)

A ação de cada um é recheada da Palavra de Deus, de ações que afirmam aos homens o dom do amor misericordioso de um Deus que liberta. Tais atos são e devem ser a irradiação da fé.

Diante de tudo isso podemos questionar: as pessoas que estão em nosso entorno percebem os sinais de Deus em nosso olhar, nas palavras que soam de nossa boca, em nossas ações e nossos gestos?

É uma grande responsabilidade dos batizados, em especial daqueles que são cônscios da sua missão, viver de tal forma que Jesus Cristo Ressuscitado possa ser revelado ao mundo através de tudo o que somos.

Afinal, o Reino de Deus está ou não está no meio de nós?

Existem pessoas que enxergam uma Igreja toda prontinha e pessoas que a veem em construção. Alguns acreditam na força dos homens e outros acreditam na força de Deus.

Quem acredita numa Igreja toda prontinha, acabada, perfeita e santa está em crise.

A Igreja está se fazendo, é uma longa história, um processo, é um reviver Jesus Cristo, aliás, tudo acontece a partir d’Ele. A unidade e a santidade estão em construção.

O cristão só vive Jesus Cristo a partir do momento em que, debruçado sobre Ele, descobre as riquezas contidas na sua pessoa, com suas duas naturezas: a humana e a divina.

A Igreja, formada por todos os batizados, tem a missão, de a cada instante, reconstruir o homem e o mundo. Por isso, todos aqueles que, estão apegados a uma Igreja toda feita, não estão seguros da força de Deus, tendo mais fé nas conquistas humanas.

Há muito que se construir, há muito que ser renovado. Existem corações a serem trabalhados para que haja a realização plena do Reino de Deus.

Se os cristãos tentarem viver o Evangelho em sua plenitude, o mundo os perseguirá e os matará. Serão expulsos das igrejas, condenados pelos tribunais, denunciados pela mídia caótica e interesseira, tratados como malfeitores, açoitados e colocados num madeiro, assim como foi o Filho de Deus feito homem. Viver o Evangelho é uma missão arriscada. É impossível vivê-lo sem que as contradições do mundo não sejam denunciadas .

Viver o Evangelho é uma ruptura contra o comodismo, contra o espírito de conservação, contra toda forma de injustiça, contra tudo o que paralisa as forças humanas.

Viver o Evangelho é amadurecer-se continuamente, num crescimento tal que, em tempos oportunos, saiba dar e gastar a vida em proveito do próximo e da Igreja.

“Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois, quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, vai salvá-la.” (Mc. 8,34-35).

A vida do cristão adulto é saber dar e gastar a vida no serviço das pessoas e da Igreja. É uma vida sinal de amor, no mundo que aspira a ter e não a ser, os impasses do egoísmo, vivendo numa guerra constante do amor contra o desamor.

O Espírito Deus há de nos dar força e coragem para que nas incertezas dos nossos dias, possamos, conscientemente, amar sem cessar.

Diácono Adilson José Cunha
18/04/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.