Habemus Papam Franciscum



Eleito o novo Sumo Pontífice da Igreja de Roma, depois de dois dias de eleição: Jorge Maria Bergoglio, nome de batismo e, Papa Francisco I, denominação escolhida por ele.

Jean Louis Pierre Tauran foi muito esperado, por volta de sessenta minutos após a fumaça branca, pelos inúmeros presentes na Praça de São Pedro, uma vez que por meio de sua função de protodiácono, é o primeiro a aclamar na sacada: Gaudium magnum nuntio vobis: Habemus Papam! (Anuncio-vos uma grande alegria: já temos um Papa!)

Primeiro papa latino americano e também o primeiro da Ordem dos Jesuítas, Papa Francisco, de 76 anos, foi inovador na escolha do seu nome. Filho de pais italianos, nasceu em 17 de dezembro de 1936, em Buenos Aires. Tem formação técnica em Engenharia Química, mas optou pelo seguimento da vida religiosa. Foi ordenado sacerdote em 13 de dezembro de 1969.

Antes do papado, foi membro das Congregações para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos; para o Clero; para os Institutos de vida consagrada e as Sociedades de vida apostólica; do Pontifício Conselho para a Família; da Pontifícia Comissão para a América Latina.

Papa Francisco I tornou-se um religioso diferente por suas atitudes um tanto quanto inovadoras. Ao ser nomeado cardeal, Bergoglio convidou os argentinos a doarem seu dinheiro aos pobres ao invés de irem à Roma, celebrar com ele este importante momento de sua vida.

As expectativas por reformas dentro da tradicional Igreja Católica Apostólica Romana são grandes e, com ele, o sucessor de Pedro, tudo aparenta ser mais concreto. Em suas palavras, neste dia 13 de março, disse: “É necessário vivermos como uma grande irmandade. E que esse caminho que começamos seja usado para a evangelização. Agradeço a todos”. E ainda acrescentou: “Quero que vocês vejam a figura do papa como um de vocês. Peço que todos rezem por mim, pois sou um sacerdote. Boa noite e bom repouso”.

Relembrando...

Em 19 de Abril de 2005, o alemão Joseph Ratzinger também foi eleito em dois dias, porém com o número de quatro eleições. Por motivos particulares, pronunciou sobre sua renúncia em 11 de Fevereiro de 2013, se retirando em 28 do mesmo mês. As palavras finais de Bento XVI foram: “O Senhor me chama a subir a montanha para me dedicar mais ainda à oração e à meditação. Mas isso não significa abandonar a igreja, ao contrário. Se Deus me pede isso é justamente para que eu continue servindo à igreja na mesma direção, com o mesmo amor, mas de um modo mais adequado à minha idade e minha saúde”.

André Lucas de Carvalho
Universidade de Franca

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.