A Fé, a Sustentabilidade e a Pastoral da Ecologia.


Os dois últimos meses proporcionaram boas oportunidades para que pudéssemos pensar e lutar pela sustentabilidade. Em setembro tivemos o Dia da Árvore e, logo a seguir, a celebração da Primavera. Em outubro tivemos o Dia de São Francisco que dedicava cuidado especial à natureza, às criaturas e a toda espécie de vida. Depois vieram as eleições municipais: a vida saudável das pessoas de uma cidade depende essencialmente de uma administração comprometida com as questões ambientais.Por isso, a Diocese da Campanha – por meio da Pastoral da Ecologia – procurou aproveitar esses momentos para convidar todos os cristãos para se dedicarem mais atentamente à construção de um município sustentável.

O que vem a ser “sustentabilidade”? Nunca antes se ouviu falar tanto nessa palavra quanto nos dias atuais: nas escolas, nos órgãos de governo, nas ONGs e até nas ruas;foi o tema central da RIO+20. Quanto mais se agravam os riscos de sobrevivência do Planeta e, portanto, do homem e de todos os seres vivos, mais se fala em sustentabilidade.

Infelizmente, apesar da consciência cada vez maior sobre a importância da sustentabilidade e da necessidade de mudanças no modo de vida da sociedade, grande parte das pessoas não consegue passar isso para a prática. Contentam-se em apoiar com palavras ou aceitar pequenas mudanças, como está ocorrendo com as sacolas plásticas. Tudo isso é importante para se enfrentar os problemas ambientais, mas é necessário ter uma visão muita mais profunda para enxergar as raízes das ameaças à sustentabilidade da Terra. Elas estão ligadas essencialmente às formas de produção e de consumo sobre as quais a sociedade está estruturada. Diante delas nos sentimos impotentes. Todo o sistema econômico funciona incentivando o cidadão a comprar. Afinal, quanto mais se consumir melhor, tanto para o indivíduo como para os negócios:maior será o desenvolvimento, o nível de emprego, etc. Mas qual a necessidade real de tanto consumo? Não se trata do acesso a itens referentes à sobrevivência. Na verdade, esses são até relegados para dar lugar aos itens supérfluos ou maquiados. O mercado é então saturado de aparelhos eletrônicos, celulares e carros de todos os tipos. A cada ano recomenda-se trocar por um novo. O crédito é facilitado e os impostos reduzidos. Precisamos estar consumindo para nos sentirmos felizes e melhorar nossa qualidade de vida. Vê-se que o conceito de sustentabilidade foi bastante deturpado e assumiu uma dimensão essencialmente econômica, de sustentar o capital.Com toda a certeza não é essa a sustentabilidade que a Terra precisa. Essa é apenas a sustentabilidade das empresas, dos negócios e do desenvolvimento capitalista. Será que a humanidade alcançará a maturidade necessária para fazer uma ruptura desse modelo?

Esta é uma reflexão e um desafio que nos remete para uma dimensão mais ampla, ou seja, a da Fé. Quem pode nos inspirar é São Francisco: seu exemplo de amor a Deus, à natureza e a todas as suas criaturas expressa para nós cristãos um clamor urgente pela proteção do Planeta Terra que vive atualmente seu momento crítico. De todos os reinos o grande responsávelpor esse processo é certamente o reino humano, pois os outros estão à mercê de sua dominação gananciosa e destruidora. O desmatamento, por exemplo, mata as nascentes, seca os rios, desertifica o solo, causa a extinção dos animais e ameaça a própria agricultura.

A crise ambiental é apenas uma manifestação de outra crise muito mais grave e severa.

Falamos da crise de valores ou da crise ética que assume uma dimensão dramática:egoísmo, individualismo, comodismo, ambição e poder tornaram-se as molas propulsoras de tudo. Não é de se espantar, portanto, que a corrupção no Brasil constitua um câncer virulento que atinge a política e todos os setores de atividades. Retomar os valores da cooperação, do amor, da compaixão, da dignidade, da solidariedade, da vida comunitária é sem dúvida o caminho para construir um mundo melhor de se viver. Por isso a Igreja católica, com seus presbíteros, seu laicato e suas ações pastorais, não pode deixar de lado essa missão. Fé e sustentabilidade devem ser elos fortes na vida dos cristãos para que possam compreender o milagre da Criação e testemunhar a mensagem de amor proclamada pelo Evangelho de Cristo.

Tudo que existe merece viver, pois toda a Criação é obra de Deus! Temos que mudar o nosso modo de viver, se queremos viver!

Geraldo Moises Martins
Coordenador Diocesano da Pastoral da Ecologia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana