Leão Magno, Papa da Idade Média – 10 Novembro.


Nasceu no ano 400, na Toscana, Itália, onde foi educado. Na juventude distinguiu-se nas letras profanas e na ciência sagrada. Foi hábil diplomata e respeitado teólogo. Como conselheiro serviu aos papas Sisto III e Celestino I.

Em agosto de 440, mesmo estando distante de Roma, foi eleito papa e em 29/09/440 tornou-se o 44° sucessor de Pedro. Estava na Gália (atual França) mediando conflitos, quando persuadiuo imperador daquela região a reconhecer a primazia do bispo de Roma. Em 445 o imperador reconheceu oficialmente a independência de Roma.

Dois acontecimentos marcaram seu papado, que durou vinte e um anos: o Concílio de Calcedônia e a expulsão de Átila, rei dos Hunos, impedindo a destruição de Roma. Calcedônia foi um concílio ecumênico realizado no ano de 451, na Ásia Menor, com a presença de aproximadamente 350 bispos. Nele foi declarado que em Jesus Cristo existem duas naturezas distintas: a divina e a humana, que Jesus Cristo é homem e Deus. Foi um concílio convocado pelo imperador bizantino Marciano, para corrigir erros e abusos do Concílio de Éfeso. Quando foi lida a carta de Leão Magno, defendendo em Cristo as duas naturezas, todos os membros do concílio exclamaram: “Pedro falou por Leão”.

Quanto Átila, era um bárbaro temido, conhecido como “praga de Deus” ou “flagelo de Deus”, um dos maiores inimigos do império romano oriental e ocidental. Foi o último rei dos Hunos, dos mais poderosos, reino que se estendia desde a Europa Central até o Mar Negro, desde o Danúbio até o Báltico. Sua meta era dominar Roma, capital do Império, sede do papado, centro da Igreja Católica. Esteve a ponto de tomar a cidade de Roma dizendo: “arrancarei um olho de cada romano”. É lembrado como paradigma da crueldade. Átila se deteve às margens do rio Pó, onde recebeu a delegação do papa Leão I. Após esse encontro, inicia-se a retirada de Átila. Sem reclamar, desistiu de seus objetivos, atravessou os Alpes e voltou para o seu castelo, sem invadir Roma ou destruí-la, morrendo no ano de 453. Por esse fato, e por tudo o mais que realizou no seio da Igreja com grandes repercussões no campo temporal, foi chamado de “Magno”. Foi grande no trabalho e na santidade.

Leão Magno soube estar próximo do povo e dos fiéis com a ação pastoral e com a pregação. Pregava com frequência, sobretudo nas grandes solenidades. Falava por entender que se tratava de um ofício ligado ao ministério dos papas e dos bispos, quando deixou claro que “Pedro continua no leme da Igreja”. Devido à sua coragem e às suas posições inflexíveis, o povo romano o apelidou de “Leão da Tribo de Judá”, em referência ao livro do Apocalipse (Ap5,5). Nele viram o duplo elemento que garante a vida divina da Igreja: unidade e autoridade.

É venerado tanto pela Igreja Católica, quanto pela Anglicana e pelas Igrejas Orientais. Foi reconhecido como doutor da Igreja em 1754. É lembrado pela liturgia em 10 de novembro, dia do seu falecimento ocorrido no ano 461.

Diácono Adilson José Cunha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana