Jovens em atividade em Carmo da Cachoeira.


A presença de jovens, participando intensamente nas atividades grupais dos fins de semana, tem sido uma constante nas ruas de Carmo da Cachoeira. Eles riem, cantam, dançam, louvam, dignificam-se e, ao mesmo tempo, vão resgatando nossas tradições culturais e religiosas.

Tudo começou quando a Diocese da Campanha deu o impulso inicial e abraçou as propostas que emergiram da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em maio de 2007. O grande desafio apresentado para nossas pastorais e movimentos foi: a missão como a grande tarefa a ser realizada no presente e no futuro. As sementes lançadas durante aquela Conferência germinaram, transformando-se em árvores robustas, sadias e ricas. Sob uma dessas árvores, aconteceu a V Conferência de Aparecida, que reviu a caminhada da Igreja para a vida de suas comunidades cristãs.

O evento de Aparecida trouxe à tona realidades dolorosas do continente, mas trouxe também as mais esperançosas. O conceito de FÉ foi alargado pelo testemunho de representantes das comunidades cristãs que viveram o seguimento de Jesus em seu meio, nos anos finais do século XX. Esses testemunhos revelaram que os acontecimentos contemporâneos não são muito diferentes daquilo que acontecia no tempo em que Jesus andava sobre a Terra. O conceito de FÉ (“crer no que não se vê”) foi ampliado para: “criar o que se espera”.

Demétrio Valentini ao explicar a influência positiva do evento de Aparecida, disse: “Para entender o espírito de Aparecida, é importante ter presente a maneira carinhosa como o Papa foi recebido pelo o povo simples, tanto em São Paulo como em Aparecida (...). O povo foi generoso, o Papa foi sensível.

Bento XVI avaliza, em discurso, a opção pelos pobres e simples, fundamentada em Jesus Cristo, e a valorização da Bíblia, a ser colocada nas mãos do povo. O saldo mais consistente e positivo de Aparecida foia confirmação dos valores da Igreja e a retomada do Concílio Vaticano II, citado como referência indispensável para a igreja em nosso tempo.

Em atenção a esses apelos, e hasteando a bandeira da esperança, a Paróquia de Carmo da Cachoeira busca encontrar motivações para que seus fiéis cristãos continuem se identificando com a Igreja Católica. Inspirados no Evangelho de Cristo, jovens reúnem-se e sobem o morro do Cristo para rezar o terço; caminham e fazem via-sacra; visitam as casas de outros jovens; partilham o alimento entre todos. Pondo em prática os ensinamentos de Jesus, este grupo emergente poderá recuperar o cerne do Evangelho entre seus próprios pais. Assim, estes jovens cachoeirenses colocam-se a serviço Igreja, no caminho da formação missionária e, em seu agir grupal, constituem uma fonte de água viva a jorrar para que todos tenham vida em abundância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.