Beato João Paulo II: um modelo de vocação.


"Toda vocação sacerdotal é um grande mistério, um dom que supera infinitamente o homem." (Dom e Mistério, Papa João Paulo II)

Por ser data da primeira missa de seu pontificado, dia 22 de outubro é celebrada a memória do Beato João Paulo II. Para conhecer ainda mais a caminhada do Peregrino do Amor, aquele que quebrou a tradição de papas nascidos na Itália desde 1522, é necessário compreender sua história antes e durante a entrega de sua vida ao chamado sacerdotal.

Karol Józef Wojtyla nasceu em 18 de Maio de 1920, em Wadowice, Polônia. Era filho de militar e tinha um irmão médico. Perdeu seus familiares antes dos 22 anos de idade, quando seu País, juntamente com boa parte da Europa, enfrentava a invasão dos alemães, na Segunda Grande Guerra.

Sua juventude foi marcada pelas artes, sobretudo a música popular e o teatro a favor da resistência contra o nazismo. O esporte e a religião foram destaques neste período de sua vida: foi goleiro de futebolde uma equipe amadora de Wadowic (Polônia) e fundou uma congregação mariana em seu colégio, a qual, futuramente, o inspiraria na escolha de seu lema sacerdotal: TotusTuus(Todo Teu, Maria). Foi ordenado sacerdote em 1º de novembro de 1946, pelo cardeal-arcebispo de CracóviaAdam Stefan Sapieha. Seu caminhar religioso foi extenso, com inúmeras nomeações e conquistas antes do Pontificado. Docente da Universidade Católica de Lublin e, logo, arcebispo de Cracóvia, participou do Concílio Vaticano II, contribuindo para a redação de dois documentos considerados os mais influentes e conclusivos do Concílio: Declaração sobre a Liberdade Religiosa (DignitatisHumanæ) e Constituição Pastoral da Igreja no Mundo Moderno (GaudiumetSpes).

Em 1967, foi nomeado cardeal pelo Papa Paulo VI e, em 1978, eleito papa, levando o nome de JoãoPaulo II, em homenagem ao seu antecessor João Paulo I. Após três anos como Pontífice, sofreu atentado na Praça de São Pedro pelas mãos deum turco, ao qual perdou com o seguinte argumento: “Na época do Natal e do Ano Sagrado da Redenção, pude encontrar a pessoa que vocês todos conhecem por nome Ali Agca que, em 13 de maio de 1981, praticou um atentado contra minha vida... Mas a Providência se encarregou das coisas, de uma forma que eu descreveria como extraordinária, para que hoje eu pudesse encontrar meu agressor e repetir o perdão que concedi a ele imediatamente.

Grande defensor do ecumenismo, visitou inúmeras nações levando a paz entre as religiões e, como rito de bênçãos, beijava o solo de cada lugar aonde chegava. No Brasil, foram quatro visitas: 1980, 1982 (apenas de passagem pelo aeroporto do Rio de Janeiro, ao ir para a Argentina), 1991 e 1997.

Na década de 1990, começou a manifestar sintomas de Parkinson, uma doença degenerativa. Em 2003,quando visitava a Eslováquia, essa enfermidade estava bem visível: João Paulo II tinha dificuldades para respirar e se mover.

Em seu último domingo de Páscoa, abençoou os fiéis, mas, pela primeira vez no seu pontificado, não conseguiu pronunciar a tradicional Urbi et Orbi. Às 21h37min, horário de Roma, do dia 2 de abril de 2005, faleceu o mais piedoso e famoso polonês que o mundo já vira. Passados 6 anos, em 1º de maio de 2011, o atual Papa Bento XVI proclamou, diante de mais de um milhão de pessoas: “Concedemos que o venerado servo de Deus João Paulo II, Papa, seja de agora em diante chamado beato.” Depois de venerado, todo aquele que recebe este título fica mais próximo de ser santificado.

Sendo o “Papa das Nações”, conhecido em todo o mundo por seu carisma e feição piedosa, rogamos sua intercessão para que não só os consagrados à vida religiosa, mas todo aquele que recebeu o Sacramento do Batismo, adentrando ainda mais na vida cristã, possa seguir o sentido da nossa vocação primordial: o chamado a ser presença viva na vida de nossos irmãos em Cristo!

André Lucas de Carvalho
II Período de História - Universidade do Vale do Sapucaí - Pouso Alegre

Comentários

ANDRÉ disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.