Padre José Procópio Júnior em Carmo da Cachoeira

Imagem
Paróquia Nossa Senhora do Carmo sob nova guiança Editorial Sai Pe. Daniel Menezes, e assume como administrador paroquial da acolhedora cidade de Carmo da Cachoeira, em fevereiro de 2019, o Pe. José  Procópio Júnior.
"Não cabe à pedra escolher o lugar que deve ocupar no edifício. Assim também não cabe à nós criaturas ditar ao Criador o que deve acontecer em nossa vida, pois Deus é quem sabe e dispõe com sabedoria própria." − Dom Servílio Conti, IMC Como página que observa os acontecimentos neste pedaço de chão mineiro, limitado por montanhas e que, segundo o cachoeirense Padre Godinho, “todas são azuis”, registramos o remanejamento ocorrido entre padres ligados a Diocese da Campanha no ano de 2019. Entre as mudanças encontra-se a Paróquia Nossa Senhora do Carmo/Carmo da Cachoeira – MG.

Sai nosso querido Padre Daniel Menezes. Por ele continuamos a rezar e o devolvemos, entre lágrimas e a esperança de um dia tê-lo entre nós. Somos eternamente gratos e devedores. Entra, aureola…

O Mistério do Amor desvelado por ações missionárias.



Jesus tomou o vinagre que lhe foi oferecido e disse: “Está consumado”. Inclinando a cabeça entregou o Espírito. (Jo 19,30) Tudo que lhe foi confiado fora consumado, entreguepara a salvação da humanidade. A cruz se torna luz!

Aqueles que reconhecem a luz em Jesus Cristo têm a convicção de Ele é o verdadeiro filho de Deus, da mesma forma queo centurião romano que o reconheceu aos pés da cruz. Assim agem também os discípulos missionários de hoje, que mantêm acesa a luz da fé e da esperança. O centurião conviveu com Jesus e foi testemunha de que Nele havia uma fonte de vida a jorrar para todos, que não se extinguiu com a morte do corpo físico. Quem ousará afirmar que Deus pode ser morto? É o próprio Jesus e seu Espírito que continuam iluminando a humanidade. É na comunhão do amor que gera a vida que os discípulos missionários acreditam estar; assim são fortalecidos por perceberem-se inseridos em Deus, alimentados pela santa Eucaristia e iluminados pelo Espírito Santo.

A ação de uma missionário hoje, à semelhança dos tempos de André, Tiago e João, é falar da vida eterna. Esta vida que resiste e é alimentada pela fé daqueles que creem que a morte não tem a última palavra e que são destinados à vida eterna, à semelhança de Jesus que, ao entregar seu Espírito ao Pai, realiza a salvação da humanidade. O missionário não se detém apenas em meditar sobre a cruz do Senhor. Ele, ao manter a luz da fé e levar a bandeira da esperança, age em um mundo onde os ambiciosos do poder acumulam riquezas e provocam exclusão, pobreza, miséria, guerra e morte.

Os missionários de hoje lembram as mulheres que, num transbordamento de carinho, dirigiram-se ao túmulo para embalsamar Seu corpo e encontram ali um anjo, que anuncia haver Jesus ressuscitado. Elas são enviadas pelo anjo para anunciar aos discípulos que a missão deverá continuar, que o mundo deverá continuar atento à existência de um Reino maior, o do amor e que será o próprio Jesus que continuará presente entre eles. Não o Jesus histórico, aquele que a partir da Galileia exerceu o seu ministério de testemunhar a todos a presença do Reino de Deus no mundo, mas o Jesus vivo, aquele que ressuscitou no terceiro dia.

O missionário, hoje, vive a vida sacramental, participa das celebrações, visita casas, cuida para que seus pensamentos, suas palavras e ações reflitam os de Jesus Cristo. Sabe ele que Jesus sempre viveu em comunhão de amor com o Pai, participando de sua vida divina e eterna. O Jesus temporal serve de exemplo e cede lugar à eternidade na comunidade de amor com Deus. Missionários não têm dúvidas; eles creem que Deus está vivo e presente entre eles.

Neste ano de 2012, a liturgia traz São Marcos para iluminar a caminhada dos discípulos missionários. Marcos proclama a “Boa Nova” de Jesus Cristo, o Filho de Deus. Ele deseja mostrar o próprio Jesus como pessoa. O missionário é informado sobre esta dimensão de Jesus, mas está convicto de que Ele é o verdadeiro filho de Deus. Discípulos missionários de hoje carregam em seu peito a cruz vazia, com a legenda SMP, na lembrança de que cada missa comemora e revive o Mistério Pascal do Senhor, isto é, sua Morte e Ressurreição, pelo qual, morrendo, ele destruiu nossa morte e ressuscitando restaurou a vida.

O missionário visita casas das zonas urbanas e rurais, levando a Bíblia nas mãos e, em seu coração, a fé de que sua fortaleza é alimentada pelo Pão da Vida da Sagrada Eucaristia, centro e ápice da liturgia e de toda a vida da Igreja. Rezemos por todas as intenções do mundo: pela Igreja, pelo Papa, pelo clero, em especial por Dom Diamantino, pelo Padre André e pelos missionários leigos, pela unidade dos cristãos, pelos judeus (os primeiros a quem Deus falou), pelos que não creem em Deus, pelos poderes públicos e por todos aqueles que sofrem provações.

Misericórdia e Piedade, Senhor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.