Santo Agostinho

- 28 de agosto –

Nascido a 13 de novembro de 354, em Tagaste, morreu aos 75 anos em Hipona, cidades do norte da África (Argélia). Converteu-se ao cristianismo católico aos 33 anos de idade, sendo batizado por Santo Ambrósio. Vendeu todo seu patrimônio e doou aos pobres. Aos 42 anos foi eleito bispo de Hipona onde permaneceu até sua morte. Deixou muitos tratados filosóficos, teológicos, sermões, cartas e comentários da Bíblia, num total de 113 obras escritas. Dentre elas, destacamos os Diálogos, tais como Solilóquios, Contra os Acadêmicos e o Livro das Disciplinas; os Apologéticos Como da verdadeira religião e a Cidade de Deus; os Dogmáticos como a Trindade e A Imortalidade da Alma. Além de livros morais, pastorais, monásticos e exegéticos. Era chamado de DOUTOR DA GRAÇA, por sua profunda compreensão sobre o tema. É muito profunda sua reflexão sobre o livre-arbítrio, onde demonstra filosoficamente que o mal é a ausência do bem e, portanto, Deus é a completa personificação do bem. Na sua autobiografia Confissões, no livro décimo, capítulo 27, vemos a mais bela declaração de amor a Deus:

"Tarde te amei, beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! E, no entanto, estavas dentro de mim e eu fora, a te procurar! Estavas comigo, e eu longe de tl. Tu me chamaste, gritaste por mim e venceste minha surdez. Brilhaste, e teu explendor pôs em fuga minha cegueira. Exalaste o teu perfume, respirei-o, e agora suspiro por tl. Eu te saboreei, e agora sinto fome e sede. Tocaste-me, e o desejo de tua paz me inflama".

Tão linda declaração de amor só poderia vir do conhecimento daquele que é AMOR. É o resumo da ópera de nossas vidas. Somos educados para a vida, para o amor, mas vivemos constantemente de olhos fechados, corações adormecidos, ouvidos tapados e todos os sentidos bloqueados para o essencial, para o mais importante que é Deus. Muitas vezes sabemos da existência DELE, concordamos e até aceitamos o senhorio DELE, mas não O conhecemos e sem conhecer não conseguimos amar. Sempre que nos abrimos quase chegamos perto DELE; mas, quando vivemos um ato forte de confronto interior, aí sim percebemos, como Santo Agostinho, a beleza e a intensidade do nosso DEUS. Imitar e lembrar-se desta belíssima declaração de amor é a consequência direta do início de uma nova relação homem/DEUS.

Felizes os que encontram DEUS, mas mais felizes os que encontram DEUS mais cedo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana