Dia de Nossa Senhora do Carmo - 16 de julho





“Dia 16 de julho é a data em que a liturgia recorda a Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo. O Carmelo, imponente morro que se eleva na região da Galileia, tem nas suas ladeiras numerosas grutas naturais, preferidas pelos eremitas. O mais célebre destes homens de Deus foi o grande profeta Elias que, no século IX a.C., defendeu tenazmente da contaminação dos cultos idolátricos, a pureza da fé no Deus único e verdadeiro. Inspirando-se precisamente na figura de Elias, nasceu a Ordem contemplativa dos "Carmelitas", família religiosa que entre os seus membros enumera grandes Santos, como Teresa de Ávila, João da Cruz, Teresa do Menino Jesus e Teresa Benedita da Cruz (no século, Edith Stein).
Os Carmelitas difundiram no povo cristão a devoção à Bem-Aventurada Virgem do Monte Carmelo, indicando-a como modelo de oração, de contemplação e de dedicação a Deus.

Com efeito, Maria, por primeiro e de modo insuperável, acreditou e experimentou que Jesus, Verbo encarnado, é o ápice, o vértice do encontro do homem com Deus. Acolhendo de maneira plena a sua Palavra, Ela "chegou felizmente ao santo monte" e vive para sempre, de alma e corpo, com o Senhor. Hoje desejo confiar à Rainha do Monte Carmelo todas as comunidades de vida contemplativa espalhadas pelo mundo, de maneira especial as da Ordem Carmelita. Que Maria ajude cada cristão a encontrar Deus no silêncio da oração!” (Papa Bento XVI, Angelus, 16/07/2006)


ELIAS e ELISEU
No dia 20 de julho celebra-se a memória do profeta Elias e de Eliseu, seu discípulo e sucessor, e também a única testemunha do misterioso fim de Elias, arrebatado para o alto em uma carruagem de fogo.
Elias vestia-se com uma tanga de couro e um manto de pele, como, oito séculos depois, se vestiria João Batista, o profeta que viria “aplainar os caminhos do Senhor”, anunciando a chegada do Messias. Segundo a tradição judaica, Elias reapareceria para anunciar o Messias e a redenção da humanidade.“Os discípulos perguntaram a Jesus: Por que os escribas dizem que primeiro deve vir Elias? Ele respondeu: Sim, Elias vem e porá tudo em ordem. E eu vos digo mais: Elias já veio, e não o reconheceram. Pelo contrário, fizeram com ele tudo o que quiseram. Assim também o Filho do Homem será maltratado por eles. Então os discípulos compreenderam que ele lhes falara de João Batista.” (Mt 17,10-13)

OS PRIMEIROS CARMELITAS
A Ordem Carmelita é tida como uma das mais antigas na tradição monástica da Igreja. Consta que os primeiros monges, “no ano 93 da Encarnação do Filho de Deus, destruiram sua antiga casa e construiram uma capela sobre o Monte Carmelo, perto da Fonte de Elias, em honra da Bem-Aventurada Virgem do Carmo.(1)

Apesar de antiga, a Ordem só começou a ser documentada a partir do final do século XII, quando um grupo de fiéis europeus instalou-se junto à Fonte de Elias, no Monte Carmelo, adotando a vida eremítica. A seu pedido, por volta do ano de 1209, receberam, das mãos do Patriarca de Jerusalém, Santo Alberto, a Regra de Vida. Em 1238, os monges são forçados a sair do Monte Carmelo e se dirigiram para a Europa, onde deixaram de viver como eremitas, mas conservando o ideal contemplativo, e passaram a exercer trabalhos apostólicos, adotando o estilo de vida das ordens mendicantes.(2)

A ORIGEM DO ESCAPULÁRIO

Expulsos pelos sarracenos no século XIII, os monges se voltaram para o Ocidente, onde fundaram vários mosteiros, enfrentando muitas dificuldades e até perseguições, nas quais, porém, puderam experimentar a especial proteção da Virgem do Carmelo. Enquanto os irmãos suplicavam humildemente à Maria que os livrasse das emboscadas inimigas, a Mãe de Deus apareceu ao Superior Geral da Ordem São Simão Stock, rodeada de anjos e, trazendo nas mãos o escapulário, disse-lhe: “Filho caríssimo, recebe este escapulário como sinal especial de tua Ordem. Eis o sinal de salvação nos perigos. Quem morrer piedosamente vestido com ele, não padecerá no fogo eterno.” (3)

A palavra escapulário deriva do latim escapula, que significa armadura, proteção.
O escapulário é considerado uma veste mariana. Padre Jonacir diz que ele não é um amuleto, um objeto supersticioso; mas sim o sinal da proteção de Nossa Senhora do Monte Carmelo contra todos os perigos: espirituais, morais e físicos.

Pio XII, na bula de 11/02/1950, convidou os fiéis da Igreja a “colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o escapulário”.

O escapulário é essencialmente um “hábito”, dizia o Papa João Paulo II: “Quem o veste é introduzido na terra do Carmelo e experimenta a presença de Maria, o empenho de revestir-se interiormente de Jesus Cristo, para o bem da Igreja e de toda a humanidade.”(4)

Nossa Senhora do Carmo, fazei de nós instrumentos do amor de Deus!

(1)  Um Santo para cada Dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini, p.223.
(2)  Com Maria, celebrando a Bondade de Deus, edição comemorativa do jubileu do Carmelo Nossa Senhora da Assunção e São José, de Curitiba, p.28.
(3)  Devocionário de Nossa Senhora do Carmo, de Padre Jonacir Francisco Alessi, p.48.
(4)  Idem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

Pesquisando a genealogia italiana