A importância da celebração das missas nas casas.


Para tratar disso, é preciso primeiro falar sobre dois pés indispensáveis que sustentam essa prática.

1° A Missa ou Eucaristia

A Missa, como celebração de Cristo e do povo de Deus, é o centro de toda a vida cristã para a Igreja tanto local como universal, bem como para cada um dos fiéis. Nela culmina toda a atividade da comunidade e é a ação pela qual Deus, em Cristo, santifica o mundo. Nela são comemorados, ao longo do ano, os mistérios da Redenção, de tal forma que eles se tornam sempre presentes. Todas as outras ações sagradas e obras da vida cristã estão relacionadas com a Missa; foi para isso que Cristo instituiu o sacrifício eucarístico do seu Corpo e Sangue, paixão e ressurreição (Missal Romano). Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças, partiu-o e deu a seus discípulos, dizendo:

Tomai todos e comei: isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o deu a seus discípulos, dizendo:

Tomai todos e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de mim.

Nessa ocasião, Jesus celebrou a primeira missa: é a maior, a mais completa e a mais poderosa oração da qual dispõe o católico.

2º A Família: lugar do perdão e da festa

É no convívio familiar que construímos a nossa identidade. Nela somos educados para o amor gratuito, perdoamos e recebemos perdão, alegramo-nos com os pequenos acontecimentos que nela têm lugar. Na família tecemos relações incondicionais; nela a vida encontra um norte e a esperança ganha sentido. Diante de uma sociedade alienada pelo prazer e demente pelo dinheiro, a família ainda é um grito profético contra o alcoolismo e contra todos os demais pecados que ferem a dimensão sacral da pessoa humana. Enfim a família é o santuário da vida humana.

Estamos em vias de preparação para celebrar a festa da Nossa Padroeira Nossa Senhora do Carmo. Nos últimos anos, temos tido a alegria e o privilégio das Missas serem celebradas nas casas. Esse acontecimento é de grande importância para a comunidade paroquial. A Santa Missa é rezada nessa “pequena igreja doméstica”, onde acontece a reunião dos membros da família. É uma oportunidade de reunir parentes, amigos, vizinhos, além de toda a comunidade paroquial que para ali converge a fim de juntos celebrarem a memória de Nosso Senhor na sagrada Eucaristia e, assim, expressar a existência cristã de maneira especial na vida comunitária.

Jesus pediu que seus discípulos permanecessem “unidos em seu nome”. O livro dos Atos dos Apóstolos traz dois belos testemunhos sobre a vida da primeira comunidade cristã: “Eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações” (At 2, 42). E ainda: “a multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma”.

É recomendável que as famílias contempladas pelo sorteio, e que terão Missa celebrada em sua residência, se preparem bem, vendo com antecedência as leituras, definindo os leitores; se for necessário, é só pedir a ajuda de outras pessoas experientes, até mesmo da equipe de liturgia. O ambiente deve ser bem preparado. Isto não significa casa grande nem mobília sofisticada, mas sim um local acolhedor, arranjado de maneira simples e harmoniosa, com todo o carinho que a celebração da vida de Jesus merece. Deve-se também convidar as pessoas para participar; não convém dizer: ah! Todo mundo sabe, não vem quem não quer. É bom lembrar que na data marcada, na casa daquela família sorteada, terá lugar um grande acontecimento – o maior da vida cristã, como foi dito acima: a celebração da Santa Missa, o grande milagre da Eucaristia! Ali, naquela solenidade sagrada e festiva, realizada na intimidade de um lar cristão, no aconchego de uma fraterna comunidade, nós também, unidos em oração, formaremos um só coração e uma só alma em Cristo.

Irmã Benedita Maria de Jesus
Congregação das Filhas de N. S. Stella Maris

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga foto da fazenda da Serra de Carmo da Cachoeira.

A organização do quilombo.