Cachoeira, 04 de dezembro do ano de 1928.

Remexendo um antigo baú, uma filha das terras cachoeirense encontrou uma escritura que fazia referência ao Ribeirão do Carmo em Carmo da Cachoeira:

Vendedores: José Pinto Mesquita e sua mulher Ana Dias Mesquita. ... E, perante as quais, pelos outorgantes vendedores, me foi dito, que são senhores e legítimos possuidores de dois terrenos situados à Rua Boiadeira, nesta cidade, e que obtiveram por compra feita de dona Constância Amélia de Carvalho e outras por escritura passada pelo Tabelião João Batista Braga, noi primeiro Ofício do Judicial e Notas de Varginha, em 04 de dezembro de 1928 e registrada no registro de Imóveis de Varginha, no livro n.3E fls. 136, sob n.3961. Tendo o primeiro terreno a área de 3.971 metros quadrados em terreno de pasto, dentro das seguintes confrontações. Confronta com a Rua Boiadeira, herdeiros de Francisco Romanielo, Juvenal Olímpio e Benevuto Rodrigues da Silva Reis: Ribeirão do Carmo da Cachoeira e Ana dias de Oliveira. Tendo o segundo (...) com Ribeirão do Carmo da Cachoeira e do outro lado com Jorge Tomás da Silva.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

M. Vilhena disse…
Doutor Mathias Antonio Moinhos de Vilhena e sua mulher dona Maria Carolina de Gouvêa Vilhena passam escriptura de permuta em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Escriptura
Escriptura de permuta que entre si fazem o Soutor Mathias Antonio Moinhos de Vilhena e sua mulher e Francisco de Assis Reis de suas fazendas como abaixo declara.
Saibão quantos esta virem que, sendo no anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de mil oitocentos e noventa, aos soze dias do mes de fevereiro, do dito anno nésta freguesia do Carmo da Cachoeira, Termo de Varginha, Estado de Minas Gerais, em meu cartório comparecerão presentes partes havidas e contratadas a saber - como outorgantes e outorgada Doutor Mathias Antonio Moinho de Vilhena e sua mulher sona Maria Carolina Gouvêa Vilhena (...)
leonor rizzi disse…
Uma discussão e tanto.
M. Vilhena, receba nossa gratidão. Temos um grande parceiro em ANÍBAL DE ALMEIDA FERNANDES, oitavo neto do português, ANDRÉ DO VALLE RIBEIRO (século XVI), casado com TERESA DE MORAIS. Entre os 13 Titulares do Império no século XIX está o BARÃO DE LAVRAS - João Alves de Gouveia. Rua João Alves de Gouveia, em Carmo da Cachoeira, século XX, era a denominação da que hoje é chamada Rua Veiga Lima. No passado, a denominação se deveu dada a presença de uma casa de descendentes do referido Barão. Ela fica ao lado da casa de dona Zilah do Percy - Rua Veiga Lima ao lado da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Carmo, no Largo da Matriz.
Cf. o trabalho de Anibal de Almeida Fernandes em Família RIBEIRO do VALLE de São João ... - Windows Internet Explorer

QUEM FOI MARIA CLARA UMBELINA? Esta é uma de nossas buscas. Com persistência e determinação seguramos esta bandeira até que alguém nos venha substituir. Estaria ela inserida na linhagem apontada pelos descendentes de André do Valle Ribeiro e da paulista "MORAIS"/Moraes? Certamente está. O que o registro nos diz é que ela foi a primeira mulher de José Fernandes Avelino, doador de metade do patrimônio para formação da freguesia do Carmo da Cachoeira. Outra metade foi doada pela FAMÍLIA RATES. Tudo em família, não?
O tempo é o senhor da razão.
Um domingo iluminado a todos e, em especial, a M. Vilhena que nos possibilitou a oportunidade de partilhar nossos questionamentos.
leonor disse…
Vamos ver o que temos, aqui em Carmo da Cachoeira, sul de Minas Gerais, em relação a linhagem acima citada. Vejamos: Antônia Francisca Villela foi vítima juntamene com os avós maternos aos quatro anos de idade, da chacina a Fz. Bela Cruz - Rebelião dos escravos, 1833. Estava envolvida também a Fazenda Campo Belo(São Bento do Campo Belo) hoje, Município de São Bento Abade - MG.
Antônia Francisca Villela era a oitava filha de Manoel Joaquim Villela casado com Helena Bernardina Junqueira, neta de Helena Maria do Espírito Santo (filha de Inácio Francisco e Maria Tereza de Jesus. Helena é conhecida, também, como Helena Francisca Junqueira).
Antônia Francisca Villela era neta de José Joaquim Vilella/Villela, batizado no Porto do Rio Grande - Carrancas em 30-03-1750 e casado com Maria Mendes de Brito, nat. de Aiuruoca, filha de Antonio Vieira(Dourado) e Francisca de Macedo (Moraes) Cf.: Projeto Compartilhar. José Joaquim faleceu em 20-06-1823 em Espírito Santo dos Coqueiros, freguesia de Nossa Senhora das Dores do Pântano.
Manoel Joaquim era irmão de Mariana Clara Villela, casada com Martinho Dias de Gouveia. Mariana faleceu na Fz. Chamusca, freg. de Lavras em 12-11-1825. Foram pais de Maria Carolina de São Joaquim (ou de Gouveia), nascida em 1814 e falecida em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais em 15-05-1872, casada com Antonio Joaquim Alves.
Irmãos de Mariana Clara Villela: Manoel Joaquim Villela; Antonio Joaquim Villela; Joaquim Leonel Villela; Francisco Joaquim Villela; José Joaquim Villela; Ana Theodora Villela; Maria Silvéria Villela; Dorothéia Claudina Villela e Boaventura Tomás Villela.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.