Pular para o conteúdo principal

Pastoral mobiliza grupos em Carmo da Cachoeira.


A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, a partir da reunião do Conselho Paroquial de Pastoral do mês de agosto, mobilizou-se como um dos grupos integrantes que receberiam e acompanhariam evangelizadores visitantes. Participaram:

a) como Missionários, os componentes dos grupos de intercessão. São eles: Paulinho, coordenador do Terço dos homens que acontece todas as quartas-feiras no "Santuário"; Mariana, coordenadora do Terço da Sagrada Face de Jesus (terças-feiras); Salete, coordenadora do Terço Cenáculo no Santuário (sextas-feiras) e Di, coordenadora do Terço dos Guardiãos; Marina pela catequese e Romilda pela Pastoral do Dízimo;

b) como colaboradores, para garantir as refeições dos 98 visitantes, os moradores. Supriram eles as necessidades para o desjejum e almoço de 2 dias. Outras comunidades, também, foram escaladas com provisões, bem como, disponibilizaram suas casas para acolhimento e pernoite. Na São Pedro de Rates, as famílias Di/Orlando e Helen/Valmir receberam 10 dos visitantes.

As atividades preparatórias para o encontro foram grupais. Aconteceram a partir das 7 horas do dia 21, no Salão Paroquial de Nossa Senhora do Carmo. A tarde deste dia e a gelada manhã de 22 foram dedicadas a visitas domiciliares. A noite do dia 21 aconteceu, em vários pontos, encontros para oração. Os integrantes do grupo ligados a São Pedro de Rates participaram do Grupo de Oração na Igreja Matriz, a partir das 19 horas. A proposta é a de proporcionar um "Encontro com Cristo" ( ... se alguém está em Cristo, nova criatura é. As coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (2 Co 5.17).

A idéia acalentada em nossos corações é a de que o envolvimento e atenção a voz de Jesus Cristo no Evangelho e a busca por ver a Luz do Verdadeiro nele, ou seja, o sol da justiça, funciona como forte dinamizador na reconstrução de uma nova vida pessoal e social entre nós. Jesus Cristo é a Luz que penetra as cavernas e abismos para resgatar o mais vil pecador (Lc 2.32) e, "caverna não é lugar para quem serve a Deus (1 Rs 19.9). Nossas cavernas podem estar representadas pelo nosso individualismo, por nossos vícios, nosso comodismo e de onde devemos nos locomover. Oração e interação funcionam como mola propulsora de elevação.

A ação missionária, em sua forma interativa é fundamentada segundo a vivência do próprio Jesus Cristo, cujas Palavras estão contidas nas passagens do Evangelho. Recordamos Is 52.7, "Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!" A que ocorre em Carmo da Cachoeira, neste 22 de agosto, caracteriza-se como sendo um movimento portador de Luz. A Luz que reside no mundo das idéias (Cf. O Mito da Caverna. Platão, discípulo de Sócrates). Alicerçados na fé de que a ascensão da alma segue sua inevitável trajetória para a mansão intelilígel - a residência do BEM e, com a mente firmada em Deus e sob o comando da Palavra de Jesus Cristo, duplas de missionários visitam residências. Puro serviço de amor fraterno, desinteressado em nível humano e solidário seguem elas escudadas pela Palavra: "muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos a Deus vivo." (Hb 9.14)


Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

leonor disse…
É... ... a Pastoral da Comunicação da Comunidade Paroquial São Pedro de Rates faz sua parte no mundo virtual, na pessoa do administrador deste blog. O grupo cachoeirense, que tem as mãos na massa, agradece o esforço e dedicação desse seu MISSIONÁRIO DA COMUNICAÇÃO - TS Bovaris (Rícard Wagner Rizzi Pereira da Mota) que, durante anos a fio e dia-a-dia, sem medir esforços, atualiza esta páginas.
Meu amado filho, Ri. Saiba de nossa eterna, profunda e sincera gratidão pelo que você tem feito por Nossa Senhora do Carmo residente na Igreja Matriz da amada Carmo da Cachoeira, do sul de Minas Gerais. Nós só fazemos nossa parte, não é mesmo, enfim ... é tudo que temos para ofertar - nossa boa vontade.

Não se deve dizer
Nada posso ofertar
Pois as mãos mais pobres
São que mais se abrem
Para tudo dar.

Luz e amor incondicional a vc.
leonor rizzi disse…
JUNTOS SEREMOS MAIS FORTES. Juntos somamos, juntos buscamos, juntos encontraremos o que buscamos, juntos iremos confraternizar.

DOCA RATES e FAZENDA RATTES.

Idos tempos...
Mais tarde ...
Após 1854 ...
Num determinado local ...
a beira do RIO AMAZONAS
uma oficina mecânica
onde os navios... .

Cf.: BAIRRO DA COLÔNIA - O mais antigo de ITACOATIARA.

"A Colônia é o principal bairro itacoatiarense. Localiza-se na parte oesta da cidade e, crescendo assustadoramente, parte da Avenida 15 de novembro indo parar na Fazenda Rates (...)."

RATES/Rattes. As gentes de Rates/Rattes estão sempre junto de caminhos terrestres e/ou nos percursos das águas. É o que temos constatado, sempre, sempre que os buscamos ... ... . Agora um percurso amazonense. Mais um ... Vamos juntando, juntando sempre, incansavemente. É só conferir relatório "dos antigamente" (1857, fala de Dr. João Pedro Dias Vieira). "A olaria fabricava tijolos, que eram exportados, se localizava nos quintais da atual fazenda do DOCA RATES (...).
Cf.: BAIRRO DA COLÔNIA - Ouvidoria Geral do Município de Itacoatiara - Windows Internet Explorer
Yasmin disse…
Lembrete:
A Novena pela beatificação do Servo de Deus Padre Victor será transmitida pelo site da Rádio Diocesana da Campanha:
www.radiodiocesanaam.com.br, às 15 horas.

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
Publicação: Livrinho "Novena pela Beatificação do Servo de Deus Padre Victor", p.02.
(inicia-se com a oração do Pai Nosso e da Ave Maria, depois contempla-se o mistério, usando o terço de Nossa Senhora para as inovações e jaculatórias, conforme abaixo).
A CONTEMPLAÇÃO DOS MISTÉRIOS:
Dirigente 1:
Primeiro Mistério: Honremos o Espírito Santo, adorando-O como a terceira pessoa da Santíssima Trindade. Ele é o Amor que procede do Pai e do Filho, é o Senhor que dá vida. Como o Pai e o Filho Ele é adorado e glorificado por nós, que estamos unidos nesta oração.

Segundo Mistério:
Honremos a ação do Espírito Santo na vida e missão da Mãe de Jesus Cristo, adorando-O na concepção Imaculada de Maria e santificando-a desde o primeiro instante da sua existência, com a plenitude da graça, a ponto de o anjo Gabriel, no dia da Anunciação, chamá-La de "Ave, Cheia de Graça!".

Terceiro Mistério:
Honremos o Espírito Santo, adorando-O no mistério de Pentecostes, em que Ele fez nascer a Igreja, conduzindo-a até os dias de hoje, para ser sacramento de Salvação e de Comunhão dos cristãos entre si e com Deus.

Quarto Mistério:
Honremos o Espírito Santo, adorando-O na sua presença e atuação nos Apóstolos, no primeiro anúncio do Evangelho, da boa nova de Jesus Cristo morto e ressuscitado, Senhor do céu e da terra.

Quinto Mistério:
Honremos o Espírito Santo, adorando-O na sua presença atuante e permanente na vida e missão de todos os batizados, dando-lhes força e coragem para serem testemunhas e missionários de Jesus Cristo na Igreja e no mundo.

Nas contas grandes (da contemplação):
Dirigente 1: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.
Dirigente 2: Enviai, Senhor, o vosso Espírito e tudo será criado.
TODOS: E renovareis a face da terra.

Nas contas pequenas (nas Ave Maria):
Leitor: Pai, nós vos pedimos, em nome de Jesus Cristo.
TODOS: Enchei-nos do Espírito Santo!

No final de cada dezena:
Dirigente 1: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.
Todos: Como era no princípio, agora e sempre. Amém.
Continua.
Yasmin disse…
(Continuação) p. 03 do Livrinho, "Novena pela Beatificação do Servo de Deus Padre Victor". Terço do Espírito Santo.

(Após cada mistério rezado, cantar um refrão de um canto popular do Espírito Santo).

Dirigente 1: Confiando no poder e na ação do Espírito Santo, esperamos que a bom tempo seja proclamada pela nossa Igreja a santidade do nosso Servo de Deus Padre Victor. Para isso, vamos rezar a Oração pela Beatificação:

TODOS: Ó Pai, que concedestes a vosso Servo Padre Victor ser amigo dos pobres, dos humildes e dos simples e lhe destes a graça de ser vosso fiel servidor na busca do Reino dos Céus, nós Vos pedimos que a Igreja possa reconhecer oficialmente as suas virtudes e o proponha como modelo e protetor nosso.
Por ter sido exemplo de pobreza, de simplicidade, de caridade para com os mais pobres e de serviço dedicado à Igreja, nós Vos pedimos que, pela sua valiosa intercessão, obtenhamos no coração um ardente amor a Vós e ao próximo. Isso Vo-lo pedimos por meio de Jesus Cristo, Vosso filho, em união com o Espírito Santo. Amém.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…