Famílias que ajudaram na formação da cidade.


Uma descendente de Maria Vilela do Espírito Santo, Rita Victalina de Souza, foi casada com o viúvo e delegado de Carmo da Cachoeira. O primeiro casamento de José Fernandes Avelino deve ter sido (ainda não conseguimos documentar) com uma neta ou bisneta de Manoel Antonio Rates.

Foram eles doadores, em partes, das terras que formaram o Patrimônio de Nossa Senhora do Carmo. Da Família Faria, em citação na árvore genealógica dos Dias de Oliveira-Bueno, lê-se: Gustavina Ordália de Oliveira, casada com João da Costa Faria, natural da Ilha Terceira e Ana Justina da Rocha. São pais, entre outros de Ismael de Oliveira Faria casada com Jayra dos Reis Campos. Hoje mora em Cachoeira o Dr. Saulo Faria, sobrinho de Ismael e casado com Marilda Naves, é filho de João Antonio Naves e Jacinta Naves. São Muitos os irmão s de Ismael, maior ainda o número de sobrinhos.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria:
Artigo Anterior: Criança de 5 anos vendida em Minas Gerais.

Comentários

projeto partilha disse…
Professor Jaime Corrêa Veiga. Autor da obra, "O Poço da Cobra Preta". Editada pela GRASAL - Gráfica Santo Antônio Ltda. Três Pontas, Minas ;Gerais. 1976. Ao prefaciar a obra, diz o autor: "Escrevi esta história e a ofereço à minha filha Clarinha.1973 -3-1. Porangaba (Fazenda)- "próxima da fazenda de meus pais, Francisco Corrêa de Figueiredo e Clara Veiga Corrêa."
Por: Augusta(Gustinha)."Assim era meu querido, amado e saudoso pai:"
Nascido em Nepomuceno, Minas Gerais, foi casado com Maria Augusta Vieira Corrêa. Tiveram 06 filhos: Solange; Marluce; Gilberto; Maria da Glória; Clara e Augusta.
Foi professor de Geografia e História em Três Pontas e Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Cumpriu tão bem esta sublime missão de Mestre, que era adorado por seus alunos, que o chamavam carinhosamente de "tio Jaime". Homem de um coração gigante, era tranquilo, amigo, companheiro, desprendido de bens materiais e amigo da natureza. Conhecia como ninguém os belos pássaros brasileiros e sempre dizia da necessidade urgente de proteger nossa avifauna. Ele sempre dizia também, que o progresso estava exterminando nossos pássaros. Que a Polícia Florestal perseguia os caçadores, mas não tomava conhecimento da mortandade ocasionada por herbicidas e pulverização das lavouras em excesso. Escreveu um livro sobre os pássaros: "Pássaros de gaiola", onde mostrava todo o seu conhecimento e amor por eles. Vários pássaros foram citados no livro: Pintassilgo, Patativa; coleira; Azulão; Tibiu; Canários; Tico-tico; Pássaro-Preto; Encontro; Sabias; Cardeal; Chorão; Sodadinho; Chopim; Gaturamo; Sanhaço-frade; João-totonho, entre outros.
Ao ficar viúvo passou a residência para Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, depois de contrair o segundo casamento com dona Mariana Reis. Deste casamento não teve filhos. Assina, Augusta, Belo Horizonte, 24-10-2007.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.