Pular para o conteúdo principal

Voluntários de São Pedro de Rates.


Leigos ligados à Paróquia Nossa Senhora do Carmo, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais estabelecem laços comunitários entre si.


Grupo de cristãos católicos moradores na zona norte da cidade, mais especificamente, nas ruas Domingos Ribeiro de Rezende, Francisco de Assis Reis, Tufi Kalil Auad, Olympio Virgulino de Sousa, Moacir de Carvalho, Dep. Manoel Costa e Odilon Pereira se reunem para orar. A fé levou alguns a agir. Saíram de suas casas e procuram outras pessoas imbuídas do mesmo propósito e propuseram encontro num mesmo local e no mesmo horário com o intuito de rezar o Terço grupalmente. Os encontros acontecem todas as quartas e sextas-feiras.
Foto: Evando Pazzini - 2009

Próxima imagem:
Imagem anterior: Coral da Comunidade São Pedro de Rates.

Comentários

Duarte Lopes disse…
Boa noite
Por causa da geminação de S, Pedro de Rates com a cidade Mata de S. João, Baía, descobri o seu blogue.
S. Pedro de Rates, uma pequena vila do Concelho da Póvoa de Varzim, distrito do Porto, Portugal, é a terra onde nasceu Tomé de Sousa.
Gostava de saber se S. Pedro de Rates, título deste "post" tem alguma relação com a terrinha lusitana que um dia viu partir aquele que viria a ser o fundador da S. Salvador da Baía.
Certo que obterei resposta da sua parte, despeço-me com um forte e fraterno abraço.
Duarte Lopes
Fábio disse…
Ola estou visitando aqui e gostaria de aproveitar para convidar a conhecer meu trabalho através do blog Ecos em www.ecosdotelecoteco.blogspot.com Forte abraço e sucesso na proposta!!
projeto partilha disse…
Olá, Duarte Lopes. O que este blog busca é conhecer a origem da cidade de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, cujas origens mais remotas são ainda desconhecidas. Por ocasião das comemorações de 150 anos da Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, cidadãos católicos cristãos, tendo a frente o pároco local, Pe. André, aprofundaram as pesquisas já existentes. Duas coisas estavam clara para o grupo buscador: obter dados sobre seu primeiro morador, Manoel Antonio Rates/Rattes/Raty/Rath/Ratis e saber em nome de quem foi dada a provisão para funcionamento da atual matriz da cidade. A papelada avolumava-se dia-a-dia sem resultado concreto. A família Rattes entrou na luta pela busca. Não deixe de visitar familiarattes.blogspot.com e verá o trabalho. Bem, na falta de dados mais concretos, investimos, no momento, numa de nossas hipóteses: os "Rates" podem estar no Brasil, se não antes, pelo menos como parceiros de Tomé de Sousa, conforme o senhor constata. Apareça sempre. Será um imenso prazer recebê-lo.
projeto partilha disse…
Oi, Fábio. O administrador desta página irá contatá-lo visando combinar como fazer sua apresentação a seus leitores. Gratidão por sua presença.
projeto partilha disse…
Leigos ligados à Paróquia Nossa Senhora do Carmo, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais estabelecem laços comunitários entre si.
Grupo de cristãos católicos moradores na zona norte da cidade, mais especificamente, nas ruas Domingos Ribeiro de Rezende, Francisco de Assis Reis, Tufi Kalil Auad, Olympio Virgulino de Sousa, Moacir de Carvalho, Dep. Manoel Costa e Odilon Pereira se reunem para orar. A fé levou alguns a agir. Saíram de suas casas e procuram outras pessoas imbuídas do mesmo propósito e propuseram encontro num mesmo local e no mesmo horário com o intuito de rezar o Terço grupalmente. Os encontros acontecem todas as quartas e sextas-feiras.
projeto partilha disse…
(continuação):
A partir deste impulso e com a continuidade dos encontros foi-se percebendo a necessidade de oferecer uma atividade que fosse voltada às crianças. Surge então o Coral Infanto-Juvenil da Comunidade Paroquial São Pedro de Rates. A foto do dia nos mostra a Nice, a Maria Trindade, o Tiãozinho, a Maria Maciel e a Moreira. São alguns, dentre outros participantes em idade adulta, que procuram manter acessa a chama da musicalidade na comunidade.
projeto partilha disse…
O "Povo de Deus" como parte ativa na construção do Reino de Deus no Planeta Terra fazendo sua parte em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Interessante é a forma como o grupo propõe suas ações. É através da colaboração de todos na discussão, na solução e no encaminhamento concreto do tema proposto. A última discussão aconteceu quando a apresentação do DVD "Campanha da Fraternidade Ecumênica em Família - 2010". A reunião aconteceu na última sexta-feira às 19:00 na sede da Comunidade Paroquial São Pedro de Rates. Mariana colocou uma necessidade surgida em sua rua. A decisão, após discussão, foi a do encaminhamento de uma cesta com alimentos básicos que já estava composta e fruto da doação dos produtos pelo grupo de oração sob a coordenação de Mariana. O entendimento grupal foi o de que seria a forma como Jesus Cristo agiria e assim procedeu na compreensão de que o auxílio viria a realizar o sonho do Mestre Jesus de construir uma sociedade mais justa e solidária, instalando-se assim, em um micro território o Reino de Deus sobre a Terra. É assim que procura agir o grupo representado pelas pessoas mostradas na imagem de hoje. Luz, Harmonia, Fé a Paz.
projeto partilha disse…
"Se não soubermos viver todos juntos como irmãos, parecemos todos juntos como tontos." (Martin Luther King".
"Não temais, pequenino rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino." (Lc 12,32).
Duas convicções atuam como bandeiras na Comunidade Paroquial São Pedro de Rates. São elas: Fé e Fortaleza. São esses dons nossos companheiros constantes, principalmente, quando surgem aparentes contradições entre idéias divergentes. Aliás, não existem divergências, o que existe, na realidade, é a percepção, por parte de cada um, de partes do processo em andamento. A visão de mundo e de vida de cada um vai se mesclando no grupo e sendo reconstruindo durante as discussões de idéias. Neste laboratório tudo se clareia possibilitando novas reconstruções. Sendo construções coletivas refletem o pensamento da sociedade local. Tudo se modela dentro de grupo que vivencia, em sua ação, o sistema comunitário. Na última reunião, sexta-feira, dia 5, 19:00 horas, Alcione coloca sua percepção sobre a "Família" que se constitui a Comunidade São Pedro de Rates. Diz ela: "A Comunidade não é uma Família?". Alcione retrata a realidade. Em seu entendimento é na comunidade, a partir das CASAS que são traçadas as relações de Amor Cristão verdadeiro. O Amor que vence o poder do mal. Aqui, foi no interior das CASAS que foram realizadas orações preparatórias para o Natal. Será nas CASAS, conforme a proposta da CNBB, que serão realizadas as reflexões sobre a Campanha da Fraternidade do ano de 2010. Alcione é uma das Animadores, juntamente com outros 14. Já se passaram 2010 anos do nascimento de Jesus e do anúncio da Boa Notícia de ele Ressuscitou. Foi quando num determinado lugar, muitos se juntaram para comemorar. Juntaram-se a partir das CASAS. Já se passaram 240 anos da presença da CASA da família de Manoel Antonio Rates, em Cachoeira, Minas Gerais. No mesmo local, neste ano de 2010, juntam-se os moradores de CASAS em FAMÍLIA COMUNITÁRIA, segundo Alcione. Vivem de forma comunitária a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2010. Gratidão e Luz a todos, em especial a Alcione que visualizou e partilhou sua visão a todos nós, enriquecendo-se cada vez mais.
Paz.
projeto partilha disse…
"a cada um é dada a manifestação do Espírito para utilidade comum." (Cf.: 1 Cor 12,7). Pelo que temos notícia, a Comunidade Paroquial São Pedro de Rates aspira assumir sua missão evangelizadora a partir do entendimento de que é a Família o esteio da sociedade. Para viabilizar esta aspiração cada membro se dedica naquilo que visualiza como DOM DO ESPÍRITO EM SI com dedicação, capacitando-se cada dia mais. A comunidade S.P.R. articula-se entre outras comunidades locais e, em comunhão com os princípios norteadores que, numa escala ascendente, daquele que nos está mais próximo, ou seja, o Pároco - Pe. André Luiz da Cruz, alcança o Mestre de Nazaré, Senhor Supremo do "Povo de Deus".
Antiga como "os Rates" em Cachoeira, seus moradores reinauguram um jeito antigo de participação - o de viver em comunidade. Aqui, na zona norte da cidade, a de São Pedro de Rates é uma das células do Corpo de Igreja. Olhos e ouvidos atentos e ligados ao orar e vigiar tentará não incorrer num dos erros mais comuns: sentir-se desarticulada. Para se construir a Civilização do Amor há que se ter claro de que não há o mais, nem o menos importante. A Paróquia está para todas as classes sociais e não para as classes médias e ricas bem como a Comunidade Paroquial não está só para os pobres. Cada unidade colabora com sua comunidade mais ampla, no caso, a Paróquia. É o elo da corrente que lhe está mais próxima. Aqui os integrantes assumem responsabilidades e as cumpre. Aqui procura-se integrar famílias, adultos e jovens em estreito relacionamento interpessoal na FÉ, na ESPERANÇA e na CARIDADE.
Assim caminha a humanidade, assim procura caminhar esta célula da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
projeto partilha disse…
San Pedro de Rates (Sam Pedro de Rates/ São Pedro de Rates/ Sancto Petro de Ratis) citado como primeiro bispo de Braga y mártir cristão. Discípulo de S. Tiago (Santiago), exerceu este apostolado de 45 a 60 da nossa era. Cf.: Arcebispos Primazes. Primeiro Volume Da 18a Parte Da "Monarchia Lusitana", por Jesus, Rafael de. Google Livros - Windows Internet Explorer:
"2. No anno de Christo 41. em q o Apostolo Santiago veyo a Espanha creou em primeyro Bispo de toda ella a Sam Pedro de Rates, e com elle a Primazia de Braga, fundada sobre esta polida, e firme pedra, q desenterrou de seus antiquíssimos alicerces, coroando com esta Ecclesiastica preheminencia, as de Augusta Colonia, entre todas, as q em Espanha (p.223) authorizou Roma com esta honra, e a de ser trono (...)"
projeto partilha disse…
Veja artigo, datado em 11 de fevereiro de 2010: Portugal assina geminação com Mata de São João, em http://vereadoralexandrerossi.blogspot.com
É o Blog do Vereador Alexandre Rossi - Windows Internet Explorer
projeto partilha disse…
SENHOR, ENSINAI-NOS A SEGUIR OS VOSSOS PASSOS.
Na quarta-feira de cinzas iniciou-se nas Terras de São Pedro de Rates a celebração da Via-Sacra. Na sexta-feira nova celebração. Durante todo o período quaresmal, quartas e sextas-feiras a comunidade se une e, com Jesus, percorre o caminho do Calvário. Que a graça de Deus nos acompanhe durante toda esta Quaresma no caminho da vida e da ressurreição.
De Mãos dados os participantes cantaram:
Quando o dia da paz renascer
Quando o sol da esperança brilhar,
Eu vou cantar!
Quando o povo nas ruas sorrir
E a roseira de novo florir,
Eu vou cantar!
Quando as cercas caírem no chão,
Quando as mesas se encherem de pão
Eu vou cantar!
...
projeto partilha disse…
(cont.) Quando os muros que cercam os jardins,
Destruídos, então, os jasmins
Vão perfumar!

Vai ser tão bonito se ouvir a canção,
Cantada de novo.
No olhar do homem a certeza do irmão:
Reinado do Povo.

Quando as armas da destruição
Destruídas em cada nação,
Eu vou sonhar!

E o decreto que encerra a opressão,
Assinado só no coração
Vai triunfar!

Quando a voz da verdade se ouvir
E a mentira não mais existir,
Será, enfim,
Tempo novo de eterna justiça,
Sem mais ódio, sem sangue ou cobiça:
Vai ser assim!

E, assim, no entendimento e na fé de que um NOVO MUNDO é possível, os membros da Comunidade São Pedro de Rates, tentam organizar a administração da grande casa da família humana no espaço em que eles estão inseridos. Seus membros sabem que fazem parte da grande FAMÍLIA HUMANA e, assim, cooperam, à sua forma, na organização da CASA, conhecida como PLANETA TERRA, comum a todos. Tentam (sem provincianismo) achar equilíbrio no consumo, nos gastos, alguns produzem as verduras e chás em suas hortas, fazem doces e queijos caseiros, trocam mercadorias que não têm, com aqueles que tem o que eles necessitam, tentam desperdiçar, o menos possível os alimentos. Solidariedade e partilha é o que não falta por aqui.
Vitinha disse…
Eu gostaria muito de saber notícias do Monsenhor José Nunes Senador, ele foi amiga de minha famíia durante muitos anos e a última notícia que tive foi um cartão enviado em dezembro de 2005 e o endereço era de Carmo da Cachoeira. Já fiz inúmeras buscas e nada encontrei, se por gentileza vocês pudessem me passar qualquer informação eu agradeço!
Obrigada!
Maria Vitor Pereira Capistrano- Vitinha
Entrar em contato se puder pelo email- camilladvale@hotmail.com
Fábio disse…
Olá tudo legal? Gostaria de convida a conhecer meu pequeno trabalho no blog Ecos em www.ecosdotelecoteco.blogspot.com . Sucesso com o blog aí hein... T +

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…