Alguns dados trazidos pelo Prof. Carlos Leonardo.


Em trabalho realizado por Carlos Leonardo Kelmer Mathias, doutorando em História Social pela UFRJ/Bolsista CNPq, sob o título: O perfil econômico da capitania de Minas Gerais na segunda década do século XVIII, notas de pesquisa - 1711/1720, diz:

"... esta é uma sociedade em essência rural". A afirmativa no contexto em que foi colocada se resume no seguinte: "Quando afirmo ser esta sociedade em essência rural, não estou desconsiderando o comércio intra capitanias de abastecimento, mas destacando que, dentre todas as 40 escrituras de compra e venda de bens urbanos não há nenhuma relativa a estabelecimentos comercial (...) ."

O Prof. Mathias exemplifica a falta de padrão nas procurações¹"uma para a freguesia de e Vila do Carmo.São Pedro de Rates (que juntamente com o Conselho de Lousada integravam a região do Porto)."  (...) As regiões que estavam inseridas na malha do ouro de Minas Gerais também padeciam desta mesma falha: Caeté, Catas Altas, Currais da Bahia, Matias Cardoso, Pitangui, Rio das Velhas, Rio de São Francisco, Sabará, São João Del Rei, Serro do Frio, Vila Rica



Fonte: 1. www.cedeplar.ufmg.br/
1. Tabela 1.9 do trabalho: procurações passadas para outras regiões de Minas Gerais (1711-1717).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.