Negritude no átrio da matriz de Cachoeirense.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Grupo de Congada de Oliveira, Minas Gerais em visita a Carmo da Cachoeira.
Foto: Maria do Carmo - Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Missale Romanum de 1875.
Imagem anterior: Detalhe de imagem sacra de fazenda sul-mineira.

Comentários

projeto partilha disse…
E o nosso insistentemente buscado MANOEL ANTONIO RATES/Rattes/Raty/Ratis/Rath? Um longo, persistente e iluminado caminho de retorno ao passado. É preciso contrariar Sérgio Buarque que afirmou que era ocioso voltar ao tema das câmaras do Brasil Colonial. Ao contrário, "é necessário e urgente voltar a esta temática que se imaginou esgotada, mas com novos olhos e recortes historiográficos de pequena escala." Cf.: Sobre os almotacés, introdução - Windows Internet Explorer
"(...) a cidade que não foi construída, mas que antes aconteceu, como na natureza: ao vento cabe a tarefa de espalhar as sementes pelos campos, sem nunca saber onde vão parar e germinar as sementes das futuras plantas (...)"
Flávio Rocha Puff, mestrando no programa de pós graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora, sob orientação da Prof. Dra. Carla Maria Carvalho de Almeida, cita BRAUDEL, Fernand. op. p.331, ao traçar a relação entre estabilidade e diversidade no pequeno comércio mineiro Camargos:(1718-1755) Como estaria inserido o comerciante/mercador? MANOEL ANTONIO RATES no contexto: "Porque é certo que nunca houve um país, em qualquer época que fosse onde os mercadores se encontrassem num único nível, igual entre si e a como que intercambiáveis".
projeto partilha disse…
Para Sérgio Buarque, (...) "a cidade portuguesa no Brasil, era apenas um entreposto comercial (...) uma simples feitoria comercial."
projeto partilha disse…
Entre diferentes pontos de vistas, estudiosos buscam responder perguntas formuladas por jovens, adolescentes, crianças em seu processo de formação: social, físico, religioso, ético, intelectual ... . Alunos cachoeirenses não sabem responder as seguintes perguntas:

- Quem foi o doador das terras que fizeram parte do Patrimônio de Nossa Senhora do Carmo?

- Quem deu autorização para funcionar a Capela que se transformou em Matriz de Nossa Senhora do Carmo. Em nome de quem está esta autorização?

Alguns autores dizem que os núcleos urbanos de origem portuguesa aparecem como sendo uma cidade sem regras, que "parecia estar só por acaso no seu lugar" e que "nenhum rigor, nenhum método, nenhuma previdência, sempre esse significado abandono que exprime a palavra 'desleixo' eram sua marca distintiva". A origem da Cachoeira dos Rates deve ter sua história registrada em algum lugar. Seria nas CÂMARAS MUNICIPAIS? Em qual delas?
projeto partilha disse…
Hoje o dia amanheceu iluminado em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Ao passar pela praça, olho a casa que está sendo mostrada aos fundos da imagem do dia de hoje - a casa, cujo barrado do alpendre e muro estão pintados de amarelo. Aceno com alegria e encantamento para dona Zilah do Percy que recebe, além do carinhoso acolhimento que cada manhã lhe presenteia, meu acesso e o retribui. Diz ela: o sol, o campo, os montes, os verdes, os pássaros, a praça, a água, os córregos e ribeirões, tudo faz parte de minha vida. Foi aqui que vivi meus sonhos e ilusões. É aqui que preparo uma recepção em comemoração aos meus noventa anos bem vividos. Um bom dia a você e a Tigreza (canina esterilizada, futura amiga de outra, de nome Clara que já mora na casa mostrada na foto. Foi adotada por dona Zilah, no intuito de ajudar a tirar animais errantes nas ruas da cidade). Um dia repleto de Paz e alegria a todos.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.