Vacinação anti-Rábica na Comunidade.


Acontece dia 11 de agosto a vacinação anti-rábica em frente o Santuário da Mãe Rainha de Carmo da Cachoeira.

Comentários

projeto partilha disse…
Divulgação - Mais um Serviço de Utilidade Pública. Comunidade fortalecida é aquela em que cada um faz sua parte. A consciência de que somos parte de um todo muito maior nos faz perceber nosso papel no processo de reconstrução de um mundo mais humano e fraterno. A nova construção embute uma visão igualitária - a de um lugar bom para se viver.
projeto partilha disse…
Dados geográficos informam que o Município de Carmo da Cachoeira tem altitude máxima de 1239 m. Fica na divisa com o Município de VARGINHA - no MORRO DO CHAPÉU, do qual Carmo da Cachoeira foi distrito. O MORRO DO CHAPÉU situa-se a sudoeste de Carmo da Cachoeira. Varginha situa-se no Planalto Atlântico e é denominado Planalto Sul Mineiro. Situa-se na Bacia do Rio Grande representada pelos rios Verde e Palmela. Cf.: site: MAIS VARGINHA - Perfil - Windows Internet Explorer
www.maisvarginha.com.br/vga_perfil.asp
projeto partilha disse…
A AMBASP - Associação dos Municípios da Micro Região do Baixo Sapucaí tem como objetivo ações que visem à articulação e o desenvolvimento, estimulando o associativismo com vistas a integração econômica e social dos municípios que a compõem. Integram a Associação 21 municípios da região sul do Estado de Minas Gerais.
Entre os prefeitos que participaram da Assembléia de Fundação da AMBASP, em 12 de julho de 1977, figura o nome do prefeito de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais - SEBASTIÃO MODESTO DE OLIVEIRA. Figura também, como presidente da AMBASP o nome do prefeito de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais - GODOFREDO JOSÉ CALDEIRA, com gestões nos anos de 1989; 1990; 1992; 1999; 2000 e 2007.
projeto partilha disse…
NEGROS BANTOS tem a ver com CARMO DA CACHOEIRA?
FUNARTE, Cadernos de Folclore, n.34, Rio de Janeiro, 1984, publica trabalho elaborado por MARIA DE LOURDES BORGES RIBEIRO, 1960, sob o Título: O JONGO. O jongo é uma dança que acontece ao som de instrumental próprio. A dança tem como formação a roda onde um jogueiro vai ao centro dançando sozinho, fazendo torções, se requebando, e escolhe uma mulher para seu par, mas par solto, um defronte o outro (...). Segundo a autora, em Minas Gerais, a dança é reconhecida na região compreendida entre CARMO DA CACHOEIRA e Passo Quatro. Na prática, no entanto, a memória foi apagada. Fatores, dos quais o cachoeirense desconhece, desestimularam a manutenção de sua cultura original. A autora, a partir dessa geografia sugere que a presença do jongo está identificada com os "primitivos focos de entrada de negros bantos em nosso país, na região centro-sul." (p.14)
projeto partilha disse…
Uma verdadeira benção, a presença dos NEGROS BANTOS nessas paragens. A forte característica da CULTURA BANTO, é o sentimento de unidade, irmandade e vida em plenitude, e nunca o de separação e morte. O pp. sistema de ensino dá ênfase aos sentimentos de incorporação e acolhimento. Sua cultura é, também, caracterizada pelo espírito agrário e religioso que protege e defende a vida em todos os sentidos.
Cf.: Revista Beach & Co.... Sistema Costa Norte Comunicação - Windows Internet Explorer
www.beachco.com.br/default.asp?id
Texto e fotos: Bruna Vieira
projeto partilha disse…
Apreciar o bate-papo que rola numa roda informal, onde estejam presentes, o seu Congo, seu Peró, seu Zé Rodrigues, "o povo de Esméria", "o povo dos Pimentéis", entre outros, é uma rara oportunidade para enriquecer nossos conhecimentos, em especial, sobre nossas origens. A contribuição desses que, na informalidade, falam sobre seu passado e sobre o passado de sua gente, dos que cantam e nos encantam ao se apresentarem modinhas que seus ancestrais interpretavam, é de valor inestimável. As lembranças das algazarras da meninada nas tardes de domingo, dos preparativos para as festas tradicionais no povoado, ganham vida e refletem a singeleza e a ingenuidade presentes no homem servil, que colaborou com sua presença, na formação social de Carmo da Cachoeira. As cantigas, as orações, os símbolos devocionais, os chás e o trato das ervas, as bênçãos, as danças, os princípios que deveriam guiar a vida adulta da prole, os costumes e tradições que não poderiam ser apagados, tudo vem à tona, quando essa gente simples, boa, caridosa e benevolente se encontra numa roda de amigos. Bom para eles, melhor para nós. São verdadeiros mestres que vivem a fé, a esperança e a caridade, aprendidos no sofrimento, na dor, na resignação. Guardam eles em seus corações histórias verdadeiras, reais - histórias que o tempo teima apagar. Surge, assim, farto material vindo dos questionamentos, da reflexão daquilo que se ouve nesses encontros lúdicos, verdadeira produção de conhecimento de cunho histórico-científico. Que a luz presente no universo fortaleça cada vez mais nosso povo, nossa gente.
projeto partilha disse…
- Onde encontrar nos Evangelhos exemplos de atitudes em que Jesus rompe com os preconceitos?
- Em (Jo 4.7): Disse Jesus: "Dá-me de beber". Então lhe disse a mulher Samaritana: Como, sendo judeu, pedes de beber a mim que sou mulher Samaritana (Jo.4,9). Por ter optado Jesus a percorrer o caminho por Samaria e a pedir água à uma samaritana, rompe Jesus com o preconceito racial. Cf.:também em (Gl3.28) e Ef2.14).
São Pedro de Rates, uma Comunidade de Comunidades, congregada no amor recíproco por um mundo mais humano e fraterno, até que o Deus do Amor seja tudo em nós. "Deus é espírito, por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade."(Jo 4, 20.24).
projeto partilha disse…
Sempre é bom reler, rever, repensar. Cf. Estudo: FRANCISCA PEREIRA DA SILVA, atualizado pelo Projeto Compartilhar em 02-Novembro-2008.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.