Quero ver a luz.

Aprisionado no meu mundo tenebroso,
Desconheço a realidade exterior.
Da vida, só conheço a escuridão,
Mas, percebo que algo muito grandioso
Está acontecendo ao meu redor.

-Quem é este que passa
E provoca este barulho, este tumulto,
Por entre a multidão?
- Um profeta de poder extraordinário,
Missionário de saber e muita ação!
- Mas, digam logo, quem é?
- É o Filho de Davi,
É Jesus de Nazaré!
- Jesus, Filho de Davi,
Tem piedade de mim!

- Que queres tu que te faça?
- Que enxergar, meu Senhor!
- Basta-te a tua fé!
- Basta-te a minha graça!

- Eu te dou graças, Senhor,
Por tudo que posso ver:
Posso ver as maravilhas
Que existem ao meu redor!

Posso ver o pôr-do-sol,
Os passarinhos, a flor,
Posso ver o arrebol,
Tudo é obra do Senhor!
Mas, também, que não falte
A luz dos olhos da alma,
Que é luz interior.
Que o teu Espírito divino
Acenda em mim essa luz.
Que ele faça o meu destino
Ser um dia ver Jesus!


Trecho da obra:
Encontros e desencontros
de Maria Antonietta de Rezende

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto:
Texto Anterior: O vaso partido, um poema de Sully Prudhomme.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.