A cachoeira do Pai Paulo na fazenda do Pinhal.

de: Júnior Caldeira

Cachoeira do Pai Paulo .......
Esta Cachoeira está às margens da Rodovia Fernão Dias. Foi de
propriedade do meu avô Lourival de Campos Reis, foi herança de seu pai Capitão Francisco de Assis Reis, parte da antiga fazenda do Pinhal. Francisco de Assis Reis era filho do Alferes Manoel dos Reis e Silva e neto do Capitão Manoel dos Reis e Silva casado com Mariana Vilela do Espirito Santo.

Comentários

projeto partilha disse…
Júnior Caldeira. Profunda e eterna gratidão por sua participação. Apareça sempre. É sempre um prazer receber suas comunicações.

Júnior Caldeira, vamos ver se a gente faz alguma ligação de sua ancestral Mariana Vilela do Espírito Santo com dona Carlota Maria do Espírito Santo, considerando a diferença no tempo histórico, claro. Dona Mariana, sua ancestral no século XVIII e dona Carlota "como tutora de seus filhos menores, no ano de 1918". Vejamos:

"Procuração bastante que faz dona Carlota Maria do Espírito Santo por fallecimento de EUGENIO ADELINO DE SOUZA, como adiante se vê:
Saibam quantos este público instrumento de procuração bastante virem que, sendo no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil nove centos e dezoito neste districto do Carmo da Cachoeira, Comarca da Varginha, Estado de Minas Geraes, aos dezesete dias do mes de Maio do mesmo anno, mes digo, compareceram como outorgantes em meo cartório, dona Carlota Maria do Espírito Santo por si e como tutôra de seus filhos menores Benedicto Avelino, José Fernandes e de Benedicta de Souza casada com Antônio Sollano d´Oliveira, todos herdeiros do fallecido Eugênio Adelino de Souza, moradores neste districto, reconhecidos pelos próprios de mim tabelião e das testemunhas adiante nomeadas e assignadas e estas também de meu conhecimento de que dou fé, perante as quaes por elles outorgantes me foi dito que, por este publico instrumento de procuração bastante e na melhor forma de direito que a lei outorga nomeiam e constituem seo bastante procurador, na cidade da Varginha, ao advogado Luís José Álvares Rubião com poderes especiais para terminar o arrolamento dos bens do finado EUGENIO ADELINO DE SOUZA e concordar com todos os termos do processado, e concorda com a partilha dos mesmos bens por elle deixado, podendo para isso citar e ser citado, requerer tudo que em direito for permittido, assignar termos de arrolamento, concordar com pagamentos e assignar auto de partilhas, emfim, usar de todas as outorgas necessárias para o cumprimento deste mandato, e o de substabelecer esta em que convier. Assim o disseram e outorgaram, do que dou fé, e me pediram fizesse o presente instrumento que lhes sendo lido por mim, acharam conforme acceitaram e assignaram com as testemunhas presentes no auto sobre estampilha de dois mil réis perante mim tabelião que esta escrevi e assigno. Adelino Eustachio de Carvalho. Assinam: Carlota Maria do Espírito Santo; Benedicto Adelino (?) de Souza; José Fernandes de Souza e Antônio Solano de Oliveira. Como testemunhas: Nicolau Antonio e Luiz grande. Observação: no alto da página onde estão as assinaturas, em seu canto direito a rubrica, Gouveia e o número 67. As assinaturas aconteceram no dia 17 de maio de 1918.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.