Pular para o conteúdo principal

Boletim da Sociedade de São Vicente de Paulo.

A Sociedade de São Vicente de Paula (Paulo) em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais tem suas raízes firmadas no firme propósito do Pe. Manoel Francisco Maciel que, impulsionando seu irmão (ambos in memoriam), Antônio Bonifácio Maciel (cartorário na cidade) buscou, neste manual, as informações necessárias para sua implantação. O objetivo do Pe. Manoel e de Antônio era manter um ponto de encontro de jovens que, integrados na busca de um ideal pudessem ter suas consciências ampliadas. O caminho seria o que lhes pudesse oferecer oportunidade do exercício contínuo de serviço altruístico e desinteressado.

Quando o Projeto Partilha conversou com seu Antônio sobre os primórdios do "Asilo", ele disse: "Na realidade, o que se pretendia era organizar um grupo de moços, todos cristãos que desejassem formar uma união comum de orações e obras de caridade". Mostrando um livro de registro de presenças, cuja página inicial, em seu topo, estava escrito: "mês de dezembro de 1946 vimos os nomes dos jovens que, em Carmo da Cachoeira se alinharam em torno dessa bandeira: oração e obras de caridade. Foram os seguintes:

Orlando Brasiliense Naves
José Chagas
Wanderley Ferreira de Rezende
Domingos de Oliveira Godinho
Ismael de Oliveira Faria
João Francisco Alvarenga
Antonio Bonifácio Maciel
Delfino Antonio de Mesquita
Jacy de Oliveira Vilela
Saul de Oliveira Vilela
Antônio Adriano da Silva
João de Oliveira Faria
Ozório dos Santos
Antônio Augusto Leite
Olympio Virgulino de Souza
Pedro Juvêncio de Souza
Francisco Lopes de Souza
Geraldo Sidney Faria
José Cândido da Silva
Constantino dos Santos
Juvenal Machado.

Dois anos depois, numa das páginas seguintes, um termo de abertura:

"Este livro tem 81 páginas que serve para chamada dos membros da Sociedade São Vicente de Paulo. Carmo da Cachoeira, 12 de dezembro de 1948. O presidente, Orlando Brasiliense Naves".

Seguem relacionados os nomes acima, mais o de:
Manuel Monteiro Azevedo
José Custódio do Nascimento
Antônio Jorge
Guido Martins da Costa
Altamiro Custódio
Venerando Barboza
Valter Pereira Barboza
Paulo Romaniello
José Reinaldo Rezende
Amado de Jesus
Carmo Alves
José Maria Adriano
José Paulino Machado
Otávio Marques
José Marcelino de Almeida
Antônio Vilela de Oliveira
Geraldo Moreira Naves
Vitor Adélio Leopoldino
Geracídio Teodoro do Prado
Ciro Severiano de Almeida
José Marcelino da Costa
Domingos Arruda
Guiomar Severiano de Almeida
José Siqueira de Melo
José Umbelino
Vitor Carvalho do Carmo
Agenor Joaquim de Carvalho
Benedito Tiburcio de Melo
João Rosa Vitor
Randolfo Ferreira de Rezende
Sebastião Batista Nogueira
Urbano Reis

Antônio Maciel lembrou seguinte:

"A Sociedade de São Vicente de Paulo foi criada pelos moços e para eles. A intenção era de preservá-los dos perigos de toda sorte a que se acham expostos nesta fase de suas vidas.
Mantinham com assistência, casinhas, onde moravam pessoas que "passavam por dias difíceis". O fim da sociedade era aperfeiçoar os sentimentos cristãos das pessoas que estavam em dificuldade. Enfim, não é só o alívio, sem dúvida louvável, mas é um objetivo meramente humano. O mais importante era o zelo pela salvação das almas, através da união e de orações."


Na folha de número 17 a constituição da diretoria no ano de 1952:

Conferência São Vicente de Paulo de Carmo da Cachoeira.
presidente: Antônio Bonifácio Maciel
Vice- presidente: Antônio Adriano da Silva
Secretário: Guido Martins da Costa
Segundo secretário: Constantino dos Santos
Tesouraria: Pedro Augusto
Segundo tesoureiro: João Francisco Alvarenga.

Da relação de confrades, os novos nomes são:

José Rosário da Costa
José Guilherme Emergente
Manoel Batista da Cruz
Osvaldo Alves
Manoel Guilherme Arcanjo
José Paulino Machado
Pedro Vilela de Rezende
Francisco Reinaldo Rezende
Antônio Sales
Antônio Clemente do Nascimento
Geraldo de Araújo Leite

Arte: TS Bovaris

Próxima imagem: Crianças em evento cultural em Minas Gerais.
Imagem anterior: Flores do Campo na fazenda dos Tachos, Minas

Comentários

projeto partilha disse…
"Buscai e achareis.
Batei e abrir-se-vos-à.
Pois nada é inerte à voz da alma
que almeja alcançar.
Nada é imune ao apelo
do espírito que procura encontrar."
projeto partilha disse…
A Sociedade de São Vicente de Paula (Paulo) em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais tem suas raízes firmadas no firme propósito do Pe. Manoel Francisco Maciel que, impulsionando seu irmão (ambos in memoriam), Antonio Bonifácio Maciel(cartorário na cidade) buscou, neste manual, as informações necessárias para sua implantação no. O objetivo do Pe. Manoel e de Antonio era manter um ponto de encontro de jovens que, integrados na busca de um ideal pudessem ter suas consciências ampliadas. O caminho seria o que lhes pudesse oferecer oportunidade do exercício contínuo de SERVIÇO ALTRUÍSTICO E DESINTERESSADO.
projeto partilha disse…
Escriptura de compra e venda que entre si fazem como outorgante vendedores (ilegível)d´Alkmin e sua mulher dona (ilegível/...ane Silva Villela e como outorgado comprador João Villela de Rezende como adiante se vê:
Saibam quantos este publico instrumento de Escriptura de compra e venda virem que, sendo no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil novecentos e dois aos dizesete dias do mes de junho do mesmo anno neste Districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Geraes na Fazenda de residencia de dona Anna Emigdia Vilela, viúva do fallecido João de Rezende Branquinho onde (...) fui vindo e sendo ahi compareceram como outorgantes João(?)(ilegível/...umas d´Alkmin e sua mulher dona Julia Paranayba Villela residentes no districto de Luminarias, Município de Lavras do Funil como outorgante comprador João Villela de Rezende residente no mesmo districto (Cachoeira do Carmo), na Fazenda Taquaral conhecidos todos de mim tabelião e das duas testemunhas no fim desta assignadas e estas também minhas conhecidas, de que dou fé. Pelos outorgantes e outorgado em presença das mesmas testemunhas foi informado de que sendo os primeiros outorgantes possuidores d´uma fazenda de engenho da Fazenda do Taquaral, districto de Luminárias, Município de Lavras do Funil com parte de engenho como discrito possuem terra e (ilegível) inclusive os de hippoteca legal a vende pelo preço e quantia certa de quinhentos mil réis que (...) minhas notas, a qual lhe li e achou conforme e assignam com as testemunhas presentes sobre uma estampilha federal de valor de um mil réis. Eu Adelino Eustáchio de Carvalho, que esta escrevi e assino. Seguem as assinaturas de Aurélio Batista de Rezende (e Naves?); ten. Beraldo Alexandre da Silva e Joaquim Neves Gomes.
projeto partilha disse…
De: PROJETO PARTILHA.
Para: Padre Manoel Francisco Maciel e
Antonio Bonifácio Maciel - Cidadão Cachoeirense, por Título de Cidadania, expedido pela Câmara Municipal da cidade.


Irmão em Cristo. Queiram receber, em suas moradas nos planos internos da vida, hoje chamado de "PLANO DIVINO", um regalo especial. Ele corresponde ao reconhecimento dos fiéis católicos da cidade pela implantação deste belíssimo trabalho. O projeto Partilha escolheu um trecho de uma obra especialíssima:

"A Pedra Filosofal".

"Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança."
projeto partilha disse…
Procuração bastante que faz o Revdo Cônego Estanislao Mosciaro , Vigário e Fabriqueiro desta Matriz do Carmo da Cachoeira, na forma adiante declarada:
Saibam quantos este melhor instrumento de procuração bastante virem que no anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de mil novecentos e dois, neste Districto do Carmo da Cachoeira, Comarca de Varginha, Estado de Minas Geraes, em o meu cartório aos dois dias do mes de junho do mesmo anno, compareceo o senhor Conego Estanilau Mosciaro, Vigário e Fabriqueiro da Matriz desta freguezia, como outorgante, reconhecido de mim próprio e das testemunhas abaixo assignadas estas também minhas conhecidas, de que dou fé; perante as quaes elle outorgante me foi dito que, por este melhor instrumento e na melhor forma de direito que a lei (ilegível) nomeia e constitui seu bastante procurador na cidade de Varginha ao douctor Antonio Pinto de Oliveira especialmente para que em seo nome, e, como se presente fosse tractar demarcações das divisas do Patrimônio de Sam Bento (São Bento) desta freguesia, dando eu por este fim poderes illimitados e de substabelecer esta em pessoa de sua confiança se assim for conveniente. Como assim disse e outorgou, de que dou fé, e me pedio fazer o presente instrumento em minhas notas o qual lhe li e achou conforme, accertou, assigna com as testemunhas presentes sobre uma estampilha federal de selos no valor de um mil réis, assignaturas esta que (ilegível) por mim tabellião Adelino Eustáchio de Carvalho que esta escrevi e assino. Seguem as assinaturas de Cônego Estanislao Mosciaro; Ten. Beraldo Alexandre da Silva e Joaquim Alves Gomes.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…