O processo de construção da identidade.

"A memória se enraíza no concreto, no espaço, no gesto, na imagem, no objeto."
Nora - 1993

A memória nos permite contemplar a passagem do tempo, sem ela estaríamos presos a um eterno recomeço. É através da memória que construímos uma identidade e encontramos sentido para o que somos. (...) Mas quanto aos silêncios e esquecimentos deliberados? (...) O silêncio é revelador, pois ainda é possível delimitar a forma das peças que faltam no conjunto. Como um quebra cabeças, podemos descobrir nos buracos não preenchidos, aquilo que está ausente no todo. (...) Ao fazermos isso, recuperamos o direito de manifestação de vozes excluídas por algum motivo injustificável. É desse modo que reelaboramos a memória para que a polifonia que compõe nossa identidade fique completa.

»»»»» Fotos e texto integral

Quem foi:
- Clara Maria de Jesus, casada com Manuel dos Reis e Silva, eleitor em Boa Vista de Lavras em 1847, com 43 anos???

- Quem foi Manoel Antônio Rates??

- Quem foi Maria Clara Umbelina, casada com José Fernandes Avelino, moradores na fazenda Saquarema, Carmo da Cachoeira - Minas Gerais?

Silêncio ... Silêncio ... Silêncio.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.