No poço de sicar.

Quem é este forasteiro,
De arrojada postura,

Que ignora preconceitos
De raça e de cultura?

Quem é este que me espera,
Para oferecer-me cura,
Que conhece minha vida,
Meu passado de loucura?
Que me dirige a palavra,
Sendo eu uma mulher
E sendo ele um judeu,
E eu, uma samaritana,
E me oferece da água
Que de sua fonte mana?

- Ó Senhor, dá-me de beber
Desta água viva que jorra,
Sem jamais interromper,
Rumo à eternidade!
Senhor, sacia-me a sede
De amor e felicidade!
Vejo que és um profeta,
Ensina-me, pois, a meta!
Onde devemos adorar?
Meus pais me disseram que é aqui,
Mas desejo confirmar.

- A salvação que esperas,
E que esperam os filhos teus,
Em verdade, eu te digo
Que esta vem dos judeus.
Mas, se queres adorar,
Em espírito e verdade,
Não importa o lugar,
Aqui, ou onde estiveres,
O Pai tu adorarás.

-Sei que o Messias virá,
Sei que virá o Ungido,
E nos há de revelar
O que não temos entendido.

- Estou diante de ti,
E tu conversas comigo.
Sou Eu, este de que falas, Sou Eu quem fala contigo.

Trecho da obra:
Encontros e desencontros
de Maria Antonietta de Rezende

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto: O vaso partido, um poema de Sully Prudhomme.
Texto Anterior: Tu e eu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.