Pular para o conteúdo principal

Comunidade São Pedro de Rates na Câmara.

Carmo da Cachoeira, 1 de abril de 2009.

À Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, Minas Gerais.
Sr. Presidente da Edilidade,
João Donizete Mantovani.

Que a alegria, a esperança e a paz do Cristo estejam presentes neste ambiente.

A Comunidade Paroquial São Pedro de Rates visita hoje esta casa sob sua presidência com a finalidade de se dar a conhecer, e para lhe entregar um CD, que pedimos possa fazer parte dos arquivos da Casa. Presentearemos, também, com um exemplar, a cada um dos vereadores eleitos pedindo que o mesmo seja divulgado entre os eleitores que constituiu a plataforma de seu eleitorado.

Este CD foi projetado pelos professores Evando Pazini e Leonara. A idéia do casal foi sintetizar o caminho percorrido pela casa, onde hoje está situado o Santuário Mãe Rainha. João Paulo Alves Costa foi responsável pela trilha sonora. Ele induz a leitura que poderá ser feita a partir das imagens selecionadas e nele mostradas. Como cachoeirenses, reconhecemos a importância dos acontecimentos presentes e passados, no lugar que nos serviu de berço, e onde vivemos e pretendemos criar nossos filhos. Preocupamo-nos com os fatos ocorridos em nossa cidade, nosso bairro, nossa rua e sabemos, por viver e interagir em comunidade, que cabe a Câmara influir sobre as coisas que nos afetam, direta ou indiretamente, bem como nas coisas que repercutem a todo instante na qualidade de vida de nossa gente, do povo cachoeirense e, junto com o prefeito, é esta casa que deverá zelar pelo lugar onde moramos, pela vizinhança do nosso lar, pelos caminhos que precisamos utilizar em nosso percurso diário rumo à escola, ao trabalho, às atividades sociais, religiosas ou ao comércio, entre outros compromissos assumidos por cada cidadão em seu fazer diário.

Sabemos que é aqui, nesta casa que se assentou as bases, e é onde está alicerçado o processo democrático e de direito, portanto, processo participativo. É a Câmara Municipal que está presente desde o início de nossa história, ainda com Brasil Colônia. Inicialmente, nossa Câmara referência era São João Del Rei, depois Carrancas, a seguir Lavras, depois Três Pontas e Varginha até que, em nossa Emancipação Política, no ano de 1938 temos esta casa. A trajetória foi longa e se iniciou a partir da primeira Câmara das Américas, na Vila de São Vicente, sede da capitania do mesmo nome e que abrangia do Rio de Janeiro ao Paraná, incluindo onde fica hoje o território de Carmo da Cachoeira. Esta Câmara inicial era chamada "Senado da Câmara" ou "Conselho" e se multiplicou por todo o país.

Hoje estamos diante de uma instância representativa a quem rendemos nossas homenagens, e quem entregamos, através de um CD, parte de nossa história. História que, através dos elos da grande corrente chega até nós o sangue indígena do Cacique Tibiriça e sua filha Bartira, casada com o bandeirante João Ramalho. Foi ele, e sua descendência que, subindo o Planalto de Piratininga foi plantando vilas e cidades ao longo dos rios Tietê, Paraná, Grande, entre muitos outros. Monções, Bandeiras, Bandeirantes fazem parte inconteste da história de nossas origens. Estes desbravadores, ao avançar, forçavam a linha vertical, que demarcava áreas de acordo, surgidos do Tratado de Tordesilhas. Foram milhões de quilômetros quadrados conquistados. O preço pago por eles foi muito alto. Enfrentavam doenças, animais ferozes, silvícolas. Eram homens corajosos, valentes, sabiam o que, e como queriam as coisas. Interferiam nas decisões através da Câmaras já existes. Aí é que sempre vigorou o Estado de Direito. É a Casa de Morada da Democracia. Em milhas, partindo de Taubaté, fundaram 36 das mais antigas cidades, entre elas Lavras do Funil, de quem nos tornamos DISTRITO com o nome do Carmo da Boa Vista, depois, Carmo da Cachoeira, e em determinado momento vigorou a lei que a definia com Carmo da Cachoeira dos Rates.

Esta comunicação segue assinada pelos integrantes da referida comunidade, guardiões e aspirantes do Santuário Mãe Rainha da cidade.

A esta casa, sede do Legislativo, que detém o poder de legitimar os atos da Câmara, solicitamos que receba e arquive um exemplar deste trabalho síntese, realizado pela Paróquia Nossa Senhora do Carmo, por ocasião dos 150 anos de sua elevação de capela a freguesia (Matriz), e sintetizado pelos professores Evando e Leonara e pelo cidadão cachoeirense, João Paulo Alves Costa.

Nossa gratidão e respeito.

Comunidade Paroquial São Pedro de Rates, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Brasil.


Próxima imagem: Semana Santa 2009 em Carmo da Cachoeira.
Imagem anterior: Mãe Peregrina no Santuário Mãe Rainha.

Comentários

projeto partilha disse…
Constava da pauta desta mesma sessão um estudo muito interessante, e que irá elevar a qualidade de vida do cidadão cachoeirense. Visando cumprir o prazo dado pelo Governo Federal para regularizar a questão do ESGOTO (2010), as Administrações Públicas, 2005-2008 e a atual, se articularam visando encomendar Projeto a fim de atender o referido prazo. O estudo que já havia sido solicitado pela Administração 2005-2008 foi encomendado a COPASA, que só agora o entrega para análise da Câmara Municipal. Estiveram presentes a sessão o Ex-prefeito Godofredo José Caldeira Reis (2005-2008) que, em sua fala diz: "o momento é agora". O ex-prefeito estava acompanhado do presidente de seu partido político e do ex- secretário da Saúde de seu governo. Ao usar o microfone, o atual prefeito, Élcio Reis, disse ser realmente necessária e execução das obras de Saneamento Básico. A população presença, que lotou a Câmara neste dia, usou do microfone colocando o seu lado. Disse: "dinheiro do cidadão cachoeirense" não deve ser usado para pagar dívidas. Se existe o prazo dado pelo Governo Federal, este deverá ser cumprido. O suado dinheiro do contribuinte deverá ser empregado em ações construtivas, e não para saldar dívidas por falta de cumprimento de prazo estipulados por Lei. A professora Leonara usando da palavra sugeriu que os vereadores se aproximassem da Educação, e a utilizasse como alavanca conscientizadora. A contribuinte Lilian fala dos desmandos neste setor no Bairro Praça de Esportes.
Ao terminar a sessão o Gerente da Copasa em Belo Horizonte, e presente na sessão no papel de coordenador dos trabalhos de apresentação, diz: "Carmo da Cachoeira mostrou-se como exemplo. Não vi, no Brasil, nenhuma discussão com tanta participação e "falas", incluindo, posição, oposição e cidadãos locais, que são participativos.
Foi solicitado pela população inclusão nas cláusulas do contrato, a questão de uma "Cratera" existente nos fundos dos quintais da Rua Olímpio Virgulino de Souza. O local necessita ser visto com profissionalismo no referido projeto, desde que requer estudo de impacto ambiental. Está no CAMINHO DAS ÁGUAS que descem do morro em direção ao Ribeirão do Carmo, junto a CACHOEIRA DOS RATES, exatamente, onde Manoel Antonio Rates construiu sua casa, e esta era a água da qual sua família se servia(ano 1770-século XVIII) era procedente dessas minas existentes em vários talvergues acima.
projeto partilha disse…
PROCISSÃO DO ENCONTRO.

TERÇA-FEIRA SANTA, dia 07

"No caminho do Calvário, Mãe e Filho se encontram."

O ENCONTRO será junto ao "Santuário" Mãe Rainha, na Comunidade Paroquial São Pedro de Rates.
Nossa Senhora das Dores virá da Igreja Nossa Senhora da Esperança.
Nosso Senhor dos Passos virá da Comunidade Paroquial de Sant´Ana e Frei Galvão, no Bairro Bom Retiro, onde haverá o Sermão da Prisão.
leonor disse…
As duas cadeiras vagas correspondem a ausência dos vereadores na sessão do dia 1 de abril. Renata Chagas apresentou justificativa através de atestado médico. O outro vereador não justificou ausência, pelo menos não a ouvi nas leituras feitas pelo secretário da mesa.
projeto partilha disse…
Não espere demais do MUITO - e bem menos do POUCO.
Espere uma PORÇÃO do POUCO, que você não se desapontará.
projeto partilha disse…
MORAL SOCIAL

O POVO DE DEUS no mundo e sua relação com a sociedade deve passar por reflexão contínua, e é o que a Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo, sob a orientação de seu Pároco André Luiz da Cruz tem feito. Durante a subida do Calvário e, a cada uma das 14 estações, até chegar ao Cruzeiro as "falas" foram todas voltadas ao social. Lembrou-se dos presos, dos enfermos, dos anciãos, dos materialistas e "espiritualistas" abastados e carentes, dos pobres, dos letrados, dos analfabetos, dos drogados, dos idealizadores, dos cristãos e não cristãos, do cidadão sem teto e terra, da mãe desolada, do filho carente, do jovem em sua busca e fé, das crianças sem lar e tuteladas pelo Estado, das trevas e da luz, do materialismo corrosivo e devastador, do consumismo desenfreado, dos administradores, dos legisladores, do judiciário, da Segurança Pública, das estradas e dos veículos que por ela circulam e de seus condutores, hospitais, dos moradores das ruas, dos animais e do meio ambiente - do solo, dos minerais, dos mares, rios, oceanos, córregos e ribeirões, estrelas, planetas, plantas com sua flora e fauna, do Sistema solar, dos Asilos, dos Programas Sociais, dos excluídos e inseridos em diferentes segmentos e facções, da globalização e da informatização, das Nações, do Planeta, entre outros. É o POVO DE DEUS no meio da SOCIEDADE deste século XXI, e em fase de RECONSTRUÇÃO. Da frieza do materialismo com seu agente e aliado consumismo, para a reconstrução de uma sociedade mais justa e fraterna, conforme o que JESUS CRISTO PREGOU: vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo, vós sois o olho do CORPO SOCIAL, vós sois minhas testemunhas. Foi assim que o Pároco Pe. André Luiz da Cruz conduziu a reflexão que, a partir da primeira Estação ocorrida no "SANTUÁRIO" Mãe Rainha, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Brasil, o cortejo subiu o morro do CRUZEIRO. A cada Estação um apelo: Cristo continuamos levando sua BANDEIRA, continue velando por nós que, com nossa pequenez queremos conhecer a ESSÊNCIA de suas pregações. Perdoe nossos pecados. Somos crianças do PLANETA TERRA e, por isso agimos desta forma. PERDÃO, SENHOR. Fizemos o máximo que pudemos e aguardamos a VINDA DO CONSOLADOR, conforme seus preceitos. Aí a ILUMINAÇÃO se dará. Vinde ESPÍRITO SANTO, na fé, nós vos aguardamos convictos de que a busca e a vivência dos valores imateriais será a BANDEIRA DESTE SÉCULO XXI. Uma bandeira forte deve ser uma bandeira levantada e levada por grupos, longe de individualismos e segmentarismos, conforme nos ensinou nosso MESTRE JESUS CRISTO através do Evangelho.
A Comunidade São Pedro de Rates uniu os esforços e preparou esta primeira ESTAÇÃO. A apresentação da poesia, VIA CRUCIS, da cachoeirense, Prof. Maria Antonieta de Rezende, na interpretação dos membros da Comunidade Fernanda e seu pai Jobinho, emocionaram os presente. As fotos serão enviadas a TS Bovaris que as disponibilizará para os internautas.
Fica aqui um convite: Participe, amanhã, terça-feira SANTA, da Procissão do ENCONTRO. Este ENCONTRO acontecerá no "Santuário" Mãe Rainha, em terras que foi do primeiro morador do CARMO DA CACHOEIRA DOS RATES, Manoel Antonio Rates, cujas terras foram doadas por seus descendentes para formar o PATRIMÔNIO DE NOSSA SENHORA DO CARMO, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais. Brasil.
projeto partilha disse…
QUANDO A DISTÂNCIA NÃO FAZ DIFERENÇA.

Márcio assina correspondência e encaminha-a ao Sr. João Felipe que busca encontrar o Sr. João Martins Ferreira. Márcio encontra um com este nome como proprietário de uma fazenda no interior do Estado de São Paulo, próxima do município de Jaú/SP. Segundo suas recentes descobertas, Márcio encontra uma fazenda com o nome de João Martins Ferreira e situa-se onde existe a "pequena estação ferroviária "Pedro II", no atual município de MINEIROS DO TIETE/SP.
Ao seguir a leitura da carta algo nos chama a atenção e fortalece nossa busca no macro-espaço. Diz Márcio:

"Sei de famílias que no século XIX, tinham propriedades rurais espalhadas por todo o Brasil. Como exemplo, cito um outro trisavô meu (brasileiro de origem portuguesa) que se chamava JOAQUIM TAVARES PESSOA; e que era dono de engenhos de açúcar em Pernambuco e Paraíba; ao mesmo tempo, com propriedades produtoras de café em São Paulo; e terras e charqueadas no Rio Grande do Sul - perto da fronteira com o Uruguai.
Cf.: site Genealogia - Windows Internet Explorer
http://trindade.blog.digi.com.br/
Texto - Fazenda de João Martins Ferreira e Família Frozza. História, Genealogia. 28 Dez.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…