A cada Estação um apelo ao Povo de Deus.

O Povo de Deus no mundo e sua relação com a sociedade deve passar por reflexão contínua, e é o que a Igreja Matriz Nossa Senhora do Carmo, sob a orientação de seu Pároco André Luiz da Cruz tem feito. Durante a subida do Calvário e, a cada uma das 14 estações, até chegar ao Cruzeiro as "falas" foram todas voltadas ao social. Lembrou-se dos presos, dos enfermos, dos anciãos, dos materialistas e "espiritualistas" abastados e carentes, dos pobres, dos letrados, dos analfabetos, dos drogados, dos idealizadores, dos cristãos e não cristãos, do cidadão sem teto e terra, da mãe desolada, do filho carente, do jovem em sua busca e fé, das crianças sem lar e tuteladas pelo Estado, das trevas e da luz, do materialismo corrosivo e devastador, do consumismo desenfreado, dos administradores, dos legisladores, do judiciário, da Segurança Pública, das estradas e dos veículos que por ela circulam e de seus condutores, hospitais, dos moradores das ruas, dos animais e do meio ambiente - do solo, dos minerais, dos mares, rios, oceanos, córregos e ribeirões, estrelas, planetas, plantas com sua flora e fauna, do Sistema solar, dos Asilos, dos Programas Sociais, dos excluídos e inseridos em diferentes segmentos e facções, da globalização e da informatização, das Nações, do Planeta, entre outros.

É o Povo de Deus no meio da Sociedade deste Século XXI, e em fase de reconstrução. Da frieza do materialismo com seu agente e aliado consumismo, para a reconstrução de uma sociedade mais justa e fraterna, conforme o que Jesus Cristo Pregou: vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo, vós sois o olho do Corpo Social, vós sois minhas testemunhas. Foi assim que o Pároco Pe. André Luiz da Cruz conduziu a reflexão que, a partir da primeira Estação ocorrida no Santuário Mãe Rainha, Carmo da Cachoeira, Minas Gerais, o cortejo subiu o Morro do Cruzeiro.

A cada Estação um apelo: Cristo continuamos levando sua bandeira, continue velando por nós que, com nossa pequenez queremos conhecer a essência de suas pregações. Perdoe nossos pecados. Somos crianças do planeta Terra e, por isso agimos desta forma. Perdão, Senhor. Fizemos o máximo que pudemos e aguardamos a vinda do consolador, conforme seus preceitos. Aí a iluminação se dará. Vinde Espírito Santo, na fé, nós vos aguardamos convictos de que a busca e a vivência dos valores imateriais será a Bandeira deste Século XXI. Uma bandeira forte deve ser uma bandeira levantada e levada por grupos, longe de individualismos e segmentarismos, conforme nos ensinou nosso Mestre Jesus Cristo através do Evangelho.

A Comunidade São Pedro de Rates uniu os esforços e preparou esta Primeira Estação. A apresentação da poesia, Via Crucis, da cachoeirense, Profª Maria Antonieta de Rezende, na interpretação dos membros da Comunidade Fernanda e seu pai Jobinho, emocionaram os presente. As fotos serão enviadas a TS Bovaris que as disponibilizará para os internautas.

Fica aqui um agradecimento: A todos que participaram da manifestação de fé da Procissão do Encontro . Este Encontro aconteceu no Santuário Mãe Rainha, em terras que foi do primeiro morador do Carmo da Cachoeira dos Rates, Manoel Antônio Rates, cujas terras foram doadas por seus descendentes para formar o Patrimônio de Nossa Senhora do Carmo de Carmo da Cachoeira.

Reveja a matéria - Via Sacra 2008

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.