Antiga estampa de Nossa Senhora das Dores.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.

Próxima imagem: Garoto cachoeirense da fazenda Caxambu.
Imagem anterior: A Santa Chaga na fazenda Caxambu, Minas.

Comentários

projeto partilha disse…
Fazenda Jaguara (ou Jaragua) em Carmo da Cachoeira. O Projeto Partilha conta com a colaboração da família na complementação de dados sobre esta propriedade. Uma de suas descendentes é ligada a Secretaria de Educação do Município. A Escola de sua atuação é a de primeiro grau, a Escola Municipal Dr. Moacir Resende. A centenária fazenda, no sul Minas Gerais tem sido pouco citada e é frequentada pelo nosso colaborador José Keitel Ribeiro, casado com uma descendentes. A professora a que nos referimos, é filha dos atuais proprietários, parentes da esposa do poeta José Keitel Ribeiro. Judith, procede da Fazenda Taquaral e são ligados aos "NAVES", consequentemente, parentes do sr. Célio Brasiliense Naves. Judith é uma pessoa muito, muito especial. Seus irmão também o são. A família é voltada a preservação de suas origens. Em seus arquivos existem algumas fotos históricas. São proprietários da Fazenda Jaguara (Jaragua?). Se for Jaguara, vamos buscar o que temos na genealogia, por ora, e que faz referência a este termo. Entre tantas outras citações, uma nos chama atenção, com isso não querendo, nem induzindo a ligações, apenas como citação.
Anna Maria de Araújo, casada com Vicente Ferreira da Silva, nascida e batizada na Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Rio das Pedras, são pais de José Izidoro da Silva que, segundo dados contidos às fls. 35 verso do livro de casamentos da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição das Carrancas e Santa Ana das Lavras do Funil, no dia 05-07-1782, registra o ato de casamento de Laureana Angélica de Tolledo Villas Boas, na Ermida de Nossa Senhora do Carmo, na Fazenda Jaguara. Como em genealogia nada se perde, tudo se aproveita, fica aí o registro.
projeto partilha disse…
Uma "pitadinha" de história. Johann Emanuel Pohl, da Comissão Científica e autor de "Viagem no Interior do Brasil" - 1819, cita o Registro do Duro, cuja criação é dada como tendo sido no século XVIII, passando depois a posto fiscal. É situado a sudeste do Tocantins, na franteira com a Bahia. Hoje corresponde ao Município de Dianópolis - TO. O autor seguiu o itinerário: Rio de Janeiro, Barbacena, São João Del Rei e Paracatu, Cristalina, Luziânia, Pirenópolis, Goiás Velho, Pilar, daí rumo ao Norte de Goiás.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.