Valério Ribeiro de Rezende e sua família.

Valério Ribeiro de Rezende era irmão de Urbana dos Reis Rezende; de Maria Benedicta dos Reis Rezende; de José dos Reis da Silva Rezende e de Estevam Ribeiro de Rezende. Todos filhos do fundador da Fazenda do Bom Jardim, Município de Três Corações, nascido aos 1 de janeiro de 1766, batizado na Capella de São Francisco do Honça, filial da Matriz de Nossa Senhora do Pillar da Villa de São João Del Rei, Minas Gerais, Domingos dos Reis Silva Júnior, casado com Francisca Ricardina de Rezende, filha do Coronel Severino Ribeiro e Josepha Maria de Rezende. A Urbana de Rezende Perdigão Malheiro, casou-se com o Dr. Agostinho Marques Perdigão Malheiro, português e ex- Juiz de Direito da cidade de Campanha, Minas Gerais.

A Maria Benedita de Rezende foi casada com o cel. Antônio José Teixeira, sobrinho de José Jesus Teixeira, um dos maiores proprietários de minas de ouro e escravos da cidade de Campanha, Minas Gerais. Foram fundadores da Fazenda dos Tachos.

Valério Ribeiro de Rezende, negociante na cidade de Campanha, Minas Gerais, casou-se com Francisca de Paula Ferreira Lopes, filha do Comendador Francisco de Paula Ferreira Lopes. Valério e Francisca tiveram: Francisco de Paula Ferreira de Rezende, casado com Ignácia Barbosa de Rezende e Valério Ribeiro de Rezende, falecido, solteiro.

Valério aparece como testamenteiro no inventário de Juliana de Oliveira Cunha, casada com Leandro de Campos Silva. Juliana foi a oitava filha de Maria Josefa da Trindade, casada com José de Paiva e Silva, filho de Domingos de Paiva. Maria Josefa e José foram pais, entre outros de Gaspar José de Paiva, casado em terceira núpcias com Maria Cândida de Paiva Bueno (Boeno). Em seu testamento,em Campanha da Princesa, 1846-1854, Gaspar José constitui seu terceiro testamenteiro, "Meu compadre Francisco de Paula Ferreira Lopes".

No mesmo estudo, disponibilizado pelo Projeto Compartilhar, José Joaquim de Paiva (1822, casado com Rita Angélica, constitui seu segundo testamenteiro, seu cunhado, Francisco de Paula Ferreiro Lopes.

Valério Ribeiro de Rezende, negociante na cidade de Campanha foi casado com Francisca de Paula Ferreira Lopes, filha do comendador Francisco de Paula Ferreira Lopes.

Trecho da obra de José Ovídio Reis.

Próximo Texto: Os Teixeiras e Reis de Carmo da Cachoeira.
Texto Anterior: A origem de José Roberto Reis.

Fonte: A obra Família Reis. Domingos dos Reis e Silva - O Patriarca. Seus descendentes, p. 211

Comentários

projeto partilha disse…
"... Do Carmo da Cachoeira a Ouro Preto, 46 léguas (...)". Para os estudantes dos dias atuais, essa medida de distância aparece como um complicador no desenvolvimento e entendimento da história de sua localidade. O Projeto Partilha utilizou-se de dois mapas para que, seu leigo olhar pudesse compreender as origens geográficas de nascimento de Mariana Vilela do Espírito Santo. Os mapas foram dois. Um com enfoque mais regional e outro mostrando a região no mapa do Brasil. Um MAPA DA REGIÃO DE MINAS NO SÉCULO XVIII. Fonte: BETHELL, Leslie (org). História da América Latina, Vol.2. São Paulo: EDUSP, 1999, p. 340 e 474.
Dona Mariana, nascida aos 28 dias do mês de junho de 1774 em Serranos, faleceu em Carmo da Cachoeira, Minas Gerais com 93 anos de foi casada com Manoel dos Reis Silva (I), nascido em 1747. Dona Mariana era neta de dona Felícia Siqueira ou Cerqueira. Entre seus filhos, dona Mariana Felisbina casou-se com Antonio Pereira de Gouvêa.
Serranos, em Aiuruoca surgiu de um acampamento de passantes e tropeiros vindos de SERRO DO FRIO. A capela, sob o orago de Nossa Senhora do Bom Sucesso, foi erecta a 29-07--1725, reorganizada a 28 de fevereiro de 1753 e, pela lei min. n.184, de 3 de abril de 1840 foi elevada a condição de Paróquia com o topônimo de Bom Sucesso dos Serranos.
O filho de dona Mariana Vilela do Espírito Santo, Gabriel dos Reis Silva, nascido em 1813, casou-se com a bisneta de Ângela de Moraes Ribeiro (Morais/Ribeira), mãe de José Joaquim Gomes Branquinho do Distrito do Carmo da Boa Vista - Lavras do Funil, Comarca do Rio das Mortes.
lfaleiros disse…
Para descomplicar podemos dizer que:
Mariana Vilela do Espírito Santo (*28-06-1774)era filha de Maria do Espírito Santo cc Domingos Vilela.
Neta Materna de Júlia Maria da Caridade (uma das "Tres Ilhoas") e de Diogo Garcia, também nascido na Ilha do Faial, Açores, Portugal.
Mariana se casou com Manoel dos Reis e Silva(*22-01-1754/
Barbacena-MG),filho de Domingos dos Reis e Silva cc Andreza Dias de Carvalho. Manoel faleceu em 1845, com testamento em sua fazenda Couro do Cervo, distrito de Boa Vista, Termo de Lavras do Funil. Em 1852, Mariana Faz o inventário de seus bens na mesma fazenda onde ainda morava, assinando-o de próprio punho, pois sabia ler e escrever. Só faleceu em 1865, sendo sepultada a 21-02, dentro da capela do cemitério da Matriz. (Livro Óbitos-01 (1858-1924) - Carmo da Cachoeira - ACD de Campanha - Pesq. Moacir Vilela. Mais detalhes no Site do Projeto Compartilhar.
Palmira Luiza

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.