Um quarteirão de luz em Carmo da Cachoeira.

Asegunda Casa Paroquial oficial, ficava bem próxima onde funciona hoje o Banco Itaú (leia-se, "Solar dos Vilelas"). Aliás, hoje, este quarteirão compreendido entre as ruas: Dom Inocêncio, Antonio Justiniano dos Reis, Presidente Antonio Carlos e dona Corina, é representado por uma energia de universalidade e serviço desinteressado. O único ponto comercial, é o referido banco. O espaço de recreação do Jardim de Infância, acontecia no quintal da Casa Paroquial. Mais tarde, com dona Neta, esposa do Dr. João Otaviano de Veiga Lima, eventos sociais. Depois cinema. Recentemente, funcionou o Projeto Trabalho e Dignidade, hoje a Igreja o utiliza para eventos sem fins lucrativos.

Ouvi, recentemente um comentário vindo de Selma Mendonça Dias, casada com Manoel Ferreira Dias - O Neca, um depoimento. Dizia ela: "no quintal da Casa Paroquial, Pe. Manoel organizava com as meninas, periodicamente, uma festa de batizados das bonecas. As meninas compareciam levando suas bonecas. Ele entrava com as quitandas. Era uma festa, e muito sadia".

Voltando ao referido quarteirão, vamos ver sua formação: a Galeria Paroquial, composta de salas utilizadas para reuniões com finalidade social e religiosa; laboratório de análises clínicas, contíguo ao Hospital; o Hospital Nossa Senhora do Carmo, e uma casa, na esquina com a rua dona Corina, onde as refeições não são cobradas. A casa é ligada à Luz da Colina. Um quarteirão, abençoado irradiando pura luz.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: As fazendas, os ribeirões e os caminhos.
Artigo Anterior: Carmo da Cachoeira e a Nova Era Banda Show

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.