A vida do tropeiro Mané Saraiva e sua família.

Os "causos" e vivências partilhadas, tendo como testemunhas o céu estrelado, tanto das noites frias de junho, como das claras noites de lua cheia do outono e verão aconteceram nos terreiros da casa sede, entre os 84 alqueires de terras pertencentes ao Tropeiro Mané Saraiva.

Segundo Neca, seu avô permanecia, lá pelo norte das Minas Gerais e Triângulo Mineiro três meses. Comprava manadas, compostas de cinco mil bois, e sob encomenda dos irmãos Antenor e Mário da Saquarema. Ao regressar de viagem, ficava em suas terras uma semana, voltando, a seguir, a outro ciclo de mais três meses na mesma lida - a de comprar animais.

Eugênio de Souza, pai de Maria de Souza, conhecida como "Aria", tinha, entre seus filhos um que não se casou, o Tio Otávio. Era ele quem ficava junto da irmã e fazia o papel e "impor o respeito" junto da prole de Aria, e os passantes pela estrada. A criançada aprendeu com ele muitas brincadeiras, principalmente, as de "assustar". Ouviram dele, também, muitas estórias de assombração. Dizia que elas ficavam assustando as pessoas nas estrada. Entre tantas brincadeiras em grupo, acontecia também os jogos de "bispa" e "trunfo". "Quem não gostava disso era a vovó", comenta Neca.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.