O Capitão-mor Francisco Luiz da Fonseca Bueno

Em 1720, Francisco Luiz da Fonseca Bueno com filhos e parentes aportou às margens do Rio Grande, município de São João del-Rey a que deram o nome de Nossa Senhora da Conceição de Rosário da Cachoeira do Rio Grande.

Em 1739 obteve sesmarias que abrangia larga área nesses territórios. Em 1741 se fixou no sítio denominado Cachoeira do Rio Grande, onde ergueu uma capela, filial da matriz de São João D'El Rey, e aí faleceu com o posto de Capitão-mor, com 83 anos, em 12-4-1752. Livro de óbitos do arquivo de Lavras, Minas Gerais, n.1. Sua esposa Maria Jorge Velho também faleceu no mesmo lugar a 21.2.1743, e foi sepultada dentro da própria capela. Seu filho Diogo Bueno da Fonseca casado com Joana Batista Bueno, penetrou pelo sertão do Rio Grande abaixo, nas Minas Gerais, e pelas terras do Capivari, no Rio das Mortes Pequeno, estabelecendo-se no arraial que denominou Carrancas, em 1741. em 1772, requereu a confirmação de uma sesmaria concedida a 30 de janeiro de 1753, abrangendo terras entre o Rio das Mortes Pequeno e o ribeirão dos Tabuões. Foi capitão de cavalaria e primeiro guarda-mor das minas de Sant ´Ana nas Lavras do Funil. Faleceu aos 12.12.1779, sendo sepultado dentro da capela de Nossa Senhora do Rosário, filial da matriz de Sant´Ana das Lavras do Funil de Carrancas, certidão de óbitos, arquivo de Lavras, livro n.2, pág.55. Sua esposa Joana Batista Bueno, faleceu à 2.10.1788. Deste casal descende o guarda-mor Diogo da Fonseca Bueno que em 1772 em Sorocaba, casou com Reginalda Maria de Godoy, filha do Tenente Felipe de Oliveira Fogaça, casado com Maria Francisca de Godoy (já descrito ascendência) pais de João Crisóstomo da Silva Bueno, Quartel-Mestre fal. em lavras em 1839, casado com Luiza Ludovina de Jesus, filha de Frutuoso Dias de Oliveira, casado com Teresa Maria de Jesus.¹

O Capitão-mor Francisco Luiz da Fonseca Bueno, nasceu em São Paulo em 1669, faleceu 1752 - Cachoeira do Rio Grande, Minas Gerais, casado com Maria Jorge Velho, faleceu 1743, foi filho de Diogo Bueno, falecido em 1700, casado com Maria de Oliveira, falecida em 1699, filha de outra Maria de Oliveira, casada com Paulo da Fonseca, já falecido em outubro de 1664².³

Maria de Oliveira4 na dúvida era filha de Rafael de Oliveira, falecido em 1648, casado primeira vez antes de 1596 com Paula Fernandes, falecida em 1614, filha de Manuel Fernandes casado com Susana Dias, falecida em 16435. filha de Lopo Dias, casado com Beatriz Dias, filha do cacique Tibiriça. Rafael de Oliveira, na dúvida, era filho de Antônio de Oliveira, falecido em 1613 e casado com Ângela Fernandes, irmã do Cap. André Fernandes. Antônio de Oliveira era filho de Antônio de Oliveira Gago, casado com Isabel Gonçalves falecida em 1593, filha de Diogo Gonçalves Castelão casou em São Vicente, em 1555 com Branca Mendes, filha de Tristão Mendes casado com Violante Dias (Cristãos Novos). Antônio de Oliveira Gago, casado com Isabel Gonçalves era filho de Antônio de Oliveira casado a primeira vez com uma Gago.

Árvore Genealógica Família Dias de Oliveira - Bueno.

Trecho da pesquisa de Ary Silva

Próximo Texto: O casamento do alferes Antônio Dias Ferraz.
Texto Anterior: Borges Pinto descreve a estrutura dos quilombos.

1. An. Gen. Bras. I GB - Vol. VI - 1944 - obra do insígne genealogista ARY FLORENZANO - Lavras, Minas Gerais, falecido nessa cidade aos 89 anos em 1983.
2. Rev. Inst. Heráldico Gen. Anos IV e V, n.8 - segundo semestre de 1940 e primeiro e segundo semestre de 1941, trabalho de Frei Alberto Ortmann O. F. M
3. Alfredo Ellis Jr. - O Bandeirantismo Paulista e o Recuo do meridiano, pág.256.
4. Américo de Moura - Povos Campo Piratininga, informa em Tit. Oliveira, pág.128.
5. SL. Vol. oitavo, página 484 e Vol. sétimo, pág.257.

Comentários

Meu nome e Newton Herculano Carneiro Pinto, sou neto do Gen. Antonio Carneiro Pinto natural de Anicuns Goyas 1884, filho de Saturnino Benigno Pinto que foi Vereador em Goyas na legislatura de 1882,sua mae Josephina Augusta Carneiro da Fonseca.Um dos documentos que possuo um e muito interessante e data do dia 26 de Maio de 1892,e tenho um carinho especial ,o mesmo carinho tenho pelo missal que pertenceu a avo do meu avo, Dona Thereza Josephina da Fonseca e ainda uma carta dela ao seu neto Antonio com data de 22 de Marco de 1901.Meu relato e por razoes Genealogicas e procuro, dados e fatos novos alem dos que sei sobre meu lado paterno.Espero e crio espectativas de encontrar algum vestigio com este meu comentario.
Newton Herculano Carneiro Pinto
Porto Alegre . RS
Prezado Senho Newton,

Agradecemos imensamente as informações que nos passou. Mais importante que para nós no entanto esses dados serão úteis para pesquisadores de dono o mundo que acessam esse blog.

No momento no entanto estamos focados em uma outra missão distinta da pesquisa genealógica, por isso não poderemos acompanhar suas pesquisas, mas podemos sugerir que garimpe algo sobre a família nas matérias que citam a Fazenda Maranhão (muitas informações não estão na matéria principal e sim nos comentários).

Cole no seu navegador o link caso ele não abra automaticamente:

https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=%22Fazenda+Maranh%C3%A3o%22+site%3Acarmodacachoeira.net
Caro senhor
Ricard Wagner Rizzi.
Obrigado pelo norte, vou garimpar no link indicado.Tenho conseguido poucas informacoes sobre a familia de meu avo Antonio Carneiro Pinto, mais as que estao surgindo sao de grande valia e importancia , nao so para mim pois estas fazem parte da historia do estado de Goias e do Brasil, A mais nova imformacao e a de que Saturnino Benigno Pinto foi colectos do estado de Goias, e alem de ter sido Vereador na legislatura ja mencionada e meu comentario anterios ele ocupou outros cargos seus filhos foram Herculano Carneiro Pinto Galilleu Carneiro Pinto que foi dentista e fum dos fundadores da universidade de odonto, e Hercules Carneiro PintoPara nao me alongar muito como diriamos nos gauchos fico por aqui informando ao senhor que aqui no Sul temos a familia Rizzi.
Forte abraco.
Newton
POA-RS

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.