No meio da minha praça, existe uma bela igreja.

No meio da minha cidade,
Existe uma bela praça,

Que me traz sempre à lembrança
O meu tempo de criança.

Mas a praça, hoje, é outra!
Está muito diferente!
E muito mais atraente!

Oh! Praça cheia de graça!
Oh! Praça cheia de vida!
Oh! Praça cheia de árvores!
Oh! Praça cheia de sol!
Oh! Praça cheia de flores!
Oh! Praça cheia de amores!

No meio da minha praça,
Existe uma bela igreja
Que, aos domingos, nos acolhe
Para a ceia benfazeja.

Que igreja cheia de encanto!
Que igreja cheia de santo!
Que igreja cheia de anjos!
Que igreja
cheia de luz!
Que igreja cheia de flores!
Que igreja cheia de amor!
Que igreja que nos seduz!

Na torre da minha igreja,
Mora um mocho incoerente,
Que dorme durante o dia
E, durante a noite, chia.

Oh! Que mocho renitente!
Oh! Que mocho impertinente
Que assusta
toda a gente!
Quando, à noite, ele chia,
Até o cabelo arrepia!

Trecho da obra:
Encontros e desencontros
de Maria Antonietta de Rezende

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto: A tua culpa hás de levar contigo!
Texto Anterior: O beija-flor e a rosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.