Manoel Antônio Rates e o sítio da Santa Cruz.

Manoel Antonio Rates deveria ter por volta de 10 anos (?, que pena que não encontramos dados que nos confirme esta informação), quando na Paragem chamada, "O Sítio da Santa Cruz" foi inventariado Pedro de Almeida e Oliveira. Mons. Lefort deixou vários alertas, que os pesquisadores, ao visitar sua sala no Museu em Campanha, encontram. Diz ele: Não confundam: toda vez que se ver o termo "Cachoeira" em registros paroquiais desta região antes, ou por volta de 1730, saibam que a referência é a Cachoeira em Rosário de Lavras. Foi destas paragens, que o primeiro morador da Cachoeira dos Rates, situada no Ribeirão do Carmo, procedeu.

No inventário de Pedro de Almeida de Oliveira, sargento-mor, falecido em 1747 e inventariado por sua viúva, Maria da Conceição, falecida em 1787, pode-se ler o seguinte:

"Paragem chamado o sítio da Cachoeira da Santa Cruz, aplicação da Capela de Nossa Senhora do Rosário da Freguesia de Santana das Lavras do Funil. Termo da Vila de São José del Rei. Minas. Comarca do Rio das Mortes."¹

Será que este pessoal conheceu os pais, ou os sogros de Manoel Antônio Rates? Será...? será...? será...?

Qual a relação existente entre eles? Qual...? qual...? qual...?

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto:
Texto Anterior: O revolucionário Pedro de Rates Henequim .

1. Projeto Compartilhar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.