Pular para o conteúdo principal

José Antônio Diniz Junqueira, o 1º vereador.

Filho de Gabriel de Souza Diniz e de Francisca Maria da Encarnação Junqueira, José Antônio Diniz Junqueira, foi batizado em São Tomé das Letras, em 6 de novembro de 1805. Casou-se, em primeiras núpcias, com sua prima Carlota Clementina Balduína de Sant'Ana, que, segundo o genealogista e historiador Mons. José do Patrocínio Lefort, era o nome que usava oficialmente, mas Amélio Garcia de Miranda, genealogista e historiador trespontano, afirma que o nome dela era Carlota Balduína Flora Junqueira, filha de José de Souza Diniz e Catarina Luiza Ferreira de Brito. Falecendo sua esposa, casou-se, em segundas núpcias, com Maria Claudina Junqueira.


José Antônio participou da política de Lavras e foi eleito o primeiro presidente da Câmara Municipal, instalada em 14 de novembro de 1832. Quando da criação da freguesia de Nossa Senhora da Ajuda das Três Pontas, em 14 de julho de 1832, foi eleito o primeiro Juiz de Paz¹. Por ocasião da venda da fazenda da Cachoeira, que possuía em conjunto com seu irmão, Francisco Antônio Diniz Junqueira, situada e Campanha, Minas Gerais, estava residindo em Franca, São Paulo. Deixou grande descendência em Três Pontas. Faleceu em Franca, Estado de São Paulo.

Artigo de Paulo Costa Campos

Próxima matéria: O Sargento-Mor Antônio Gonçalves de Mesquita.
Matéria Anterior: O professor Dosico, prefeito de Três Pontas.

1. Almanak Sul Mineiro - 1884. Bernardo Saturnino da Veiga.
2. Genealogia Trespontana. Amélio Garcia de Miranda, inédita.

Comentários

projeto partilha disse…
Algumas de nossas anotações a respeito deste assunto:

- Francisca Maria da Encarnação era irmã de João Francisco Junqueira, casado com Maria Ignácia do Espírito Santo, filha única de MANOEL FERREIRA MENDES e MARIA FRANACISCA DO ESPÍRITO SANTO - é o seu primeiro casamento. São pais de Genoveva, casada com Antonio Sancho Diniz Junqueira, filho de Gabriel de Souza Denis (Dinis/Diniz).

- João Dinis Junqueira foi casado com Maria Emerenciana de Andrade (neto de Francisco Teodoro de Mendonça, Capitão, casado com Delfina Francisca de Andrade, filha de Emerenciana e Francisco Antonio de Souza.
paulo costa campos disse…
GABRIEL DE SOUZA DENIS

Requereu uma sesmaria nas cabeceiras das Águas Verdes, em 16 de novembro de 1773 (SC. 206 p.62v. Arquivo Público Mineiro). Deixou grande descendência no Sul de Minas e São Paulo. Grafava-se também seu nome como Gabriel de Souza Diniz. Era casado com Francisca Maria da Encarnação Junqueira. Mudou-se para Baependi, Minas Gerais. Seu filho, José Antônio Diniz Junqueira, foi o primeiro Presidente da Câmara da Vila das Lavras do Funil, em 1831, e também o primeiro Juiz de Paz de Três Pontas, em 10 de fevereiro de 1841. Gabriel de Souza Diniz mudou-se para o Estado de São Paulo, onde deixou grande descendência.
paulo costa campos disse…
ANTÔNIO GONÇALVES DE MESQUITA

Natural da cidade de São João Del Rei, nascido em data ignorada, filho adotivo do alferes Francisco José de Mesquita e Hipólita Carolina de Abreu, residentes em Lavras, Minas Gerais e depois em Três Pontas. Casou-se com a trespontana Silvéria Maria Ferreira (Livro n.3, em 03-JUL-1822). Possuía a patente de Sargento-Mor. Por ocasião da elevação de Três Pontas à vila, em 1 de abril de 1841, foi eleito Presidente da Câmara e, como não havia Juiz Municipal, rubricou os livros dos Cartórios de Notas. Músico competente, fundou e dirigiu uma banda musical. Seus descendentes ocuparam cargos de destaque na comunidade e, até hoje, mantêm as tradições políticas do genearca. Foi ele que mandou construir o prédio onde funcionava sua botica (farmácia). O velho casarão abrigou também o Hotel dos Viajantes, na Rua São Pedro, 72. Este foi demolido e, no local, edificou-se o prédio que abriga o Supermercado Angolinha. Faleceu em 24 de abril de 1868, conforme inventário arquivado Fórum local (pacote 20).
projeto partilha disse…
MATTOS, José Américo Junqueira de. Família Junqueira: sua história e genealogia. Rio de Janeiro: Família Junqueira, 2004. ISBN 85-98504-01-7, p.294:

2-3 Guarda-Mor José Antônio Diniz Junqueira

Foi batizado em 6 de novembro de 1805, em São Tomé, Minas Gerais (Brotero Segunda edição. 1959,p.351). Casou-se duas vezes. Seu primeiro casamento se deu por volta de 1824, em Lavras-MG (Brioschi, 1985, p.203., com sua prima, Carlota de Souza Diniz, filha de José de Souza Diniz e de Catarina Ferreira de Brito. José Antonio e Carlota de Souza tiveram 6 filhos. Uma suposta sétima filha de José Antônio, Helena, não consta em nenhuma das edições de Frederico de Barros Brotero, no entanto ela existiu e aparece entre os filhos herdeiros na divisão da Faz. Bocaina. Outro fato curioso é que nessa mesma divisão, o nome de uma das filhas do guarda-mor José Antônio, Ana Flausina, não aparece. Carlota faleceu em 19 de agosto de 1838, e foi sepultada no Adro da Matriz de São Tomé das Letras (Liv. Ób. Carraancas 1816/1874 p.120).
O guarda-mor José Antônio casou-se pela segunda vez em 15 de fevereiro de 1841, em Franca-SP, com Maria Claudina do Coração de Jesus, filha de Francisco Antonio Pires e de Maria da Conceição de Jesus (Casamentos Franca 1840/1860 p.7v). O guarda-mor José Antonio e Maria Claudina não tiveram filhos. Além dos filhos do primeiro casamento, o guarda-mor José Antônio teve uma filha, Mariana Clara Diniz, que reconheceu e legitimou (Diniz Junqueira, 1982,p.27).
José Antônio permutou algumas terras ao sul de Minas Gerais (possivelmente as terras da Faz. Santo Ignácio, que recebera pelo inventário da mãe, Maria Francisca da Encarnação) pela Faz. Palmeira, na margem esquerda do Rio do Pardo, pertencente ao seu cunhado João José de Carvalho. Não existe documentação da transação, mas podemos comprová-lo pela permanência de descendentes de José Antônio e de terceiros, que compraram as suas propriedades, nas terras da antiga Faz. Palmeiras (Diniz Junqueira, 1982, p.28.
projeto partilha disse…
José Américo Junqueira de Mattos, em sua obra, p.295 diz:
O guarda-mor José Antonio Diniz Junqueira foi o primeiro Juiz de Paz do distrito de Três Pontas e, também, o presidente da primeira Câmara Municipal de Lavras, instalada em 14 de agosto de 1832 (Brotero Segunda Edição, 1959, p.351). Não há documentos que confirmem a data da vinda do guarda-mor José Antonio para São Paulo (...).
Em 1829, o guarda-mor era ainda alferes, pois no inventário de sua cunhada, Marianna Constância Diniz Junqueira, esposa do capitão-mor Francisco Antonio Diniz Junqueira, José Antonio recebe o título de alferes. O inventário é datado de 21 de junho de 1829.
projeto partilha disse…
Existe um conto escrito pelo professor JAIME CORRÊA DA VEIGA, casado com uma cachoeirense e conhecido de muitos aqui. Trata-se de uma história verídica, que foi publicada com a autorização da família. Ela traça o enredo de uma descendentes da Família Junqueira de nome Helena. Fala do Barão de Alfenas, conta parte da história da aquisição da FAZENDA DO SOBRADINHO, enfim, revela uma história, até então pouco divulgada (1976), e que envolvia um belo e sublime romance ocorrido por gente ilustre, de "sangue azul", formado pelas famílias SOUZA E JUNQUEIRA. O professor Jaime denominou sua obra de O POCO DA COBRA PRETA. Lembramo-nos dela ao ouvir Dr. José Américo Américo Junqueira de Mattos dizer, "... uma suposta sétima filha de José Antônio, Helena" ..."
projeto partilha disse…
Floriana Maria da Silva é chamada por Otávio J. Alvarenga, em sua obra, TERRA DOS COQUEIROS (REMINISCÊNCIA), segunda edição. Minas Gerais. 1978, p.23, por FORIANA BORGES DA SILVA, ao traçar a genealogia das Famílias Vilela e Junqueira. Diz ele, p.22: "Do casal Domingos Vilela e Maria do Espírito Santo, dentre outros, era filho José Joaquim Vilela, o terceiro e batizado em Serranos a 11-6-1759, onde se casou em 1778, com Maria Mendes de Brito (nascida em Aiuruoca). Esse casal proprietário que foi da Fazenda do "Leitão", deixou aqui entre outros o filho,
1- Joaquim Francisco Vilela, casado que foi com Ana Esméria Alves e, depois de viúvo com sua prima Genoveva Maximiana Vilela. Foi, segundo o historiador Basileu Toledo França, "um dos desbravadores do Sudoeste de Goiás."
Faleceu em 1868. Deixou dos dois matrimônios vários filhos, dentre os quais, JOSÉ FRANCISCO VILELA (primeiro desse nome), casado com sua prima Francisca Bernardina Vilela. A esses filhos legítimos de Francisco Joaquim Vilela o citado Basileu, em seu apreciado "Pioneiros", acrescenta José Manuel Vilela, aqui nascido em 18-4-1815, filho (bastardo) do referido Francisco Joaquim Vilela e de FLORIANA BORGES DA SILVA, mulata e jovem insinuante, de quem se enamorou Chico Vilela, (...) até que nascesse José Manuel Villela.

Para outros dados, Cf.:
4-1-3 FLORIANA MARIA DA SILVA (ou Borges) batizada em Coqueiral, Minas Gerais aos 02-11-1795 em PROJETO COMPARTILHAR. Estudo Domingos Borges da Silva. Aportes e Correções à Genealogia Paulistana (atualizações). Atualizado em 24-novembro-2008.

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

O quilombo funcionava de maneira organizada, suas leis eram severas e os atos mais sérios eram julgados na Aldeia de Sant’Anna pelos religiosos. O trabalho era repartido com igualdade entre os membros do quilombo, e de acordo com as qualidades de que eram dotados, “... os habitantes eram divididos e subdivididos em classes... assim havia os excursionistas ou exploradores; os negociantes, exportadores e importadores; os caçadores e magarefes; os campeiros ou criadores; os que cuidavam dos engenhos, o fabrico do açúcar, aguardente, azeite, farinha; e os agricultores ou trabalhadores de roça propriamente ditos...” Todos deviam obediência irrestrita a Ambrósio. O casamento era geral e obrigatório na idade apropriada. A religião era a católica e os quilombolas, “...Todas as manhãs, ao romper o dia, os quilombolas iam rezar, na igreja da frente, a de perto do portão, por que a outra, como sendo a matriz, era destinada ás grandes festas, e ninguém podia sair para o trabalho antes de cumprir …

A família do Pe. Manoel Francisco Maciel em Minas.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.


Próxima imagem: Sete de Setembro em Carmo da Cachoeira em 1977.
Imagem anterior: Uma antiga família de Carmo da Cachoeira.

Aparições de Nossa Senhora em Carmo da Cachoeira.

A PADROEIRA
Senhora do Carmo
Informativo da Paróquia Nossa Senhora do CarmoEdição ExtraordináriaFEVEREIRO de2012
Carmo da Cachoeira/MG - Diocese da Campanha

NOTA DE ESCLARECIMENTO AOS PAROQUIANOS Pe. André da Cruz


Ultimamente, o fenômeno de supostas “aparições” de Nossa Senhora têm se multiplicado no, Brasil e em outros países, deixando muita gente confusa, tanto na vivência da Fé cristã, como no discernimento da veracidade dos fatos.
Como pastor dos católicos cachoeirenses ou demais participantes da Paróquia Nossa Senhora do Carmo não posso me furtar a trazer algumas reflexões e esclarecimentos de forma refletida, prudente e baseada nos subsídios doutrinais da Igreja Católica e à luz do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Dessa forma, transmito aos prezados paroquianos algumas orientações feitas pela Conferência Nacional dos Bispos no Brasil, que em seu documento “Aparições e Revelações Particulares”, afirma:
Nos últimos anos, o número de “aparições” e “revelações” particulares, princi…

Antiga foto da cidade de Carmo da Cachoeira.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Paulo Naves dos ReisPróxima imagem: Imagem da mata da fazenda Caxambu em Minas.
Imagem anterior: Um pouco sobre a região do distrito de Palmital.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.

Observando os mapas do Quilombo de São Gonçalo, o da Samambaia e o do Ambrózio, todos com uma duração temporal grande permitindo, em última instância, uma certa estabilidade populacional e social capaz de gerar uma sociedade mais complexa, propiciadora de elementos materiais mais duráveis, percebe-se que eles possuíam muitas semelhanças e dentre elas, a delimitação de seus territórios por fossos, estrepes e trincheiras. Neste território se dava a vida social do grupo, ou seja, as relações econômicas, sociais e provavelmente políticas. As casas dos quilombos estavam divididas entre moradias e casas para atividades específicas, como por exemplo, ferraria, casa do curtume e a casa dos pilões. No Quilombo do Campo Grande, em 1746, foi localizado mais de 600 negros vivendo com “... fortaleza, cautelas e petrechos tais que se entende pretendem se defender-se...”1Uma outra referência sobre o mesmo quilombo, afirma que os quilombolas se defenderam por mais de 24 horas, protegidos por um palan…

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Pedro Romeiro de Campos é o ancestral da família Campos do Sul de Minas, especialmente de Três Pontas. Não consegui estabelecer ligação com os Campos de Pitangui, descendentes de Joaquina do Pompéu.Pedro Romeiro de Campos foi Sesmeiro nas Cabeceiras do Córrego Quebra - Canoas¹. Residia em Barra Longa e casou-se com Luiza de Souza Castro² que era bisneta de Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.Filhos do casal:- Ana Pulqueria da Siqueira casado com José Dias de Souza;
- Cônego Francisco da Silva Campos, ordenado em São Paulo , a 18.12.1778, foi um catequizador dos índios da Zona da Mata;
- Pe. José da Silva Campos, batatizado em Barra Longa a 04.09.1759;
- João Romeiro Furtado de Mendonça;
- Joaquim da Silva Campos, Cirurgião-Mor casado com Rosa Maria de Jesus, filha de Francisco Gonçalves Landim e Paula dos AnjosFilhos, segundo informações de familiares:-Ana Rosa Silveria de Jesus e Campos, primeira esposa de Antônio José Rabelo Silva Pereira, este nascido em Lagoa Dourada³;
- Joaquim da …

Deus Pai, o Divino Espírito e a Sagrada Família.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.Foto: Evando Pazini - Arte: TS BovarisPróxima imagem: Manoel Antônio Teixeira da Fazenda Campestre.
Imagem anterior: Antigo telefone da fazenda da Serra.

Foto de família: os Vilela de Carmo da Cachoeira-MG.

Ajude-nos a contar a história de Carmo da Cachoeira. Aproveite o espaço "comentários" para relatar algo sobre esta foto, histórias, fatos e curiosidades. Assim como casos, fatos e dados históricos referentes a nossa cidade e região.
Esta foto foi nos enviada por Rogério Vilela. Da esquerda para a direita: Custódio Vilela Palmeira, Ercília Dias de Oliveira, Fernando de Oliviera Vilela, Adozina Costa (Dozica), Jafoino de Azevedo e José de Oliveira Vilela (Zé Custódio).
Imagem anterior: Sinopse Estatística de Carmo da Cachoeira - 1948

Barleus e a imagem do Quilombo dos Palmares.

..., só se conhece uma imagem feita sobre Palmares durante sua existência. Trata-se da feita por Barleus1 em 1647 e reproduzida em Reis2. Infelizmente, esta imagem não possui riquezas de detalhes ou de informações. Aparentemente, trata-se de um posto de observação à beira de um rio que serve de local de pescaria coletiva.
Trecho de um trabalho de Marcia Amantino.

Próximo Texto: O negro aquilombado e a população colonial.
Texto Anterior: Padre Vieira e a legítima sua organização dos quilombos.
Figura: Imagem de Palmares - Barleus
1 Barleus, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
2 REIS, João José e GOMES, Flavio dos S. Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996. p. 33

A importância e o trabalho dos ferreiros.

Pode-se perceber nos mapasfeitos sobre os quilombos que o espaço interno da estrutura era usado de maneira a indicar uma provável especialização das diferentes construções. Esta espacialidade poderia indicar uma certa hierarquia social dentro da comunidade. O fato de que a casa de ferreiro (São Gonçalo), a Casa do Conselho e do Tear (Perdição), a Casa de audiência (Samambaia) e a Casa do Rei (Braço da Perdição), estarem sempre em local destacado é sugestivo. O que isto pode indicar? É possível a partir destes dados, pressupor que houvesse no interior das comunidades quilombolas uma hierarquização política e social, já que elementos que desempenhavam um papel de destaque para a manutenção dos grupos claramente tinham seu espaço físico igualmente destacado.
O caso das Casas de ferreiro que aparecem no quilombo da Samambaia e no de São Gonçalo é curioso porque pode nos remete à uma prática antiga na África, ou seja, o uso do metal. É provável que os quilombolas utilizaram-se desse conhec…