Dos patronos até o reconhecimento régio.

"A conversão do sertão capelas e a governamentalidade nas Minas Gerais". De autoria de Francisco Eduardo de Andrade, trata da instituição das capelas no território das Minas Gerais, considerando a sua significação política e a sua relação com o enquadramento social da população. Procura-se avaliar essa prática de poder, desde a fundação pelos patronos coloniais até o reconhecimento eclesiástico e régio. Observando-se os laços políticos na segunda metade do século XVIII, verifica-se ainda que as capelas, mecanismos de poder senhorial e de normalização dos súditos, tinham um papel fundamental na governamentalidade do Estado, especialmente nas fronteiras.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Carmo da Cachoeira, sua história e seu povo.
Artigo Anterior: Luiz Alves de Freitas Bello e dona Anna Quitéria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.