Caminhando sobre as águas com Cristo.

Despedindo a multidão,
Sobre Jesus a montanha,
E, chegando a noite, lá estava,
Orando na solidão.

Seus discípulos, na barca,
Na outra margem, aguardavam,
Mas, o vento era contrário
E as águas se agitavam.

E, ao chegar a madrugada,
Antes mesmo da alvorada,
Vem Jesus ao seu encontro,
Caminhando sobre o mar.

Quando os discípulos O viram,
Caminhando sobre as águas,
Um grande medo sentiram.
Julgando ser um fantasma,
Deram gritos de terror.

Mas Jesus tranquilizou-os
Dizendo: - Não tenhais medo!
Sou eu, o vosso Senhor.
Mas, Pedro quis ter certeza
Dessa tão grande proeza,
Toma a palavra e fala:
- Se és tu mesmo, Senhor,
Manda-me ir ter contigo,
Manda-me ir sobre as águas!
O senhor lhe disse: - "Vem!"
E Pedro, imediatamente,
Guiado por sua luz,
Sai da barca e caminha,
Por sobre as águas também,
Ao encontro de Jesus.

Mas, redobrando o furor,
Do vento, a violência,
Teve medo o pescador,
E começando a afundar
Grita então, com veemência:
- "Vem salvar-me, meu Senhor!"

No mesmo instante, Jesus
Estende a mão e o segura
E, da sua pouca fé,
Faz-lhe, então, uma censura.
E, quando entraram na barca,
Aqueles que lá se achavam,
Prostrados diante dele,
- Assim, afirma Mateus -
Adoram-nO dizendo:
- Agora temos certeza,
Tu és o Filho de Deus!

Nas tempestades da vida,
No mar de muita tormenta,
Guiada por tua luz,
Tua luz me orienta.
Seguro em tua mão,
E tua mão me sustenta!

Trecho da obra:
Encontros e desencontros
de Maria Antonietta de Rezende

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próximo Texto: O beija-flor e a rosa.
Texto Anterior: Maio, o incipiente friozinho e a cristandade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.