As fazendas, os ribeirões e os caminhos.

Em alguns documentos mais antigos a fazenda dos Pinheiros, do Município de Carmo da Cachoeira, aparece com Lavras ou Luminárias, por uma questão de mudanças nos limites. O Projeto Partilha a trata, como sendo uma fazenda limítrofe do conglomerado da fazenda da Boa Vista.

A Fazenda Boa Vista, que foi havida por compra por José Joaquim Gomes Branquinho, e que cedeu o nome ao Distrito que se formou ligado a Lavras do Funil, incorporou, num dado momento, as Terras da Fazenda dos Pinheiros citada acima.

A fazenda Pinheirinho, fica no lado oposto a fazenda dos Pinheiros, tendo como referência o Rio Ingaí. A fazenda Pinheirinho (dos ascendentes do Neca), fica bem próxima a Ingahy Velho; a fazenda do Miranda; ao Morro e a Fazenda do Carvalho e entre a Serra do Campestre e a Serra Pedra Branca.

Existia um caminho bem conhecido nos velhos tempos que, vindo da Serra das Três Pontas, seguia em direção a fazenda da Barra, chegando a Luminárias, em seu percurso, entre a Fazenda do Quilombo e o ribeirão e a fazenda da Vargem Grande (com início no Ribeirão Pirapetinga ou Pirapitinga), existia um desvio. Ele fazia a ligação ao caminho que, vindo da Serra do Campestre, passava pela fazenda Pinheirinho e Ingahy Velho, seguindo até Luminárias. Assim, Serra das Três Pontas e fazenda Pinheirinho se interligavam, passando pela fazenda da Barra.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: A filosofia da Existência e a Cachoeira dos Rates
Artigo Anterior: Um quarteirão de luz em Carmo da Cachoeira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.

Palanques e trincheiras na defesa dos quilombos.