A igreja, os sacramentos e os escravos mineiros.


Em "Escravos e a Morte: Uma sondagem nos registros paroquiais de óbitos de Minas Gerais colonial" de Renato Pinto Venancio, selecionou para seu trabalho três paróquias, Campanha foi um delas. O trabalho, pela UNICAM, foi apresentado no XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP, descrito nas páginas 1299 a 1306.

Algumas tomadas:

- A Igreja católica sempre conferiu uma importância muito grande aos sacramentos que precediam a morte.

- No caso específico de Minas Gerais, a atividade religiosa se restringiu, pelo menos na primeira metade do século XVIII, às atividades paroquiais.

- Em nosso levantamento selecionamos as atas de óbitos de três paróquias mineiras. Mariana, ocupada em fins do século XVII, e sede do primeiro bispado mineiro. Diamantina, área povoada na década de 1720 e que foi alvo de uma rígida política metropolitana de isolamento. A terceira paróquia selecionada pertencia à Vila de Campanha, situada no Sul de Minas, subordinada ao distante bispado de São Paulo e voltada, desde o início do século XVIII, ao abastecimento das regiões auríferas.

Projeto Partilha - Leonor Rizzi

Próxima matéria: Os herdeiros de Domingos Ferreira Guimarães.
Artigo Anterior: As terras do coronel Francisco Alves da Silva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A organização do quilombo.

A Família Campos no Sul de Minas Gerais.